Espiritismo .NET

Cientistas comprovam a reencarnação humana


3 de dezembro de 2014



Cientistas comprovam a reencarnação humana




Desde que o mundo é mundo discutimos e tentamos descobrir o que existe além da morte.

Desta vez a ciência quântica explica e comprova que existe sim vida (não física) após a morte de qualquer ser humano.

Um livro intitulado O biocentrismo: Como a vida e a consciência são as chaves para entender a natureza do Universo “causou” na Internet, porque continha uma noção de que a vida não acaba quando o corpo morre e que pode durar para sempre. O autor desta publicação o cientista Dr. Robert Lanza, eleito o terceiro mais importante cientista vivo pelo NY Times, não tem dúvidas de que isso é possível.


Além do temo e do espaço

Lanza é um especialista em medicina regenerativa e diretor científico da Advanced Cell Technology Company. No passado ficou conhecido por sua extensa pesquisa com células-tronco e também por várias experiências bem sucedidas sobre clonagem de espécies animais ameaçadas de extinção.

Mas não há muito tempo, o cientista se envolveu com física, mecânica quântica e astrofísica. Esta mistura explosiva deu à luz a nova teoria do biocentrismo que vem pregando desde então. O biocentrismo ensina que a vida e a consciência são fundamentais para o universo.

É a consciência que cria o universo material e não o contrário.

Lanza aponta para a estrutura do próprio universo e diz que as leis, forças e constantes variações do universo parecem ser afinadas para a vida, ou seja, a inteligência que existia antes importa muito. Ele também afirma que o espaço e o tempo não são objetos ou coisas mas sim ferramentas de nosso entendimento animal. Lanza diz que carregamos o espaço e o tempo em torno de nós “como tartarugas”, o que significa que quando a casca sai, espaço e tempo ainda existem.

A teoria sugere que a morte da consciência simplesmente não existe. Ele só existe como um pensamento porque as pessoas se identificam com o seu corpo. Eles acreditam que o corpo vai morrer mais cedo ou mais tarde, pensando que a sua consciência vai desaparecer também. Se o corpo gera a consciência então a consciência morre quando o corpo morre. Mas se o corpo recebe a consciência da mesma forma que uma caixa de tv a cabo recebe sinais de satélite então é claro que a consciência não termina com a morte do veículo físico. Na verdade a consciência existe fora das restrições de tempo e espaço. Ele é capaz de estar em qualquer lugar: no corpo humano e no exterior de si mesma. Em outras palavras é não-local, no mesmo sentido que os objetos quânticos são não-local.

Lanza também acredita que múltiplos universos podem existir simultaneamente. Em um universo o corpo pode estar morto e em outro continua a existir, absorvendo consciência que migraram para este universo. Isto significa que uma pessoa morta enquanto viaja através do mesmo túnel acaba não no inferno ou no céu, mas em um mundo semelhante a ele ou ela que foi habitado, mas desta vez vivo. E assim por diante, infinitamente, quase como um efeito cósmico vida após a morte.


Vários mundos

Não são apenas meros mortais que querem viver para sempre mas também alguns cientistas de renome têm a mesma opinião de Lanza. São os físicos e astrofísicos que tendem a concordar com a existência de mundos paralelos e que sugerem a possibilidade de múltiplos universos. Multiverso (multi-universo) é o conceito científico da teoria que eles defendem. Eles acreditam que não existem leis físicas que proibiriam a existência de mundos paralelos.

O primeiro a falar sobre isto foi o escritor de ficção científica HG Wells em 1895 com o livro The Door in the Wall. Após 62 anos essa ideia foi desenvolvida pelo Dr. Hugh Everett em sua tese de pós-graduação na Universidade de Princeton. Basicamente postula que, em determinado momento o universo se divide em inúmeros casos semelhantes e no momento seguinte, esses universos recém-nascidos dividem-se de forma semelhante. Então em alguns desses mundos que podemos estar presentes, lendo este artigo em um universo e assistir TV em outro.

Na década de 1980 Andrei Linde cientista do Instituto de Física da Lebedev, desenvolveu a teoria de múltiplos universos. Agora como professor da Universidade de Stanford, Linde explicou: o espaço consiste em muitas esferas de insuflar que dão origem a esferas semelhantes, e aqueles, por sua vez, produzem esferas em números ainda maiores e assim por diante até o infinito. No universo eles são separados. Eles não estão cientes da existência do outro mas eles representam partes de um mesmo universo físico.

A física Laura Mersini Houghton da Universidade da Carolina do Norte com seus colegas argumentam: as anomalias do fundo do cosmos existe devido ao fato de que o nosso universo é influenciado por outros universos existentes nas proximidades e que buracos e falhas são um resultado direto de ataques contra nós por universos vizinhos.


Alma

Assim, há abundância de lugares ou outros universos onde a nossa alma poderia migrar após a morte, de acordo com a teoria de neo biocentrismo.

Mas será que a alma existe? Existe alguma teoria científica da consciência que poderia acomodar tal afirmação? Segundo o Dr. Stuart Hameroff uma experiência de quase morte acontece quando a informação quântica que habita o sistema nervoso deixa o corpo e se dissipa no universo. Ao contrário do que defendem os materialistas Dr. Hameroff oferece uma explicação alternativa da consciência que pode, talvez, apelar para a mente científica racional e intuições pessoais.

A consciência reside, de acordo com Stuart e o físico britânico Sir Roger Penrose, nos microtúbulos das células cerebrais que são os sítios primários de processamento quântico. Após a morte esta informação é liberada de seu corpo, o que significa que a sua consciência vai com ele. Eles argumentaram que a nossa experiência da consciência é o resultado de efeitos da gravidade quântica nesses microtúbulos, uma teoria que eles batizaram Redução Objetiva Orquestrada.

Consciência ou pelo menos proto consciência é teorizada por eles para ser uma propriedade fundamental do universo, presente até mesmo no primeiro momento do universo durante o Big Bang. “Em uma dessas experiências conscientes comprova-se que o proto esquema é uma propriedade básica da realidade física acessível a um processo quântico associado com atividade cerebral.”

Nossas almas estão de fato construídas a partir da própria estrutura do universo e pode ter existido desde o início dos tempos. Nossos cérebros são apenas receptores e amplificadores para a proto-consciência que é intrínseca ao tecido do espaço-tempo. Então, há realmente uma parte de sua consciência que é não material e vai viver após a morte de seu corpo físico.

Dr. Hameroff disse ao Canal Science através do documentário Wormhole: Vamos dizer que o coração pare de bater, o sangue pare de fluir e os microtúbulos percam seu estado quântico. A informação quântica dentro dos microtúbulos não é destruída, não pode ser destruída, ele só distribui e se dissipa com o universo como um todo. Robert Lanza acrescenta aqui que não só existem em um único universo, ela existe talvez, em outro universo.

Se o paciente é ressuscitado, esta informação quântica pode voltar para os microtúbulos e o paciente diz: Eu tive uma experiência de quase morte.

Ele acrescenta: Se ele não reviveu e o paciente morre é possível que esta informação quântica possa existir fora do corpo talvez indefinidamente, como uma alma.

Esta conta de consciência quântica explica coisas como experiências de quase morte, projeção astral, experiências fora do corpo e até mesmo a reencarnação sem a necessidade de recorrer a ideologia religiosa. A energia de sua consciência potencialmente é reciclada de volta em um corpo diferente em algum momento e nesse meio tempo ela existe fora do corpo físico em algum outro nível de realidade e possivelmente, em outro universo.

E você o que acha? Concorda com Lanza?

Grande abraço!

Tomé Ferreira

Indicação: Pedro Lopes Martins

Artigo publicado originalmente em inglês no site
SPIRIT SCIENCE AND METAPHYSICS



Artigo publicado no Portal DUniverso, em 14 de abril de 2014.




Claudio Conti* comenta

Em primeiro lugar é importante ressaltar que o artigo em análise, tanto a versão em português quanto o original em inglês, não foi retirado de site da internet de fontes fidedignas, tais como um periódico sério e conhecido ou uma universidade, mas de comunidades com interesses definidos. Desta forma, a informação deve ser avaliada com cuidado.

O artigo estaria, a princípio, relacionado com o livro Biocentrismo, de Robert Lanza e Bob Berman. Ao invés de tecer comentários nossos, decidimos apresentar o livro e a ideia que ele traz, transcrevendo a apresentação como consta no site da Amazon, conhecido site de venda de livros e outros (http://www.amazon.com/Biocentrism-Consciousness-Understanding-Nature-Uni... - tradução livre).

“Robert Lanza é um dos cientistas mais respeitados do mundo - a US News & World Report, em história de capa, o chamou de "gênio" e um "pensador renegado", mesmo comparando-o a Einstein. Lanza fez uma parceria com Bob Berman, o astrônomo mais lido no mundo, para produzir Biocentrismo, uma revolucionária nova visão do universo.

De tempo em tempo, surge uma ideia simples, mas radical, que abala os próprios fundamentos do conhecimento. A surpreendente descoberta de que o mundo não era plano desafiou e, finalmente, mudou a forma como as pessoas percebiam a si mesmos e sua relação com o mundo. Para a maioria dos seres humanos do século XV, a noção da Terra como bola de rocha era um disparate. O conjunto de filosofia natural ocidental está passando por uma mudança radical de novo, cada vez mais sendo forçada sobre nós pelos resultados experimentais da teoria quântica, e, ao mesmo tempo, no sentido de dúvida e incerteza nas explicações físicas de gênese e estrutura do universo. Biocentrismo completa esta mudança de visão de mundo, transformando o planeta de cabeça para baixo novamente com a visão revolucionária de que a vida cria o universo, em vez do contrário.

Neste paradigma, a vida não é um subproduto acidental das leis da física. Biocentrismo leva o leitor a uma viagem aparentemente improvável, mas, em última instância, inescapável, através de um universo estranho – o nosso - do ponto de vista de um biólogo aclamado e um astrônomo. Mudar perspectiva da física à biologia desbloqueia as gaiolas em que a ciência ocidental involuntariamente conseguiram limitar-se. Biocentrismo vai quebrar ideias do leitor de tempo, de vida e espaço, e até mesmo a morte. Ao mesmo tempo, ele vai nos libertar da visão de mundo sem brilho da vida, que é simplesmente a atividade de uma mistura de carbono e alguns outros elementos; que sugere a possibilidade emocionante de que a vida é fundamentalmente imortal.

O século XXI está previsto para ser o século da Biologia, uma mudança a partir do século anterior, dominado pela Física. Parece apropriado, portanto, para começar o século, transformando o universo de fora para dentro e unificar as bases da ciência com uma simples ideia descoberta por um dos principais cientistas de vida de nossa época. Biocentrismo desperta nos leitores um novo senso de possibilidade, e está cheio de tantas novas perspectivas chocantes que o leitor nunca vai ver a realidade da mesma forma novamente.”

O título do artigo é “Cientistas comprovam a reencarnação humana”, causando certo equívoco de entendimento por ser tendencioso e impreciso.

As pessoas com tendência religiosa apresentam, em geral, uma necessidade de comprovação das suas crenças, enquanto que aquelas com tendência espiritualista não necessitam tanto de comprovação, por se tratar de um sentimento inato.

Assim, religião é algo que vem de fora, enquanto que espiritualidade é algo que vem de dentro.

O Brasil, país com forte tendência religiosa, costuma traduzir artigos ou reportagens deste tipo como “ciência comprovando” algo, isto acontece com grande frequência.

Também são muito comuns reportagens falando em equipamentos que funcionam com o pensamento, quando, na verdade, são controlado por pulsos elétricos dos nervos, por exemplo. Podemos até dizer que os pulsos são decorrentes do pensamento, mas este processo não foi criado pelo cientista que conecta o equipamento ao nervo.

O tema “biocentrismo” trata basicamente de conceitos que já existem e não pode ser considerado como uma comprovação, mas uma teoria. Não quero dizer com isso que não seja válido, pois é mais um importante nome apresentando conceitos sobre espiritualidade, e desta forma que o conhecimento avança. Os nomes mais conhecidos são Fritjof Capra, Amit Goswami, Danah Zorar e alguns outros.

Esta teoria é basicamente o que o Espiritismo apresenta sobre ação da inteligência (o espírito) atuando no fluido e formando os corpos materiais.

Em contribuição a este comentário, o nosso companheiro de tarefa André Rodrigues lembrou de uma palestra do Raul Teixeira, onde ele abordou o tema “O Espírito e a Ciência”, que disponibiliza no link https://f79v9t.s.cld.pt, e complementa: “Nela, ele traz um conceito importante que, bem resumido, diz que não podemos afirmar que a Ciência formal tem condições de comprovar qualquer teoria espiritualista sem antes comprovar categoricamente a existência do espírito. Sem isso, reencarnação, vida após a morte, fenômenos mediúnicos, etc, restringem-se apenas aos campos da filosofia, da fé, da observação, da dedução, mas sem o endosso da Ciência formal.”



* Claudio Conti é graduado em Química, mestre e doutor em Engenharia
Nuclear e integra o quadro de profissionais do Instituto de
Radioproteção e Dosimetria - CNEN. Na área espírita, participa como
instrutor em cursos sobre as obras básicas, mediunidade e correlação
entre ciência e Espiritismo, é conferencista em palestras e seminários,
além de ser médium pscógrafo e psicifônico (principalmente). Detalhes no
site www.ccconti.com.