Dúvidas mais frequentes:

01 – Quantas vezes por semana devo realizar o Evangelho no Lar?
Normalmente, fazemos o Evangelho no Lar uma vez por semana, em dia e hora prefixados e que sejam mais conveniente para todos os membros da família. Mas, às vezes, por causa de situações externas ou internas, que de certa forma atuem sobre nós ou um familiar, se faz necessário que ele seja realizado mais vezes por semana, podendo, inclusive, ser de prática diária. Como dissemos anteriormente, o Evangelho no Lar é uma ferramenta terapêutica que age no sentido de auxiliar a retomada do equilíbrio necessário à manutenção da nossa qualidade de vida interior. Nessas ocasiões, então, ele funciona qual medicamento que vai auxiliar no tratamento geral, visando o reequilíbrio espiritual, afetivo e emocional de todos.

02 – Onde devo realizar o meu Evangelho no Lar e como devo preparar o ambiente?
Como se trata de um momento onde vamos buscar nos elevarmos espiritualmente, para haurir as energias benéficas que esta reunião propicia, então, é importante que busquemos realizá-lo em um ambiente o mais tranquilo possível. Se assim o desejarmos, podemos colocar uma jarra d’água próxima para que ela seja magnetizada. Também, se nos for desejável, podemos colocar uma música suave como pano de fundo, facilitando a harmonização do ambiente e dos participantes. Mas nem a água nem a música são mandatórias para que se realize o Evangelho no Lar. O importante é o quanto o nosso coração está empenhado em participar da reunião.

03 – Por que tenho que fazer o meu Evangelho no Lar sempre no mesmo dia e à mesma hora? Caso de todo eu não o consiga, posso realizá-lo no dia seguinte ou em outro dia qualquer?
O Evangelho no Lar é um trabalho de equipe entre encarnados e desencarnados. À medida em que respeitamos o dia e hora de realização da reunião, atraímos para o lar a espiritualidade superior amiga, que passa a estar presente em cada reunião, auxiliando-nos e protegendo o nosso lar. Em contrapartida, quando criamos esse pontinho de luz, entendendo e respeitando o que ele significa, a nossa casa passa a ser um polo onde nossos amigos do Mais Alto trazem aqueles seus tutelados, irmãos nossos que precisam e desejam ouvir/aprender sobre o Evangelho de Jesus, mas que ainda estão muito ligados à matéria para conseguirem elevar-se a planos um pouco mais altos. Por isso a importância de respeitar-se dia e hora – porque se não observamos uma rotina, então, a espiritualidade amiga passa a procurar outros lares com que possa contar, posto que também eles têm tarefas a realizar. Por isso, também, a necessidade de sempre, mesmo estando sozinhos, lermos e fazermos os comentários em tom normal de voz, pois estes nossos irmãos não conseguem, ainda, ler nossos pensamentos; eles precisam que falemos para que possam ouvir-nos e estudar conosco.
Dito isso, fica nítido que é totalmente desaconselhável realizar o Evangelho no Lar em um outro dia diferente do aprazado. Quando não houver a possibilidade de realizar-se o Evangelho naquele dia específico, então, de onde estivermos, deveremos elevar o nosso pensamento em uma prece sincera, envolvendo a todos, encarnados e desencarnados, em energias de amor e paz.

04 – Como proceder quando novos compromissos surgem e que conflitam com o horário que estabeleci para o Evangelho no Lar?
Muitas vezes, somos confrontados com situações que exigem que reformulemos nossa rotina. Quando isso acontecer, podemos, sim, trocar o dia e hora do nosso Evangelho, passando a realizá-lo, a partir dessa data, no novo dia e horário escolhidos e que serão mantidos daí em diante.

05 – Quando estou em viagem, de férias ou a trabalho, devo respeitar o horário do Evangelho no Lar, ou eu só devo praticá-lo quando estou em casa?
Férias ou viagens a serviço não nos eximem do compromisso com a Espiritualidade Maior. Para eles, inclusive, não há dificuldade de locomoção. Mais importante que o Evangelho no Lar entre as 4 paredes da nossa casa no plano físico, é o Evangelho no Lar na nossa casa íntima, que é o nosso coração – e este está conosco onde quer que estejamos, não é mesmo?

06 – No caso de um familiar não mais desejar participar da reunião, deve-se exigir a presença dele?
Uma das bases da Doutrina Espírita é o livre-arbítrio que cada um tem para fazer suas próprias escolhas. Então, não se deve forçar nenhum jovem ou adulto a participar da nossa reunião. A literatura espírita nos diz que, durante a realização do nosso Evangelho, também esse irmão que não mais deseja participar vai receber as energias benéficas advindas da reunião. E, se for o caso, com o passar do tempo e o carinho da espiritualidade amiga, essa pessoa retornará a participar do Evangelho.

07- Como proceder quando uma visita chega exatamente no horário do meu Evangelho no Lar?
Nessa situação, três podem ser as soluções a serem adotadas – ou convidamos a visita para participar conosco, ou pedimos que ela aguarde um instante enquanto realizamos nosso Evangelho, ou, simplesmente, o fazemos imediatamente após a saída dela, visita (e nesse caso específico, a espiritualidade amiga compreende que independeu da nossa vontade).

Atendimento Fraterno via chat. De domingo a sexta-feira, das 20h às 22h; quinta-feira, das 08h15 às 11h15; e em dias e horários alternativos.