Espiritismo .NET

Entenda por que matar filhotes beneficia espécies animais

21 de agosto de 2012



Entenda por que matar filhotes beneficia espécies animais



Anna-Louise Taylor


BBC Nature News


O infanticídio pode ser um instrumento eficiente para a sobrevivência de determinadas espécies de animais, indicam um crescente número de estudos.


A ideia é chocante do ponto de vista humano, mas a realidade é que para muitos filhotes de animais, a maior ameaça à sua sobrevivência vem de sua própria espécie.


"Não é como um ato de predação, que é silencioso", disse o especialista em leões Craig Packer, da University of Minnesota, em Falcon Heights, Estados Unidos.


"Durante o infanticídio há rugidos, é violento e muito perturbador", ele diz, descrevendo como leões adultos matam filhotes.


"Eles mordem (os filhotes) atrás da cabeça e na nuca, esmagando seus abdomens."


O infanticídio tende a ser pouco estudado enquanto recurso para garantir a sobrevivência dos mais fortes em uma determinada espécie. Entretanto, há registros de que ele acontece entre roedores e primatas, peixes, insetos e anfíbios.



Vantagens múltiplas


Segundo estudos, o infanticídio pode trazer benefícios às espécies animais que o cometem, como maiores oportunidades para que o infanticida se reproduza e mesmo alimentação (quando o infanticida come o filhote morto). Matar um filhote é também uma maneira de evitar que seus pais tenham que investir energia para cuidar da cria.


O infanticídio é com frequência cometido por machos adultos.


Normalmente, a proteção que um filhote recebe do pai cumpre um papel importante em assegurar a sobrevivência do bebê. Mas quando novos machos entram em cena, tudo pode mudar.


Os machos recém-chegados tendem a derrubar os machos pais de suas posições no topo da hierarquia do grupo. Se eles conseguem ferir, expulsar ou até matar um macho que ocupava uma posição dominante no grupo, tomando o seu lugar, os filhotes do antigo líder passam a correr grande risco.


Isso acontece porque machos recém-chegados com frequência têm apenas um objetivo: ter seus próprios filhotes com a mãe.


Em sociedades de leões, por exemplo, matar filhotes faz com que suas mães voltem a ficar férteis mais rápido, aumentando a chance de que os novos machos se reproduzam.


E se não matam filhotes alheios, correm o risco de que os filhotes do antigo líder cresçam e deem o seu próprio golpe.



Estratégia feminina


Mas o infanticídio não é cometido apenas por animais machos. Fêmeas também o praticam, disse o zoólogo Tim Clutton-Brock, da University of Cambridge, na Inglaterra.


"Fêmeas matam os filhotes umas das outras com a mesma prontidão", ele disse.


Ratas matam as crias de outras fêmeas para se alimentar e se apoderam dos ninhos para criar seus próprios filhotes. Ratas também matam sua própria cria se os filhotes têm deformidades ou ferimentos. Isso permite que elas concentrem seus recursos em outros filhotes.


O infanticídio também pode aumentar o sucesso reprodutivo de um animal, reduzindo a competição para os filhotes do infanticida. Besouros fêmeas matam as larvas de suas rivais para assegurar que suas próprias larvas sobrevivam.


Esse comportamento foi observado também em mais de 40 espécies de primatas, mas em muitas dessas espécies as fêmeas usam estratégias para reduzir os riscos de que ele ocorra - segundo um estudo publicado na revista científica Journal of Theoretical Biology.


A saída utilizada por essas fêmeas é o acasalamento com parceiros múltiplos para gerar o que os especialistas chamaram de "confusão de paternidade". Ou seja, os machos não sabem quem é o o pai do filhote.


Isso dá aos filhotes maiores chances de sobreviver quando novos machos tentam se integrar no grupo.


"Em um grupo com múltiplos machos, em primatas como os babuínos, se dois machos se acasalam com a mesma fêmea e nenhum sabe quem é o pai do filhote, isso reduz o risco de infanticídio", disse Clutton-Brock.



Suricatos


Quando há mudanças na hierarquia de dominância, "o infanticídio ocorre apenas quando a chance de o assassino ser o pai do próximo filhote é alta", disse o estudo.


Os suricatos (mamíferos pequenos e altamente sociáveis que habitam regiões inóspitas) se reproduzem de forma cooperativa, ou seja, se um macho alfa e uma fêmea alfa se reproduzem, outros integrantes do grupo em posições de subordinação ajudam a criar os filhotes do casal alfa.


Fêmeas dominantes matam filhotes de subordinados e os próprios subordinados, se tiverem cria própria, podem também matar o filhote de uma fêmea dominante.


Suricatos machos, no entanto, não sujam suas patas com o sangue de filhotes.


Clutton-Brock explicou: "Suricatos machos não apresentam (comportamento) infanticida porque assim que (as fêmeas) têm filhotes, ficam prontas para se acasalar novamente. Então, matar crianças não interessa aos machos".


Uma situação que contrasta bastante com a dos leões, onde as fêmeas passam quase 18 meses amamentando após o nascimento dos filhotes.


Sabe-se que machos nômades, ou coalizões de machos competindo pelo controle de matilhas, matam filhotes com o objetivo de fazer com que a mãe volte a ficar fértil. Desta forma, podem se reproduzir com ela.


Notícia publicada na BBC Brasil, em 23 de maio de 2012.



Claudio Conti* comenta


Algumas vezes os estudos sobre o comportamento animal, como foi muito bem apresentado no início da matéria em análise, pode ser chocante para quem lê. Esta sensação é decorrente do fato da tendência em analisar os fatos que ocorrem no reino animal sob uma ótica humana.


Infelizmente, este modo de "enxergar" os animais pode não ser adequado quando os responsáveis pelos animais domésticos tendem a "humanizar" seus bichos das mais estranhas formas: fantasias, alimentação humana, tingimento de pelagem, etc. Algumas vezes chega-se ao extremo do exagero, tal como cerveja para cães, apesar de não conter álcool, a opinião do veterinário foi contrária ao consumo.


Animais devem ser tratados como tal, respeitando suas necessidades e características, o que nada impede atenção, carinho, afeição, amor, brincadeiras, etc.


Por outro lado, o comportamento dos animais selvagens é compatível com a condição em que se encontram, muitas vezes inteligíveis para os humanos, mas eles sabem, conscientemente ou não, o motivo pelo qual o fazem, pois a Providência Divina atua em todos os níveis evolutivos.


Encontramos n’O Livro dos Espíritos, capítulo VI - Da Lei da Destruição, uma colocação a este respeito:


728. É lei da Natureza a destruição?


“Preciso é que tudo se destrua para renascer e se regenerar. Porque, o que chamais destruição não passa de uma transformação, que tem por fim a renovação e melhoria dos seres vivos.”


a) - O instinto de destruição teria sido dado aos seres vivos por desígnios providenciais?


“As criaturas são instrumentos de que Deus se serve para chegar aos fins que objetiva. Para se alimentarem, os seres vivos reciprocamente se destroem, destruição esta que obedece a um duplo fim: manutenção do equilíbrio na reprodução, que poderia tornar-se excessiva, e utilização dos despojos do invólucro exterior que sofre a destruição. Esse invólucro é simples acessório e não a parte essencial do ser pensante. A parte essencial é o princípio inteligente, que não se pode destruir e se elabora nas metamorfoses diversas por que passa.”


Portanto, o comportamento do animal selvagem, quando não há interferência do homem, estará sempre em acordo com um fim útil, mesmo quando não tenhamos condições de compreender.


Quando a influência humana causa danos ao ecossistema, corrompendo de alguma forma o comportamento do animal selvagem, o comprometimento caberá àquele que causou o dano e não ao animal.


O mesmo vale para o caso do animal doméstico. Os maus tratos ou condução a desvio comportamental gerará comprometimento para o responsável pelo dano.


Precisamos ter sempre em mente que somos os próprios responsáveis pelas nossas escolhas.


* Claudio Conti é graduado em Química, mestre e doutor em Engenharia Nuclear e integra o quadro de profissionais do Instituto de Radioproteção e Dosimetria - CNEN. Na área espírita, participa como instrutor em cursos sobre as obras básicas, mediunidade e correlação entre ciência e Espiritismo, é conferencista em palestras e seminários, além de ser médium pscógrafo e psicifônico (principalmente). Detalhes no site www.ccconti.com.