Espiritismo .NET

Amizades na infância afetam o desenvolvimento emocional

30 de janeiro de 2012



Amizades na infância afetam o desenvolvimento emocional



Mais importante para os meninos, uma amizade de qualidade nessa idade ajuda a reduzir os problemas comportamentais e melhorar habilidades sociais


A qualidade da amizade que as crianças fazem durante o jardim de infância é fundamental para o seu desenvolvimento social – principalmente para os meninos. De acordo com um estudo publicado no periódico Infant and Child Development, essas amizades podem significar menos problemas de comportamento e melhores habilidades sociais, vistas na primeira e na terceira séries do primário.


No geral, os professores relatam que as meninas na primeira e na terceira séries têm boas habilidades sociais, independentemente da qualidade de suas amizades durante o jardim de infância. Os garotos, pelo contrário, se beneficiam claramente do bom começo que uma amizade com alta qualidade representa. “Garotos que não tinham amigos no jardim da infância tiveram mais problemas comportamentais, mas esses problemas começam a ser vistos apenas na primeira ou na terceira série”, diz Nancy McElwain, professora da Universidade de Illinois e coautora do estudo.


Pesquisa – Foram analisados dados de 567 crianças. As mães tiveram de relatar se a criança ainda no jardim de infância tinha ao menos um amigo - e a qualidade dessa amizade. Os pesquisadores compararam então o progresso de crianças que não tinha amigos, que tinham uma amizade frágil, uma amizade mediana e uma amizade forte. Os professores forneceram informações sobre problemas comportamentais no jardim de infância e na primeira e terceira séries.


“Como esperado, amizades de alta qualidade no jardim de infância que tinham como destaque cooperação e partilha, revezamento, baixos níveis de hostilidade e conflitos pouco destrutivos, deram às crianças, especialmente aos garotos, prática em interação positiva, demonstrada na primeira e terceira séries”, diz Jennifer Engle, autora principal da pesquisa.


Interação – De acordo com Nancy, os pares se tornam importantes para a criança já no jardim de infância. Os pais podem ainda ajudar a criança se tornar um bom amigo. Para isso, afirma Nancy, eles devem fazer um esforço para ajudar a criança, principalmente os garotos, a fazer amizade nessa idade por meio de encontros e outras atividades sociais.


As crianças também vão se relacionar com os amigos em maneiras mais positivas se elas tiveram experiências na família que modelem expectativas positivas, carinho e respeito. “Quando a criança aprende a esperar que as outras pessoas respondam positivamente, elas serão amigáveis e sensíveis aos demais”, diz.


Segundo a especialista, essas crianças serão também capazes de lidar melhor com suas emoções quando enfrentarem problemas. “Um conflito não é necessariamente bom ou ruim, é uma questão de como as crianças abordam seus desentendimentos com os amigos ou os pais”, diz Nancy.


Matéria publicada na Revista Veja, em 30 de novembro de 2011.



Cristiano Carvalho Assis* comenta


Esta reportagem nos lembra a questão 768, de “O Livro dos Espíritos”, de Allan Kardec:


Procurando a sociedade, não fará o homem mais do que obedecer a um sentimento pessoal, ou há nesse sentimento algum providencial objetivo de ordem mais geral?


“O homem tem que progredir. Insulado, não lhe é isso possível, por não dispor de todas as faculdades. Falta-lhe o contacto com os outros homens. No insulamento, ele se embrutece e estiola.”


Homem nenhum possui faculdades completas. Mediante a união social é que elas umas às outras se completam, para lhe assegurarem o bem-estar e o progresso. Por isso é que, precisando uns dos outros, os homens foram feitos para viver em sociedade e não insulados.


Este estudo nos comprova a necessidade de uma vivência em sociedade. Desde crianças progredimos melhor junto com os outros. Na educação infantil vemos isso de uma forma bem evidente. As crianças antes do contato com outras parecem aquelas plantinhas frágeis sem desenvolvimento. No entanto, quando colocadas em interação com outras crianças, o seu desenvolvimento parece que explode ao nível da fala, locomoção, formulação de ideias e coordenação motora.


No entanto, mantemos uma dúvida sobre as causas reais para as nossas habilidades sociais. Terão origem nas relações de amizade mantidas na infância ou em uma boa estrutura educativa familiar associada com a própria personalidade do espírito reencarnante. Isto porque uma criança comunicativa, menos egoísta, mais alegre, carinhosa e respeitadora dos seus colegas, terá muito mais chances de conquistar amizades sinceras e duradouras. E juntas desenvolverão os aspectos que a vida em sociedade proporciona.


Neste aspecto, a educação que os pais proporcionam através do amparo físico, psicológico e espiritual às suas crianças, não apenas no falar, mas no agir através do exemplo, será fator primordial para prepará-los na vida social. Pois nós não devemos esquecer o aviso dado pela espiritualidade maior na questão 208, de “O Livro dos Espíritos”: “(...) os Espíritos dos pais têm por missão desenvolver os de seus filhos pela educação. Constitui-lhes isso uma tarefa. Tornar-se-ão culpados, se vierem a falir no seu desempenho.”


* Cristiano Carvalho Assis é formado em Odontologia. Nasceu em Brasília/DF e reside atualmente em São Luís/MA. Na área espírita, é trabalhador do Centro Espírita Maranhense e colaborador do Serviço de Atendimento Fraterno do Espiritismo.net.