Espiritismo .NET

Profissão benzedeira


22 de abril de 2016


Profissão benzedeira


Por que o trabalho de curar com orações e plantas medicinais começa a ser reconhecido oficialmente no País

Flávio Costa

Foi o pai de Ana Maria Santos, 46 anos, moradora de Rebouças, distante 170 quilômetros de Curitiba, no Paraná, que lhe ensinou o ofício de benzedeira. Mas ele mesmo pouco benzia, por conta da marginalização imposta pelas autoridades locais à atividade de cura popular, amálgama de tratamento espiritual aliado ao uso de ervas medicinais. “É um dom que a gente tem. Mas não somos nós que curamos, e sim Deus”, afirma a benzedeira, que atende uma média de 20 pessoas por semana, a maioria delas crianças com problemas de saúde comezinhos, como micoses, cólicas abdominais e até “susto” – medo de assombração. Ao contrário do pai, Ana Maria pode benzê-las em paz, desde que a prefeitura da cidade sancionou, em fevereiro, uma lei que reconhece o trabalho das praticantes da chamada saúde popular. Logo depois, foi a vez de São João de Triunfo, no mesmo Estado, adotar lei semelhante.

São dois casos pioneiros no Brasil. Não por acaso. Nessas duas cidades foram identificadas 295 benzedeiras pelo Movimento de Aprendizes da Sabedoria, organização responsável pela aprovação das leis, que chegou a receber um prêmio do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. O órgão federal já classificou a cura por meios não tradicionais como um patrimônio imaterial da cultura brasileira. “Acreditamos que essas iniciativas devem ser adotadas em outras cidades e Estados, desde que as benzedeiras participem do processo”, afirma Taísa Lewitzki, uma das coordenadoras do movimento. Agora, as rezadeiras têm livre acesso a qualquer terreno dos dois municípios paranaenses, mesmo os privados, para coletar ervas, desde que respeitadas as leis ambientais. Mas existem aquelas que nem precisam sair de casa. “Eu mesma planto no meu quintal mais de 40 plantas medicinais”, diz a benzedeira Agda Andrade, 57 anos.

Para a antropóloga Geslline Giovana Braga, da Universidade Federal do Paraná, a legislação aprovada nos dois municípios carrega, sobretudo, força simbólica. “Mostra que as benzedeiras não estão desaparecendo. Eu jamais ouvi benzedeira alguma proibir o uso do remédio ou suspender um tratamento médico, pelo contrário”, afirma Geslline. Essa realidade de preconceito começa a mudar aos poucos. Estados como Ceará e Rio Grande do Norte estudam também reconhecer a chamada saúde popular. No município cearense de Maranguape, inclusive, médicos do Programa Saúde da Família atuam em conjunto com as rezadeiras no combate à mortalidade infantil, com resultados satisfatórios.

Matéria publicada na Revista ISTOÉ, em 1º de junho de 2012.


Gert Bolten Maizonave* comenta

Mediunidade tem estado a serviço do bem, desde que o mundo é mundo. As benzedeiras são um bonito exemplo de como é possível ajudar o próximo com o auxílio dos bons espíritos, seja através da intuição ou da comunicação ostensiva, mesmo em um ambiente que oferece pouca tolerância ao trabalho mediúnico.

No Brasil, principalmente no interior, há poucos que não conhecem ou nunca ouviram falar de uma dessas trabalhadoras devotadas, dos seus prodígios de cura, utilizando nada mais que ervas cujo conhecimento veio de longe no tempo, transmitido pela tradição oral.

Sabemos que grande parte dessas mulheres recebem hereditariamente a mediunidade de cura, e que os rituais de agitação de ervas sobre os enfermos consistem simplesmente de fluidoterapia abençoada. Muitas ministram água da torneira como se fosse remédio, e as pessoas se veem curadas, pelo efeito placebo segundo a medicina moderna, pelo poder da própria fé e pela ajuda dos bons espíritos, segundo sabemos através de Kardec.

Louvemos, pois, nós espíritas, as pessoas que dedicam parte da sua vida em dar atenção aos necessiados, princpalmete às benzedeiras, e sobretudo aquelas que o fazem pelo sentimento da caridade, sem nunca aceitar retribuição financeira, mesmo vivendo em condição singela.

Recomendamos a leitura de O Livro dos Médiuns, de Allan Kardec, na segunda parte, capítulo 14, item 7 - "MÉDIUNS CURADORES".

* Gert Bolten Maizonave é gaúcho de Bento Gonçalves, estudante de eletrônica, trabalhador espírita desde 2000 e participa das atividades do Serviço de Perguntas e Respostas do Espiritismo.net desde 2004.