Espiritismo .NET

Palavras e melodias ajudam na recuperação de bebês prematuros

Palavras e melodias ajudam na recuperação de bebês prematuros


Um grupo de voluntários e pedagogos está ajudando a curar bebês internados em UTI. A receita para o milagre está na palavra e na magia das histórias infantis.


Quais são os cuidados que devemos ter com bebês prematuros? O RJTV mostra uma maneira lúdica e linda de tratar os recém-nascidos. A receita para o milagre está na magia das histórias infantis.


As palavras e a melodia da voz encantam o pequeno Gabriel. Ele só tem dez dias de vida e já gosta de ouvir histórias. O irmão gêmeo, Rafael, também adora. Na hora da leitura, não tem choro nem manha. Eles ficam atentos a cada som.


Lilian Carolina acompanha a leitura e admite: “Eu também gosto de ouvir as histórias, porque são interessantes, e eu lembro do meu tempo de criança. Elas são muito divertidas”, conta a mãe dos gêmeos.


Os dois bebês nasceram prematuros, com sete meses, e estão internados na UTI Neonatal do Instituto Fernandes Figueira, onde o tratamento de bebês, que precisam de cuidados especiais, conta com a ajuda dos médicos e de cinco voluntários que lêem poesia e contos de fadas.


O trabalho é realizado há três anos, e a voluntária do projeto Maria Helena Guimarães faz questão de participar. “Você cria uma relação amorosa com essas crianças. Elas te fazem bem. Elas, evidentemente, não percebem isso. Você acalma as crianças, e elas dormem. O batimento cardíaco delas estabiliza. Mas essa relação amorosa é muito mais pra gente do que para elas. Por isso, eu digo que eu ganho mais do que as crianças”, afirma.


No recém-nascido, o sentido mais desenvolvido é a audição. As histórias desenvolvem a percepção do bebê. Especialistas em educação infantil afirmam: quanto mais cedo um prematuro for estimulado pela voz, menos seqüelas de alguma doença ele vai ter.


“Cada vez mais o bebê precisa ser desenvolvido em tudo: na visão, na audição, nas percepções. A voz vai estimular isso, apresentando o mundo através da fantasia e da imaginação e dos sonhos”, diz a coordenadora do projeto Magdalena Oliveira.


Os textos com rimas são os preferidos, porque são mais sonoros. Eles acalmam, dão prazer e segundo a médica neonatologista Olga Bonfim, contribuem para a medicina. “Isso estimula que o bebê participe mais do seu meio ambiente. Na medida em que você proporciona isso ao bebê, ele consegue interagir melhor com o meio”, explica.


Gabriel nasceu com um problema respiratório e ficou dois meses internado na UTI. Ele ouviu muitas histórias e, hoje, com um ano de idade não se desgruda dos livros. “Ele presta atenção. A gente fala os objetos, e ele vê. Ele fica bem atento às histórias. A gente sente que ele está melhorando a cada dia. Tudo indica que ele vai ser um grande leitor”, afirma Ana Cristina Ramos, mãe de Gabriel.


Quem quiser participar do projeto Biblioteca Viva pode ligar para o número (21) 2544-1900.


Notícia publicada no site do RJ TV, em 14 de agosto de 2008.



Claudia Cardamone* comenta


Na questão 379, de "O Livro dos Espíritos", Allan Kardec pergunta se o espírito que anima o corpo de uma criança é tão desenvolvido quanto o de um adulto. Os Espíritos respondem que pode ser até mais desenvolvido, pois o espírito irá agir de acordo com o instrumento de que se serve, assim, mesmo sendo um espírito mais desenvolvido, seu corpo físico ainda possui órgãos imperfeitos na infância, e estes o impedem de se manifestar.


Na questão 352, do livro citado acima, Kardec pergunta se no instante do nascimento o Espírito recobra imediatamente a plenitude de suas faculdades, os Espíritos afirmam que não, pois elas se desenvolvem gradualmente, com os órgãos. Ele agora está em nova existência e necessita aprender a se servir dos seus instrumentos, as idéias irão voltar aos poucos, como alguém que acorda e percebe que está numa posição diferente da que estava antes de dormir.


As crianças prematuras possuem espíritos inteligentes e desenvolvidos, que estão despertando para a vida física. As histórias infantis contadas carinhosamente neste período podem auxiliar o espírito a despertar, com calma e serenidade. Estimulam a reflexão mental, a utilização dos órgãos ainda em desenvolvimento e principalmente a interação entre o bebê e os indivíduos à sua volta.


As pessoas, cada vez mais, começam a perceber instintivamente, ou pela observação, que as crianças já nascem inteligentes, muitas vezes apenas com dificuldade de manifestá-las livremente ou corretamente, mas isto ocorre devido aos órgãos ainda em desenvolvimento, que também limitam esta inteligência até que a idade lhe amadureça a razão. Então, o bebê pode compreender parcialmente a história que lhe é contada, mas as poucos e com estímulos constantes esta compreensão irá se ampliar gradualmente. Este hábito saudável deveria ser estendido a todos os recém-nascidos, fortalecendo também os laços familiares e os vínculos emocionais.


* Claudia Cardamone nasceu em 31 de outubro de 1969, na cidade de São Paulo/SP. Formada em Psicologia, no ano de 1996, pelas FMU em São Paulo. Reside atualmente em Santa Catarina, onde trabalha como artesã. É espírita e trabalhadora da Associação Espírita Seareiros do Bem, em Palhoça/SC.