Espiritismo .NET

Plano de Ação para o Centro Espírita Aumentar o Número de Trabalhadores Voluntários






Plano de Ação para o Centro Espírita Aumentar o Número de Trabalhadores Voluntários*
(Parte 1)
Alkíndar de Oliveira



É muito comum os dirigentes dos Centros
Espíritas reclamarem do pequeno número de verdadeiros trabalhadores,
aqueles que arregaçam as mangas e labutam arduamente, e prazerosamente, a
favor do próximo. Os dirigentes costumam dizer, com razão: “São sempre
os mesmos que trabalham, e em número sempre menor do que nossa
necessidade”. Acredito que em todo empreendimento é preciso haver
projetos, planos. É possível a execução de um trabalho sistemático e
organizado para aumentar o número de trabalhadores voluntários nas casas
espíritas
.


O dirigente deve adotar oito procedimentos para aumentar o número de voluntários atuando em sua instituição:

Primeiro procedimento:

Vá depressa, em relação à sua mudança comportamental. Na sua condição de dirigente, procure adaptar-se rapidamente a esse mundo de transformações. Se sua atuação como dirigente está boa, não se contente, ela precisa ser excelente, não basta ser boa.

Segundo procedimento:

Vá devagar, em relação à expectativa de mudança comportamental dos outros. Quem nos dá esse conselho é Oded Grajew, presidente do Instituto Ethos, ex-presidente da Fundação Abrinq pelos Direitos da Criança e do Adolescente, especialista com uma vasta experiência, que alerta: “O melhor conselho, em todos os casos [de voluntariado], é esse: comece devagar. É a maneira mais prudente de se construir uma relação de confiança com o trabalho voluntário”.

Esperar que a mudança do seu pessoal vá acontecer de uma hora para outra é a receita certa para frustrar-se. Uma pessoa só muda seu comportamento quando tiver vontade, e a vontade, assim como o pensamento, é totalmente livre. Cada um é dono de sua vontade. O que a instituição poderá fazer para atenuar, consideravelmente, essa realidade, é adotar técnicas que estimulem a motivação (leia o artigo anterior a este, Motivar é Possível?) e o surgimento de um ambiente de trabalho apropriado. Em relação à motivação, existem três tipos de pessoas:


1 - O primeiro tipo é aquela pessoa que por si só se automotiva. Ela não necessita de estímulo exterior. Seus pensamentos são naturalmente motivadores. Esse tipo de pessoa é extremamente útil ao meio espírita, pois ela caminha por si. É o tipo mais raro.

2 - O segundo tipo é aquela pessoa que precisa do estímulo exterior para se auto-motivar. Ela precisa sempre receber a influência positiva do ambiente de trabalho, precisa ser elogiada pelos seus acertos, precisa sentir-se valorizada. Essa pessoa necessita muito que a instituição espírita adote técnicas de motivação, ensinadas no capítulo Motivar é Possível?. Esse tipo de pessoa existe em maior número.


3 - O terceiro e último tipo é aquela pessoa que anda devagar, quase parando, ou parando mesmo. É aquela que nenhuma técnica de estímulo motivacional funciona, pois ela não quer ouvir e nem saber de nada. Mesmo com toda pressão, ela não sai do lugar. É o tipo de pessoa que precisa ser atropelada, para depois se arrepender e mudar seu comportamento, talvez em outra encarnação!


Este tipo de pessoa também é bastante raro. Lendo essa afirmação, algum dirigente pode fazer o seguinte comentário: “Esse tipo de pessoa não é tão raro assim, muito pelo contrário”. Contudo, pela minha experiência na área de treinamento comportamental, posso afirmar que esse tipo de pessoa realmente é muito raro de se encontrar. O que ocorre, é que existe o falso “anda devagar, quase parando”. São aquelas pessoas que pertencem ao segundo tipo, necessitam de estímulo exterior para se automotivarem, mas nunca tiveram esse estímulo, o que fez delas, temporariamente, pessoas recalcadas e de mal com o mundo. É possível realizar verdadeiros milagres com essas pessoas, basta aplicar técnicas de motivação.

Terceiro procedimento:

Fragmente seu plano de ação.

Ter um projeto audacioso deve ser a meta de todo líder nestes tempos de mudança. Não dá mais, no meio espírita ou em qualquer outro ambiente, caminhar como há dez anos. Precisamos pensar grande para podermos agir de maneira coerente com a grandeza de nossa Doutrina. Lembremo-nos sempre que o Espiritismo é a Terceira Revelação, é o Cristianismo redivivo.

Uma vez tendo um projeto, para desenvolvê-lo é necessário ter um consistente plano de ação. Para funcionar a contento, todo plano de ação precisa ser fragmentado em pequenas partes. Acompanhe o que diz o escritor Robert J. O’ Reilly, no livro O Poder do Pensamento Dinâmico, da Ed. Cultrix:

“Alguém certa vez perguntou a um ilustre líder civil como foi que ele conseguiu realizar tanta coisa.

– Tenho um segredo – respondeu o líder. É simplesmente este: dou muito valor aos pequenos objetivos. A maioria dos projetos nunca vai para frente porque eles são de proporções demasiadamente grandes. É melhor executar uma pequena parte da tarefa, executá-la bem, do que ter uma grande ideia planejada no papel. Quando tal parte estiver terminada, comece a seguinte. Faça aquilo que você pode.

Podemos aplicar a mesma técnica aos nossos fins. Se, por exemplo, você estiver planejando algo importante, não o encare como se fosse um vasto projeto. Divida-o em unidades executáveis.

Frank Billerbeck, diretor de vendas da praça Nova York, adorou esse procedimento ao construir, no campo, uma residência de verão. Uma vez que ele próprio estava realizando a maior parte dos trabalhos – em suas horas vagas de fim de semana –, sabia que levaria vários anos até que a casa viesse a ficar pronta para ser ocupada. E ele esperava que surgisse de repente toda sorte de pequenos problemas. Mas, em vez de desanimar ante a vastidão do projeto e a extensão do tempo envolvido, Frank preferiu mostrar-se esperto. Começou a encarar o empreendimento sob o aspecto de suas partes componentes: limpeza de terreno; desenho das plantas; regularização dos pormenores legais; escavação da terra e assentamento dos alicerces; construção do madeiramento; etc. Passaram-se os anos, mas nos fins de semana atuais você encontrará Frank e sua esposa descansando entre as comodidades da casa que construíram com orgulho.

Nenhuma grande realização jamais se dá de um dia para outro. Mesmo a vida propriamente dita não é um fluxo contínuo de tempo, mas, antes, uma série de incidentes e projetos individuais. E é importante planejarmos nossos objetivos do mesmo modo”.

Continua - Parte 2...