Espiritismo .NET

Curas, tratamentos espirituais, passes

As condições fundamentais para obter a cura são somente o merecimento e a fé do paciente?

- A cura, na visão espírita, deve ser entendida a partir da tríplice realidade do ser humano: Espírito-perispírito-corpo. O primeiro é a essência inteligente, imortal e indestrutível. É criado simples e ignorante e está sempre em processo evolutivo adquirindo experiências através das provas que se apresentam nas sucessivas reencarnações (O Livro dos Espíritos, de Allan Kardec, questão 115). Além dessa "carência evolutiva" por provas, o ser imortal corre o risco de exceder-se, afrontando as Leis Divinas gravadas na Consciência (op. cit., questão 621), adquirindo expiações para reparar o engano cometido.

Ainda, existem as missões em que Espíritos nobres se valem da existência física para demonstrar como é possível renunciar às paixões materiais frente a uma dificuldade de percurso. Naturalmente, as tribulações da vida durante a encarnação também são causadas pela imprudência, constituindo um grande conjunto de causas atuais das aflições, como Allan Kardec explicou no capítulo V de O Evangelho Segundo o Espiritismo.

O perispírito é a "condensação do fluido cósmico universal em torno de um foco de inteligência" (A Gênese, de Allan Kardec, cap. XIV, item 7). É o reflexo, por assim dizer, do campo mental do Espírito sobre os fluidos, que vibram e se agrupam em torno daquilo que o Espírito emite. Ademais, o perispírito possibilita a ligação entre o Espírito, um ser incorpóreo, ao corpo físico, ligando-se a este molécula a molécula. O corpo físico é um agregado perecível de tecidos celulares que se sustentam pelo fluido vital, um conjunto de energias presentes nas reações bioquímicas dentro e fora das células. O fluido vital ao mesmo tempo dá um automatismo incrível para as funções dos órgãos, porém é sustentado pela retroalimentação do perispírito.

A saúde, conforme define a Organização Mundial da Saúde, é o bem-estar físico, psíquico e social. Na visão espírita, devemos acrescentar o bem-estar espiritual, já que, segundo o que expomos, o Espírito é cerne das necessidades, que se refletem energeticamente nos tecidos perispirituais, os quais, por sua vez, vibram causando a harmonia ou desarmonia do conjunto celular do corpo físico. Uma doença instala-se, pois, apenas dentro do contexto espiritual de provas, expiações, missões ou imprudência que o Espírito gera para si próprio, nesta ou numa encarnação anterior.

É também interessante refletir que quando uma pessoa está doente no corpo físico, é difícil saber se é o fim ou o começo desses processos, o que significa que, nesses casos, não se sabe se o problema ainda também está espiritual e perispiritual ou se é apenas a última exaustão física de uma dificuldade evolutiva resolvida. A cura , da mesma forma, deve ocorrer nos três níveis e apenas será profunda, verdadeira e permanente se o processo espiritual principal for sanado, isto é, se a prova for cumprida com resignação, se a expiação foi bem utilizada para reparar um engano, se a missão foi bem sucedida e/ou se a imprudência foi interrompida. As terapias mais ortodoxas - as cirurgias materiais e os remédios que interferem diretamente nas moléculas celulares - limitam-se ao corpo físico, na tentativa sempre paliativa de conter o processo. São, sem dúvida, indispensáveis em muitos casos, e trarão grandes resultados se a doença apenas limitar-se ao corpo físico, ou seja, estiver na fase final do processo espiritual. As terapias ditas "energéticas" procuram atuar no perispírito, que, em absorvendo energias salutares, refletem para as células que seguirão o compasso do novo "concerto" renovador "consertando" e reestabelecendo a saúde de "dentro para fora".

Entendendo esse contexto, o movimento espírita adotou a fluidoterapia que consiste no passe e na água fluidificada.

 

Quais os atributos necessários para o médium de cura?

- O médium curador é utilizado pelos Espíritos superiores responsáveis por essa atividade. Os nobres desencarnados captam a problemática perispiritual do paciente, e lançam pensamentos para o perispírito do médium direcionando as funções endócrinas e metabólicas de seu corpo físico. O médium deve ter uma predisposição orgânica para ser capaz de, sob esse influência, secretar seus fluidos vitais para o paciente absorvê-los.

Além disso, o médium, naturalmente, deve: ter fé absoluta e racional em todo esse processo, estar em sintonia com os amigos espirituais, estar com o desejo máximo de ajudar seu semelhante, estar sempre alegre para transmitir fluidos renovadores, viver uma vida cristã esforçando-se para ser melhor a cada dia e abster-se ao máximo dos vícios e excessos materiais.

O paciente, por outro lado, precisa estar com a mente receptiva, isto é, em sintonia com ambiente espiritual através de pensamentos cristãos e com o desejo real da cura. Será curado ou será apenas paliativo? Tudo vai depender do tipo da doença e de seu estágio no processo espiritual. Estar com a mente receptiva é sempre indispensável em qualquer caso, para, pelo menos causar o alívio. Contudo, a "Evangelhoterapia" é a grande chave para a cura real, já que convida o Espírito a renovar-se interiormente, abandonar seus antigos hábitos, esforçar-se para domar suas más inclinações, lidar com as dificuldades da vida, compreender, tolerar, perdoar e autoperdoar-se, canalizar, enfim, seus potenciais para o Bem.

Dessa forma, o Espírito educa-se superando suas dificuldades nas provas, adquirindo paciência nas expiações, mais força nas missões e vigilância contra a imprudência. De qualquer forma, a fé racional levará, com certeza, a uma grande resignação ativa diante da vida, trazendo esperanças e consolações. O Espiritismo tem, pois, como principal objetivo não o de curar os corpos, mas sim as almas, conduzindo à reforma das massas e trazendo o bem-estar físico, psíquico, social e, acima de todos, o espiritual.