Espiritismo .NET

A Melhor religião!

A Melhor Religião!
Francisco Rebouças



Quase que diariamente somos abordados por pessoas que se apresentam como representantes de Jesus Cristo na Terra, que se identificam apenas como “cristãos”, ‘como se os outros não o fossem também’. Com estratégias bastante ousadas e até desrespeitosas nos querem modificar as convicções religiosas de forma instantânea, como se não tivéssemos convicção na eficiência dos postulados espíritas que abraçamos.


Não procuram saber se somos ou não felizes com a fé que esposamos, se queremos ou não mudar de filosofia religiosa, se pretendemos deixar a fé raciocinada pela qual optamos, para seguir as convicções e interpretações de pseudo-sábios que pregam antes de tudo a discriminação, a intolerância e a divisão entre os próprios filhos de Deus, seus irmãos em humanidade. 


Resta-nos exercitar a disciplina imposta pela proposta espírita, onde o respeito, a compreensão e a caridade para com o próximo, devem ter importância capital em nossas atitudes e, de forma bem cristã, falarmos de nossa escolha pela filosofia espírita da qual não pretendemos nos afastar, dando exemplo de tolerância e humildade mesmo que a atitude desses irmãos não tenha sido a mesma para conosco, pois, foi o que o Mestre de Nazaré nos propôs há mais de dois mil anos: “vencer o mal com o bem”.


Os Espíritos Superiores nos esclarecem sobre a maneira mais agradável de seguir o nosso Modelo e Guia que é Jesus, sem dar importância às formalidades e às aparências exteriores. A doutrina Espírita é tão sublime que não nos apresenta o Espiritismo como sendo a melhor das religiões, visto que não é a religião que salva este ou aquele indivíduo, e sim seus atos e seus procedimentos, conforme segue:
   
654. Tem Deus preferência pelos que O adoram desta ou daquela maneira?
“Deus prefere os que O adoram do fundo do coração, com sinceridade, fazendo o bem e evitando o mal, aos que julgam honrá-Lo com cerimônias que os não tornam melhores para com os seus semelhantes”.
“Todos os homens são irmãos e filhos de Deus. Ele atrai a Si todos os que lhe obedecem às leis, qualquer que seja a forma sob que as exprimam.
“É hipócrita aquele cuja piedade se cifra nos atos exteriores. Mau exemplo dá todo aquele cuja adoração é afetada e contradiz o seu procedimento.
Declaro-vos que somente nos lábios e não na alma tem religião àquele que professa adorar o Cristo, mas que é orgulhoso, invejoso e cioso, duro e implacável para com outrem, ou ambicioso dos bens deste mundo. Deus, que tudo vê, dirá: o que conhece a verdade é cem vezes mais culpado do mal que faz, do que o selvagem ignorante que vive no deserto. E como tal será tratado no dia da justiça. Se um cego, ao passar, vos derriba, perdoá-lo-eis; se for um homem que enxerga perfeitamente bem, queixar-vos-eis e com razão.
Não pergunteis, pois, se alguma forma de adoração há que mais convenha, porque equivaleria a perguntardes se mais agrada a Deus ser adorado num idioma do que noutro. Ainda uma vez vos digo: até Ele não chegam os cânticos, senão quando passam pela porta do coração”.


A verdadeira religião aquela que verdadeiramente espelha os ensinos de seu Mestre, é a que mais obra em conformidade com seus ensinos e exemplos e não está circunscrita a esta ou aquela filosofia, e sim, na postura e vivência de seus seguidores em consonância com os exemplos deixados por Jesus, quando resumiu as Leis e os profetas em amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo’. E quem ama seu próximo respeita suas convicções, seu modo de viver sua forma de seguir a Jesus. Na questão seguinte, podemos perfeitamente aquilatar a importância da filosofia que estamos seguindo. 


842. Por que indícios se poderá reconhecer, entre todas as doutrinas que alimentam a pretensão de ser a expressão única da verdade, a que tem o direito de se apresentar como tal?
Será aquela que mais homens de bem e menos hipócritas fizer, isto é, pela prática da lei de amor na sua maior pureza e na sua mais ampla aplicação. Esse o sinal por que reconhecereis que uma doutrina é boa, visto que toda doutrina que tiver por efeito semear a desunião e estabelecer uma linha de separação entre os filhos de Deus não pode deixar de ser falsa e perniciosa.


Dessa forma, precisamos todos ter o discernimento de não entrarmos em combate ou discussões improdutivas e descabidas contra esta ou aquela forma de se buscar a Deus e seguirmos firmes os ensinos da doutrina espírita - “O Consolador” prometido por Jesus, entendendo que nem todos estão no mesmo patamar de compreensão para entender o que já nos é tão natural e, por isso mesmo, não nos esquecer nunca de que a quem mais foi dado mais será cobrado.


Nas questões seguintes, temos as explicações convincentes de como devemos nos comportar diante de tantos ensinos que recebemos da espiritualidade Maior, para nosso crescimento e benefício diante da nossa necessidade de crescimento e evolução em direção à perfeição e a felicidade a que estamos destinados.


918. Por que indícios se pode reconhecer em um homem o progresso real que lhe elevará o Espírito na hierarquia espírita?
“O espírito prova a sua elevação, quando todos os atos de sua vida corporal representam a prática da lei de Deus e quando antecipadamente compreende a vida espiritual”.

Verdadeiramente, homem de bem é o que pratica a lei de justiça, amor e caridade, na sua maior pureza. Se interrogar a própria consciência sobre os atos que praticou, perguntará se não transgrediu essa lei, se não fez o mal, se fez todo o bem que podia, se ninguém tem motivos para dele se queixar, enfim se fez aos outros o que desejara que lhe fizessem.
Possuído do sentimento de caridade e de amor ao próximo, faz o bem pelo bem, sem contar com qualquer retribuição, e sacrifica seus interesses à justiça.
É bondoso, humanitário e benevolente para com todos, porque vê irmãos em todos os homens, sem distinção de raças, nem de crenças.
Se Deus lhe outorgou o poder e a riqueza, considera essas coisas como UM DEPÓSITO, de que lhe cumpre usar para o bem. Delas não se envaidece, por saber que Deus, que lhas deu, também lhas pode retirar.
Se sob a sua dependência a ordem social colocou outros homens, trata-os com bondade e complacência, porque são seus iguais perante Deus. Usa da sua autoridade para lhes levantar o moral e não para os esmagar com seu orgulho.
É indulgente para com as fraquezas alheias, porque sabe que também precisa da indulgência dos outros e se lembra destas palavras do Cristo: Atire a primeira pedra àquele que estiver sem pecado.
Não é vingativo. A exemplo de Jesus, perdoa as ofensas, para só se lembrar dos benefícios, pois não ignora que, como houver perdoado, assim perdoado lhe será. Respeita, enfim, em seus semelhantes, todos os direitos que as leis da Natureza lhes concedem, como quer que os mesmos direitos lhe sejam respeitados.


919. Qual o meio prático mais eficaz que tem o homem de se melhorar nesta vida e de resistir à atração do mal?
“Um sábio da antiguidade já vo-lo disse: Conhece-te a ti mesmo”.



Fontes:

(1) Kardec, Allan – O Livro dos Espíritos – FEB, 77ª edição.
(2) Grifos nossos.