Espiritismo .NET

Amor tem efeito analgésico similar a medicamento

Amor tem efeito analgésico similar a medicamento



Redação do Diário da Saúde


Amor cura a dor


A pergunta era bem direta: Será que o amor pode servir como remédio contra a dor?


Em busca da resposta, cientistas das universidades de Stanford e do estado de Nova Iorque, ambas nos Estados Unidos, recrutaram 15 casais de estudantes apaixonados, que estavam namorando há 9 meses ou menos.


Os namorados tinham que colocar as mãos sobre um pequeno bloco aquecido eletricamente. O aquecimento podia gerar dores que variavam entre nenhuma, moderada e dor severa.


A cada vez, os participantes recebiam uma dentre três tarefas: olhar para uma foto de seu parceiro, olhar para uma foto de um conhecido igualmente atraente, ou realizar uma tarefa de distração, como pensar sobre esportes.



Sistema de recompensa


Ver o rosto do amante ou fazer a tarefa de distração diminuiu a intensidade da dor praticamente no mesmo nível - 12% e 13% para a dor intensa, 36% e 45% para a dor moderada, respectivamente.


Mas houve uma diferença crucial, que chamou a atenção dos cientistas: embora o objetivo fosse o mesmo - tentar reduzir a intensidade da dor - as duas tarefas ativaram partes diferentes do cérebro.


Durante os testes, os participantes eram submetidos a um exame de ressonância magnética funcional, ou fMRI.


Ao contrário da distração, olhar para a foto do amante ativou as seções de recompensa do cérebro, tais como a amígdala e o nucleus accumbens (destacado em vermelho na imagem).



Analgésico emocional


O resultado é importante porque a ativação farmacológica desses mesmos sistemas de recompensa do cérebro pode reduzir substancialmente a dor.


Ou seja, é possível que amor - ou outra emoção que ative os centros de recompensa - funcione como um analgésico.


"A maior analgesia, ao visualizar imagens do parceiro romântico, foi associada com um aumento da atividade em diversas regiões de processamento de recompensas, incluindo o núcleo accumbens, o córtex órbito-frontal lateral, a amígdala e o córtex pré-frontal dorso-lateral - regiões não associadas à analgesia induzida por distração," afirmam os pesquisadores em seu artigo, publicado no último exemplar da revista PLoS One.


"Os resultados sugerem que a ativação dos sistemas de recompensa neurais através de meios não-farmacológicos pode reduzir a experiência da dor," concluem eles.


Notícia publicada no Diário da Saúde, em 19 de outubro de 2010.



Claudia Cardamone* comenta


Todos nós sempre ouvimos que amar faz bem, que quando estamos amando nos sentimos felizes, alegres, e muitas vezes nos reestabelecemos melhor de doenças.


A ciência nos mostra hoje a razão biológica para isto, o efeito do amor em nosso organismo, como sugere a questão 370 de O Livro dos Espíritos:


"Pode-se induzir da influência dos órgãos uma relação entre o desenvolvimento dos órgãos cerebrais e o das faculdades morais e intelectuais?


- Não confundais o efeito com a causa. O Espírito tem sempre as faculdades que lhe são próprias. Assim, não são os órgãos que lhe dão as faculdades, mas as faculdades que impulsionam o desenvolvimento dos órgãos".


O corpo é um grande instrumento para aprender e se relacionar na vida física, da mesma forma que o computador é um grande instrumento para aprender e se relacionar na vida virtual. À medida em que vamos utilizando e estudando estes instrumentos, os aperfeiçoamos e desenvolvemos novas versões, como bem afirma Allan Kardec, em A Gênese: "Seguindo passo a passo a série dos seres, dir-se-ia que cada espécie é um aperfeiçoamento, uma transformação da espécie imediatamente anterior".


Ele diz mais: "O materialismo pode por aí perceber que o Espiritualismo, longe de por em dúvida as descobertas da ciência, e sua atitude positiva, vai mais à frente e as provoca, ...".


"O fluido universal é o elemento primitivo do corpo carnal e do perispírito, do qual são transformações. Pela identidade de sua natureza, este fluido, condensado no perispírito, pode fornecer ao corpo os princípios reparadores; o agente propulsor é o Espírito, encarnado ou desencarnado, ..."


Não é o amor que cura propriamente dito, mas o amor estimula no Espírito uma vontade que o faz produzir a substância que permite a ele não mais sentir a dor, ou melhor, aumenta a sua resistência à dor. Pessoas que se dedicam espiritualmente ao amor possuem grande tolerância à dor, basta olhar nosso exemplo maior que foi Jesus.


* Claudia Cardamone nasceu em 31 de outubro de 1969, na cidade de São Paulo/SP. Formada em Psicologia, no ano de 1996, pelas FMU em São Paulo. Reside atualmente em Santa Catarina, onde trabalha como artesã. É espírita e trabalhadora da Associação Espírita Seareiros do Bem, em Palhoça/SC.