Espiritismo .NET

Sumiço nas Bahamas expõe novas rotas da migração brasileira aos EUA

João Fellet
Da BBC Brasil em Washington

O sumiço de 19 brasileiros que tentavam viajar das Bahamas rumo à Flórida expõe a diversificação das rotas usadas por migrantes do país para entrar ilegalmente nos EUA, conforme a travessia pelo México se tornou mais arriscada.

Segundo o Ministério de Relações Exteriores, parentes dos desaparecidos disseram ter perdido contato com o grupo no início de novembro. O órgão diz que não há informações sobre os brasileiros nem sobre a suposta embarcação que os levaria aos EUA.

Autoridades dos três países investigam as hipóteses de naufrágio ou de que os migrantes estejam escondidos nas Bahamas, aguardando o melhor momento para se deslocar.

Se confirmada, a tentativa de travessia pelas Bahamas reforça uma tendência que vem ganhando força entre imigrantes brasileiros nos últimos anos, à medida que o grupo busca alternativas à tradicional rota pelo México.

O Ministério de Relações Exteriores diz que 14 brasileiros estão hoje detidos em Pompano Beach, na Flórida, por terem tentado chegar aos EUA a partir das Bahamas.

O país caribenho fica a 290 km da costa americana e não exige vistos de turistas brasileiros. Em geral, os migrantes viajam ao país de avião e, de lá, tentam chegar aos EUA em pequenas embarcações ou até em navios de cruzeiro.

Em julho de 2015, a BBC Brasil publicou uma reportagem sobre a alta no número de brasileiros barrados nas Bahamas ao tentar chegar à Flórida sem os documentos adequados.

O número de detidos nos primeiros sete meses daquele ano (90) já ultrapassava o total de detenções em 2015 (80), segundo dados passados pelas Bahamas ao Ministério de Relações Exteriores brasileiro.

Em nova consulta feita nesta semana, o ministério divulgou um número menor de detenções de brasileiros nas Bahamas em 2015 (56), mas, questionado sobre a diferença, não explicou o porquê.

A pasta disse ainda que os "dados de 2016 estão em processo de consolidação, mas há tendência de estabilidade em relação a 2015".

Rota mais tranquila

Há 18 anos trabalhando como editora-executiva do Gazeta Brazilian News, um dos maiores jornais da comunidade brasileira na Flórida, Fernanda Cirino diz que a rota é usada há muitos anos, mas se tornou mais popular entre migrantes brasileiros a partir de 2015.

Ela afirma que, em geral, a travessia é realizada por pessoas que não conseguem obter um visto para viajar aos Estados Unidos ou nem chegam a solicitá-lo, acreditando que terão o pedido negado.

Muitos já têm parentes no país e vendem um carro ou uma casa para pagar a viagem.

Segundo Cirino, a rota pelas Bahamas é mais cara que a travessia pelo México. Uma reportagem no site G1 cita uma gravação com um dos desaparecidos em que ele diz que pagaria R$ 50 mil para chegar à Flórida de barco.

Cirino afirma que a rota tem fama de ser relativamente tranquila e segura entre os imigrantes, e que há até relatos de brasileiros que completam o trajeto em jet-skis.

A jornalista afirma que o controle migratório nas Bahamas é tido como "fraquíssimo": segundo ela, passageiros que chegam ou saem do país de barco devem comparecer a um quiosque para carimbar os documentos, mas muitos deixam de fazê-lo.

De acordo com Cirino, muitos migrantes se deslocam até praias da Flórida protegidas por parques, descem e vão caminhando até carros que os aguardam. Em alguns casos, diz ela, os migrantes mergulham e chegam à praia como se fossem banhistas.

A vigilância na Flórida é mais rigorosa, diz ela, mas ainda assim a Guarda Costeira não consegue barrar todas as embarcações irregulares. Quase todos os dias aportam na Flórida barcos com migrantes vindos de Cuba, Haiti e outros países caribenhos.

"Com a eleição do (Donald) Trump, as pessoas se desesperaram achando que vai ficar mais difícil entrar e estão se adiantando", afirma.

Nos últimos anos, a polícia americana prendeu alguns brasileiros na Flórida acusados de integrar quadrilhas que transportavam migrantes a partir das Bahamas.

Canadá e turismo

Segundo advogados migratórios, além das Bahamas, muitos migrantes brasileiros têm entrado nos EUA pelo Canadá.

Entre os migrantes, há a percepção de que conseguir um visto canadense é mais fácil do que um visto americano e de que a fronteira entre os dois países é menos policiada que a do México.

Advogados afirmam que hoje, no entanto, a maioria dos migrantes brasileiros que moram irregularmente nos EUA chegam ao país com vistos de turista, o que indicaria uma mudança no perfil do grupo.

Nos anos 1980 e 1990, quando houve a primeira grande onda de migração brasileira aos Estados Unidos, grande parte os migrantes tinha baixa qualificação profissional e, incapaz de obter vistos, chegava ao país atravessando a fronteira com o México.

Muitos eram provenientes da região do Vale do Rio Doce, em Minas Gerais, especialmente a cidade de Governador Valadares.

Na última década, a viagem se tornou mais arriscada à medida que o México e os Estados Unidos ampliaram a vigilância na fronteira, levando muitos migrantes a traçar rotas mais longas e por áreas inóspitas e desérticas.

Tornaram-se comuns os casos de migrantes mortos por desidratação durante a travessia. No mesmo período, gangues mexicanas intensificaram as ações na área da fronteira e deixaram os migrantes vulneráveis a sequestros, extorsões e estupros.

A partir de 2015, advogados afirmam que se iniciou uma nova onda migratória aos EUA, composta por brasileiros de todas as regiões do país e com maior qualificação profissional.

Naquele ano, brasileiros foram a nona nacionalidade mais barrada por autoridades migratórias nos EUA, com 1.911 detenções. Em 2013, haviam sido a décima quarta, com 1.702.

Segundo o governo brasileiro, há hoje cerca de 1,2 milhão de brasileiros morando nos EUA.

Notícia publicada na BBC Brasil, em 27 de dezembro de 2016.

Humberto Souza de Arruda* comenta

Para um familiar ficar esperando a notícia de um ente querido, é uma situação muito desconfortável. Ainda mais quando se trata de meses de espera. Muitas pesquisas são feitas, gastos adquiridos com muitos telefonemas, viagens e tantos outros custos aparecem. Sem falar dos desgastes físicos, psicológicos e espirituais.

Muitos nesta situação fraquejam na fé e podem começar a questionar com indagações consideradas naturais como: “Por que este sofrimento na nossa família? Se o Itamaraty e o Governo americano não conseguem resolver esta situação, então estamos sozinhos sem ter a quem recorrer?”

Ainda que pertinentes estas indagações, os familiares precisam continuar tentando ser fortes e serenos. Só assim poderão ter possibilidades de novas ideias ou inspirações para ajudar na investigação. E desta forma podem ajudar com o envio de boas vibrações a estes irmãos que se perderam na escolha do “caminho”.

Analisemos o estado vibracional desta forma de entrada nos EUA. Inicialmente a pessoa precisa baixar o seu estado vibracional para se conectar com os agenciadores de viagens chamados de “coiotes”. Depois da aflição da viagem, que tem pouquíssima segurança, baixar mais a vibração para a recepção clandestina nos EUA. Em solo americano, manter esta sintonia não muito feliz para encontrar trabalhos e moradias que estejam fora das vistas dos Departamentos de Imigração.

Muitos conseguem passar por isso tudo. Voltar a elevar o padrão vibratório e se estabelecer como cidadão legal. Mas o risco de se perder neste caminho é muito grande. Se esta mesma pessoa fizer uma viagem de forma legal com todos os trâmites garantidos pelo Itamaraty e Governo americano, ainda pode ser que não tenha sucesso na nova nação, pois encontrará uma nação diferente da sua, com seus costumes próprios. Mas poderá pedir ajuda para voltar. Sendo que da forma clandestina, o retorno também é sofrido e em muitos casos chega a ficar impraticável.

Não somos frutos do meio em que vivemos. Sempre temos o livre-arbítrio. Podemos fazer as nossas escolhas. Só precisamos ter vontade. Vontade para fazer o que acreditamos que é certo e vontade para procurarmos constantemente aprender o que é certo. Mas Deus, na sua imensa bondade e justiça, nos ajuda a exercermos esta vontade, deixando uma prova do seu amor com a imortalidade da alma.

A cidade e a família que estamos foram cuidadosamente escolhidas para a nossa evolução, seja por provas ou expiações. Não acontece por sorte ou azar o nascimento de um indivíduo neste ou naquele País. Mas isso não quer dizer que não possamos mudar de local. Se com o tempo conseguirmos estabilidade cultural, moral e espiritual condizentes com o local a que desejamos ir, não há problemas. Pode-se continuar crescendo em qualquer lugar que se vá.

Mas se optarmos por fazer esta transição de local sem a devido aprendizado cultural e comunicativo do local, ou deixando a família sem amparo, ou levando cólera nos pensamentos, não há lugar que esta bagagem ajude na nossa evolução. Estaríamos levando nós como pior companhia na viagem.

Independente de qual estado cultural, moral e espiritual que estes dezenove filhos de Deus tiverem optados por levar nesta viagem, que estejam em paz ou a breve caminho deste estado de espírito. Julgar o motivo que levou estes irmãos a esta viagem não os trará de volta.

Que a família continue sempre firme no propósito de enviar bons pensamentos a eles. Estando encarnados ou não, que a nau do acolhimento incondicional guiada por nosso Amigo e Mestre Jesus seja enxergada por eles a qualquer distância e que subam o mais rápido possível para saírem da deriva.

* Humberto Souza de Arruda é evangelizador, voluntário em Área da Promoção Social Espírita (APSE) e colaborador do Espiritismo.net.