Espiritismo .NET

Milagres contemporâneos

Milagres contemporâneos



Conheça as recentes histórias de brasileiros que se livraram de graves doenças sem que a medicina e a ciência encontrassem uma explicação. O Vaticano já atribui esses casos à intervenção divina


João Loes e Patrícia Diguê


Eram oito horas da noite do dia 8 de junho de 2010 e a Capela Santo Antônio, em Salvador, Bahia, estava lotada. Cerca de 500 pessoas se reuniam para ver, pela última vez, Irmã Dulce, candidata a santa brasileira que, até o final deste ano, deve ser alçada à condição de beata, o último passo antes da canonização. A religiosa baiana seria transferida para uma urna lacrada, dentro de um novo templo, construído especialmente para ela. Passados 18 anos da morte da freira, era de esperar que houvesse sobrado pouco de seus restos mortais, talvez apenas alguns fragmentos de ossos e parte das vestes.


Mas não foi isso que aconteceu. Atônito, o público presente ao local viu a senhora de estatura franzina com o hábito azul e branco intocado, a pele intacta, apenas murcha e um tanto enegrecida, e sem exalar nenhum odor, natural nessas circunstâncias. A religiosa amiga do papa João Paulo II (1920-2005), que dedicou a vida a ajudar os necessitados, parecia ter morrido não em 1992, mas ontem. Como isso podia acontecer? Para os que têm fé, não há necessidade de perguntas, pois eles já conhecem a resposta. O inexplicável, o sobrenatural, o imponderável, seja como queiram chamar esses fenômenos extraordinários, nada mais são do que a intervenção divina. Portanto, quem crê tem na ponta da língua a resposta para a surpreendente preservação do corpo de Irmã Dulce. Com serenidade, sentencia, solenemente: foi milagre.


A maioria das denominações religiosas crê em milagres, mas os católicos são os únicos que usam o rigor científico para conferir o selo apostólico romano de miraculosidade. Não podia ser diferente. Para os cristãos, o primeiro a fazer milagres foi Jesus Cristo, que multiplicou pães, transformou água em vinho e fez um morto voltar à vida, entre outros gestos, segundo contam os evangelistas no Novo Testamento. Para estar à altura de um ato que já foi executado pelo Filho de Deus, dois mil anos depois de sua passagem pela Terra, um caso só é considerado milagre depois do aval de uma comissão mista de teólogos e cientistas do Vaticano. Precisa ter pureza canônica – validade religiosa comprovada por autoridades em teologia – e, ao mesmo tempo, avançar sobre terreno que a ciência contemporânea não domina e para o qual não existe explicação racional. Em razão dessas rigorosas exigências, quase todas as graças contemporâneas católicas são de curas inexplicáveis em que houve invocação divina. Casos nos quais médicos, crentes e não crentes, do local onde a história ocorreu e de outros países, se debruçam e, após rigorosa e detida análise, chegam ao veredicto: “Não há explicação para a cura.” Ao longo desta reportagem, ISTOÉ mostrará algumas histórias recentes que já passaram, ou estão passando, pelo crivo da Santa Sé.


Nem sempre houve todo esse apuro e rigidez na hora de definir pela existência ou não de um milagre. E o motivo é simples – antigamente, a ciência ainda não havia se desenvolvido e a Igreja Católica gozava de poder e influência substancialmente superiores às poucas academias independentes. Atribuir o inexplicável aos desígnios de Deus ou à intercessão de um santo era mais justificável porque havia uma série de fenômenos sem explicação. Mas a ciência evoluiu tanto, principalmente nos últimos 100 anos, que a situação se inverteu. “O avanço do século XX obrigou a Igreja a se modernizar para não passar ridículo”, explica o sociólogo Ricardo Mariano, da Pontifícia Universidade Católica (PUC) de Porto Alegre. Sobrou pouco espaço para o milagre, que acabou dando lugar à graça, também um favor ou benefício concedido por Deus, mas de alcance mais cotidiano, que hoje responde pelo grosso do que se julga ser intercessão divina. Isso não quer dizer que o milagre desapareceu. Entre os católicos, ele floresce. Tome-se o caso de Irmã Dulce como exemplo. Para que a religiosa baiana alcance o status de santa, a comissão responsável por seu processo de canonização precisa reunir documentos que comprovem pelo menos dois milagres inexplicáveis pela ciência atribuídos a ela. Essa é a realidade para todas as causas de santificação. No Brasil, há 60 em andamento. Isso pressupõe, portanto, a existência de pelo menos 120 possíveis intervenções divinas, apenas no País.


Mauro Feitosa Júnior, natural de Fortaleza, no Ceará, é um dos casos nacionais encaminhados ao Vaticano. Diagnosticado com um tumor maligno no cérebro em 2002, aos 13 anos, ele viu seu prognóstico se reverter em menos de um mês. Nesse meio-tempo, seu pai, Mauro Feitosa Gonçalvez, organizou uma corrente de oração para pedir a intercessão de Irmã Dulce pela saúde de seu filho. “Sinto que fui sequestrado por Jesus nesse tempo que o Maurinho ficou doente”, lembra, emocionado. “E a carcereira foi Irmã Dulce, que no fim me libertou com o milagre da cura do meu filho.” Para explicar o que aconteceu ao Vaticano, a família Feitosa se desdobra para reunir documentos médicos e comprovações religiosas – um trabalho hercúleo.


As razões que levam alguém a enfrentar uma verdadeira via-crúcis para comprovar uma intervenção celestial têm explicação. “O milagre se impõe de maneira tão poderosa que acaba agindo como um grande cala a boca para os que duvidam do poder divino”, afirma Antônio Flávio Pierucci, professor de sociologia da Universidade de São Paulo (USP). “Ele simultaneamente preenche a busca por certeza do fiel e testa o ceticismo de quem não crê.” Nesse sentido, a intercessão sobrenatural recebida por um alimenta a esperança do outro. E essa confiança age como um bálsamo para o fiel, mesmo que ele nunca venha a ser objeto da intervenção divina.


São muitos os estudos que comprovam que a fé tem efeito positivo sobre a saúde. Essa área de pesquisa, batizada de neuroteologia, tem crescido significativamente. Está provado, por exemplo, que crer em Deus ou em algo transcendente provoca reações no organismo que reduzem a produção de substâncias como o hormônio cortisol, que, em excesso, enfraquece o sistema imunológico. “A pessoa que ora está mais protegida”, afirma o médico Roque Savioli, autor de “Milagres Que a Medicina Não Contou” (Editora Gaia) e defensor de um diálogo mais franco e aberto entre ciência e religião. Já um estudo de 2010 da Rush University Medical Center (EUA) apontou que a fé aumenta em 75% as chances de sucesso no tratamento da depressão. Outro levantamento, conduzido pelo Dana-Farber Cancer Institute (EUA), mostrou que em casos de tratamento paliativo, quando o doente está em fase terminal, quem tem fé registra um índice de bem-estar 28% superior. Para o neurocirurgião Raul Marino Júnior, professor de bioética da Faculdade de Medicina da USP e autor do livro “A Religião do Cérebro” (editora Gente), ter algum tipo de fé é sempre melhor que ser ateu. “A vida fica sem propósito se a pessoa achar que é formada de carbono, cálcio, fósforo e magnésio”, afirma.


Mas, se por um lado o ceticismo pode ser maléfico, a credulidade excessiva também oferece seus riscos, ainda mais diante de denominações religiosas que tratam a fé como uma mercadoria e oferecem graças como moeda de troca. O importante é não condicionar a crença à ocorrência desse tipo raro de fenômeno. “O milagre é um sinal de Deus que deve apenas confirmar a nossa fé”, explica a irmã Célia Cadorin, maior autoridade do País em canonização. Mesmo entre os que acreditam, paira a pergunta: por que alguns são agraciados e outros não? A resposta oficial dos católicos vem embalada numa palavra que parece feita para impedir um segundo questionamento – a inescrutabilidade dos desígnios de Deus. Traduzindo, os propósitos divinos seriam insondáveis. Para quem crê, o que importa é que Ele continua estendendo sua mão para a humanidade.



Livre do câncer e pai novamente


Aos 36 anos, o engenheiro Alcimir Inácio Luiz viu sua vida entrar num mar revolto e assustador. Descobriu que tinha um agressivo tumor no intestino, foi submetido à quimioterapia e recebeu dos médicos o prognóstico de esterilidade. “Eles disseram que eu não poderia mais ter filhos”, lembra o morador de São Vicente (SP). As chances de ficar estéril eram tamanhas que recomendaram o congelamento de esperma antes do bombardeio químico. Luiz encarou o tratamento, que durou dois anos e o curou, mas, em tese, o deixou infértil. Os médicos atestam que é raríssimo alguém ter filhos após ser submetido à quimioterapia. “Mas medicina não é matemática e há exceções”, ressalva José Carlos Carvalho, hematologista que acompanhou Luiz. O caso do engenheiro foi uma dessas. Mas ele troca a palavra exceção por milagre. Em 2007, sua mulher engravidou de Pedro. “Recebi dois milagres: Deus curou meu câncer e me deu mais um filho”, diz, sob as águas calmas da fé.



Fratura de crânio, parada cardíaca, coma e recuperação sem sequelas


“Meu Deus, sou médica e vou ver meu filho morrer na minha frente”, pensou Eliana Polotto, a bordo da ambulância que levava o corpo quase sem vida de seu menino de 5 anos para o hospital. João Paulo havia sido atropelado por um caminhão na manhã daquele dia 26 de abril de 1996, em Barra Bonita (SP), durante uma excursão escolar. A cabeça foi a mais atingida – desacordado, João sangrava pela orelha, boca e nariz. Um senhor acudiu mãe e filho e os levou ao hospital mais próximo. A gravidade era tamanha que ele teve de ser transferido para a Santa Casa da cidade vizinha, Jaú. Durante os 15 minutos que se seguiram, a médica viu o filho quase morrer. Na ambulância ela segurava o pulso da criança em busca do ritmo cardíaco que se esvaía. “Pensei em entubá-lo, mas não tinha material, então só me restou rezar.” Eliana e a enfermeira se uniram para pedir proteção divina. Enquanto isso, no colégio onde o garoto estudava, os alunos oravam pelo colega. João chegou a Jaú com traumatismo craniano grave e parada cardiorrespiratória. A chance de sobreviver era pequena e a de sobrevida sem sequelas praticamente nula. Mas em quatro dias o garoto acordou pedindo Coca-Cola e em 15 estava em casa andando de patins. Hoje, aos 20 anos, estuda engenharia numa das mais prestigiadas universidades do País. “A medicina não explica uma melhora tão rápida e plena”, diz o neurologista Odérzio Marcato, que acompanhou João. O Vaticano reconheceu o caso como milagre.



A vida onde não era possível gerar


O sonho de se tornar mãe costumava durar cinco meses. Ao fim desse período, a professora Sandra Grossi, de Brasília, embarcava num pesadelo. Portadora de uma anomalia uterina chamada hipoplasia didelfa, seu útero era muito pequeno e dividido por uma membrana, o que o impedia de acomodar um feto com mais de 20 semanas. Quando ele crescia, Sandra era tomada por dores e seu corpo expulsava o bebê. Foram três abortos e muito sofrimento. Na quarta tentativa, em 1999, ela tomou pílulas de Frei Galvão, brasileiro que se tornou santo em 2007. Conseguiu levar a gravidez até a 31ª semana. “Clinicamente ela tinha que ter abortado entre a 20ª e a 25ª semanas”, atesta Vera Lúcia Lopes, obstetra que acompanhou Sandra. Mesmo muito prematuro, Enzo nasceu saudável, no dia 11 de dezembro de 1999. Cinco dias depois, foi para casa – outro fato que ganhou contornos de imponderável. “A medicina não explica o que aconteceu”, afirma Vera. O Vaticano reconheceu o caso como milagre. E Frei Galvão ganhou mais um devoto, hoje um saudável garoto de 10 anos.



Um tumor solto no cérebro


Tumor maligno no cérebro. Esse foi o diagnóstico recebido pelos cearenses Mauro e Valéria Feitosa após exames realizados no filho Mauro, 13 anos. A data o casal não esquece: 12 de junho de 2002. “Não queríamos acreditar”, diz Mauro. Diante da gravidade da situação, a família decidiu viajar no dia seguinte para São Paulo, a fim de que o adolescente fosse tratado num hospital de ponta. Maurinho foi internado no Hospital Albert Einstein e preparado para a cirurgia de retirada do tumor, já no dia 15 de junho. Devoto de Irmã Dulce, o pai pediu que lhe enviassem uma relíquia da freira baiana. “Mas ela não chegaria a tempo se a operação acontecesse nesse dia”, explica Mauro. E não chegou, mas a cirurgia foi adiada em 12 dias – tempo suficiente para o objeto de devoção encontrar as mãos aflitas dos pais. Às 11h da quarta-feira 26 de junho, a intervenção começou. Prevista para demorar 16 horas, só levou três horas e meia. O tumor, grande, estava praticamente solto no crânio, fácil de ser retirado. E era benigno. “Foi, no mínimo, muita sorte”, diz Flávio Leitão, neurologista que atendeu o garoto.


Maurinho não fez radioterapia nem quimioterapia. “Desde o começo sabia que o médico dos médicos estava cuidando do meu filho”, diz Mauro. A documentação do caso foi enviada à sede da obra de Irmã Dulce, em Salvador, e incluída no processo de canonização.



Desenganada pelos médicos


Os filhos de Antônia Marcelino, 64 anos, já tinham orçado o caixão da mãe, internada com infecção generalizada na UTI do Hospital Humanitas, em Três Pontas, Minas Gerais. Era noite do dia 30 de maio de 2001 e o médico havia dito à família que só um milagre salvaria Antônia. A senhora mineira tinha sido internada três dias antes para uma cirurgia de rotina, mas contraiu uma infecção hospitalar que evoluiu para um quadro de septicemia tão grave que seus órgãos pararam de funcionar. Impotente, a família passou a rezar fervorosamente para o padre Francisco de Paula Victor, um sacerdote venerado na cidade que está no início do processo de canonização. Já no dia seguinte ao veredicto fatal, ela começou a melhorar, até que se recuperou plenamente. Para o médico Fernando Prado, que acompanhou o caso, o que surpreende é que ela deveria ter ficado com sequelas, tamanha a gravidade da situação, e isso não ocorreu. A família Marcelino olha para a imagem de padre Victor em lugar nobre na sala e entende o porquê.


Matéria publicada na Revista ISTOÉ, em 25 de junho de 2010.



Cristiano Carvalho Assis* comenta


Devemos ter cuidado quando designamos a palavra milagre, pois leva a ideia de acontecimentos sobrenaturais, sem explicações, derrogando as leis de Deus. Mas Deus precisa derrogar suas leis para fazer cumprir sua vontade? Quem responde esta pergunta é Allan Kardec, no livro A Gênese, Cap. XII: “Deus não faz milagres, porque, sendo, como são, perfeitas as suas leis, não lhe é necessário derrogá-las. Se há fatos que não compreendemos, é que ainda nos faltam os conhecimentos necessários.” Dessa forma, vemos que a beleza das Suas Leis é que são perfeitas. Mesmo quando achamos que está tudo errado nos desequilíbrios físicos ou fatos inexplicáveis, existe uma lei perfeita guiando aquele fenômeno.


Será que a nossa fé tem que estar ligada a milagres? E quando a ciência se desenvolver de tal forma que explique todos os casos milagrosos? Nossa fé terminará? Vejamos o que Kardec nos diz sobre isso:


“Pretender-se que o sobrenatural é o fundamento de toda religião, que ele é o fecho de abóbada do edifício cristão, é sustentar perigosa tese. Assentar exclusivamente as verdades do Cristianismo sobre a base do maravilhoso é dar-lhe fraco alicerce, cujas pedras facilmente se soltam. Essa tese, de que se constituíram defensores eminentes teólogos, leva direto à conclusão de que, em breve tempo, já não haverá religião possível, nem mesmo a cristã, desde que se chegue a demonstrar que é natural o que se considerava sobrenatural”.


Saber que Deus não precisa derrogar suas leis, não o diminui, só aumenta nossa fé, pois quem tem que corrigir algo é porque errou, e Deus não erra. Todos os fenômenos relatados na reportagem estão centrados em leis que a ciência ainda não entende ou não aceita, mas nem por isso se tornam milagres. Ainda Kardec, em A Gênese: “O Espiritismo considera de um ponto mais elevado a religião cristã; dá-lhe base mais sólida do que a dos milagres: as imutáveis leis de Deus, a que obedecem assim o princípio espiritual, como o princípio material. Essa base desafia o tempo e a Ciência, pois que o tempo e a Ciência virão sancioná-la.” No dia que a Ciência descobrir o princípio espiritual, ocorrerá uma nova revolução científica e todos os milagres cairão por terra, mas a fé renascerá muito mais fortalecida, pois não estará mais assentada nas frágeis estruturas dos milagres e do sobrenatural, e sim em uma estrutura rígida e indestrutível da certeza racional de suas imutáveis e justas leis.


Mas como o Espiritismo explica esses fenômenos de curas relatados na reportagem? A primeira coisa que precisamos ter em mente é que nunca estamos desamparados. Os casos relatados não são exceção, todos temos o amparo que as pessoas da reportagem adquiriram. Só que teremos exatamente o que necessitarmos para nosso crescimento. Tem momentos nas nossas vidas que para aprendermos algo necessitamos passar por doenças dolorosas por longo tempo e talvez precisemos ou não passar pela desencarnação. Só Deus sabe o nosso futuro. Os médicos podem nos desenganar, os parentes e amigos podem pensar que não tem mais jeito, mas se a pessoa fizer sua parte e se for da Sua vontade, a saúde se restabelecerá e muitas vezes sem sequelas.


Como isso ocorre? Ocorrem coisas miraculosas? Com certeza não. Para entendermos o mecanismo de cura, precisamos ir à busca do conhecimento do Espiritismo na parte do períspirito e do pensamento direcionado com muita vontade, ou seja, na fé.


Todos nós possuímos o períspirito, ou corpo espiritual, ou corpo celeste (segundo Paulo de Tarso). Definições diferentes para designar o componente que fica entre o corpo físico e o espírito, mas que não poderemos nos prolongar em suas definições. Precisamos saber que existe uma relação muito íntima entre o corpo e o períspirito, de célula a célula, um influenciando o outro continuamente. Você desequilibra seu corpo físico com bebida, cigarro, drogas ou violências e terá consequências no corpo espiritual. Pensa com revolta, ódio, mágoa, rancor e terá seu corpo espiritual alterado, e mais tarde gerará doenças. Muitos falam: "Bobagem, conheço gente que fuma uma vida e tem os pulmões limpos". Não se enganem, meus irmãos, a doença já está nele, desequilibrando seu períspirito. Mesmo ainda estando latente no corpo físico, já está bem instalada no espiritual. Desencarnando, estaremos com as consequências dos nossos atos mais vivos que nunca, gravados no nosso períspirito. Reencarnando, lá estará a doença instalada geneticamente, com nossas predisposições para cirroses, aneurisma, tumores, gastrites, etc. Chegará o dia em que a doença poderá reaparecer nas nossas vidas, pois há a necessidade de que o desequilíbrio do corpo espiritual seja expulso para o corpo físico, conseguindo readquirir a saúde da alma, como dizia Chico xavier: “A doença é uma espécie de escoadouro de nossas imperfeições; inconscientemente, o espírito quer jogar para fora o que lhe seja estranho ao próprio psiquismo... Na realidade, toda doença no corpo é processo de cura para a alma”.


Os nossos pensamentos manipulam os fluidos que formam o períspirito, como manipulamos as coisas com as mãos. Com eles equilibrados, bem estruturados e saudáveis, alimentados com muita fé, conseguiremos o reequilíbrio de nosso corpo espiritual. Feito este primeiro trabalho de limpeza fluídica, ficará mais fácil de o corpo físico se reestruturar ou permitir que o Espírito Santo, anjos guardiões ou mentores espirituais, como quiser chamar, ajudem no reequilíbrio físico. Tenham certeza que eles querem muito ajudar, mas a maioria atrapalha se revoltando, se deprimindo ou desistindo da vida. “Os espíritos amigos sempre mostram disposição de nos auxiliar, mas é preciso que, pelo menos, lhes ofereçamos uma base” (Chico Xavier).


Dessa forma, conseguimos entender melhor o "tua fé te curou" ou o "vá e não peques mais", mostrando que Jesus não fazia o trabalho todo sozinho. A pessoa necessitava do seu esforço íntimo, ou seja, da sua reforma íntima. Tanto que Ele não curou todos que lhe procuravam, mas todos que já estavam curados na alma.


Com isso, perguntamos: Conheço pessoas maravilhosas, com uma fé que move montanhas e não se curam. Por que isso? Somos todos sabedores que, mesmo bons hoje, já erramos muito antes e a misericórdia Divina nos permite resgatar erros do nosso passado através de dores que, nesta vida, não conseguimos extirpar. Mesmo equilibrando nossos espíritos, precisamos passar por essas limitações para esgotar por completo o nosso sentimento de culpa pela ação mal cometida. Passando pelo mesmo que fizemos outro passar, conseguimos a nossa paz interior.


Vemos assim que o amparo divino não é representado apenas quando há cura, mas ocorre em toda e qualquer situação que podemos imaginar. Alguns readquirem a saúde perdida, outros ficam com sequelas e outros desencarnam, mas precisamos ter em mente que em todas elas Deus nos dá aquilo que precisamos e merecemos no intuito de nos fazer crescer espiritualmente. E se, para que isso ocorra, for necessário Ele amassar, rasgar ou arrancar de nós a roupa que chamamos de corpo, será feito. Mas se precisarmos que esta roupa seja restaurada, Ele pode fazer utilizando Sua própria lei, sem precisar derrogá-la.


Se a nossa fé ficar ditada apenas nos sucessos conseguidos, como cura de doenças, tranquilidade financeira, posição de destaque ou por fenômenos "milagrosos", estaremos fadados a nos separar de Deus na nossa primeira contrariedade ou frustração, pois os insucessos virão, independente que nós rezemos, vigiemos ou cumpramos todos os mandamentos. Continuaremos sofrendo perdas de entes queridos, de nossa saúde, da nossa tranquilidade material, sofrendo ingratidões, mas a fé verdadeira que Jesus ensinou nos dá forças para passar por tudo isso psicologicamente equilibrados. Mesmo conseguindo ou não o sucesso material, teremos nossa fé inabalável, pois o sucesso espiritual é o mais importante. Tomemos cuidado, senão estaremos fadados a ouvir na acústica de nossa consciência: "Homens de pouca fé".


* Cristiano Carvalho Assis é formado em Odontologia. Nasceu em Brasília/DF e reside atualmente em São Luís/MA. Na área espírita, é trabalhador do Centro Espírita Maranhense e colaborador do Serviço de Atendimento Fraterno do Espiritismo.net.