Espiritismo .NET

Nasceram os primeiros cachorros de proveta


7 de janeiro de 2016


Nasceram os primeiros cachorros de proveta


Técnica pode ajudar a remover doenças hereditárias nos animais

Por Fábio Marton

Dia 9, cientistas da Cornell University (EUA) anunciaram uma ninhada de sete filhotes concebidos por fertilização in vitro (FIV) - o famoso "bebê de proveta". E, de quebra, publicaram o que é provavelmente a foto mais adorável a dar sua graça em uma publicação científica.

Pode parecer notícia velha - a técnica já é usada desde os anos 70 em humanos e outras espécies, como os ratos. Mas cachorros tem um ciclo reprodutivo bastante específico, e os cientistas tiveram de usar alguns truques, como deixar o óvulo um dia após ele ser liberado e tratar o esperma com magnésio. "As pessoas vem tentando fazer isso desde que a fertilização in vitro foi inventada", diz o biólogo reprodutivo Alexander Travis, um dos condutores do estudo. "Ninguém jamais fez qualquer progresso com a FIV num cão. Este é o primeiro sucesso."

Qual é a importância disso? Primeiro, pode ser um caminho para salvar espécies de canídeos ameaçadas de extinção, como o lobo etíope e - se a gente não se cuidar por aqui - o lobo-guará. E, no que certamente as pessoas verão um impacto maior, editar genes de cães domésticos para livrá-los de doenças hereditárias.

Como as raças foram criadas cruzando-se repetidamente animais num pequeno grupo com as características desejadas, através de relações incestuosas, vários genes ruins acabaram se tornando comuns nessas raças. Golden retrievers têm tendência a linfoma, dálmatas desenvolvem pedras nos rins e várias raças grandes têm displasia nos quadris. Com a nova tecnologia, isso pode se tornar coisa do passado.

Ah, detalhe imporante: os filhotes estão disponíveis para adoção.

Fonte First "test tube" puppies born, Cornell University.

Matéria publicada na Revista Superinteressante, em 15 de dezembro de 2015.


Claudio Conti* comenta

O sonho da saúde completa e duradoura se tornou o "Santo Gral” que deve ser buscado com todo empenho e todas as forças, não faltando esforços físicos, intelectuais e financeiros. A pergunta que permeia a mente é: Qual a necessidade de tal aprofundamento do conhecimento científico para a evolução do espírito se, em outros mundos, a experiência física ocorre em condições diferentes?

Certamente que se sabe da necessidade do desenvolvimento intelectual para a evolução moral, isto é, o intelectual alavanca o moral, como apresentado n’O Livro dos Espíritos, questão 780, que diz:

O progresso moral acompanha sempre o progresso intelectual?
“Decorre deste, mas nem sempre o segue imediatamente.”

Todavia, desde o início do povoamento do planeta que espíritos imigram e emigram, dependendo da necessidade particular de cada um, podendo, inclusive, ocorrer em grupos mais ou menos numerosos. No livro A Gênese, integrante do pentateuco kardequiano, no capítulo XI, encontra-se a descrição deste processo. Para fins deste texto, pode-se ressaltar:

37. - …Há, pois, emigrações e imigrações coletivas de um mundo para outro, donde resulta a introdução, na população de um deles, de elementos inteiramente novos. Novas raças de Espíritos, vindo misturar-se às existentes, constituem novas raças de homens.

Em um passado mais recente, na época em que Jesus esteve encarnado na Terra para divulgação da Boa Nova, o seu Evangelho, espíritos se liberaram deste planeta, alçando mundos mais elevados em decorrência do aprendizado e entendimento daquilo que Jesus pregou.

Com a reencarnação, espíritos que não alcançaram o limiar moral necessário para alçar a mundos mais aprimorados que a Terra, podem desenvolver o conhecimento intelectual e, com isso, exercitar a mente para entendimentos mais complexos e abstratos, tal como o significado e necessidade da moral.

Vemos, portanto, que nem todos os espíritos que habitam ou habitaram a Terra necessitam tamanho aprofundamento no conhecimento intelectual, mas se fará necessário para muitos.

Vários são os caminhos que conduzem à patamares mais elevados da evolução espiritual e cada um deve buscar aquele que melhor lhe convém.

Desta forma, se considerarmos que Jesus foi quem arquitetou, juntamente com seus “operários" a construção do arcabouço orgânico pelo qual a vida material se manifestaria, como é apresentado no livro A Caminho da Luz, ditado pelo espírito Emmanuel, sob a psicografia de Francisco C. Xavier. Então, ao adentrar nas leis da genética, o homem está entrando em contato com o trabalho primordial de Jesus na Terra, até que, por fim, possa entrever a obra da Criação.

Quanto à busca da saúde completa, Joanna de Ângelis (espírito) esclarece no livro Dias Gloriosos, psicografia de Divaldo P. Franco, no capítulo 9, intitulado Engenharia Genética, que “ao lado dessa busca respeitável, sem dúvida, mas que foge ao programa da reencarnação de muitos Espíritos endividados que, se liberados da injunção aflitiva, incidirão em outros mecanismos depuradores, apresentam-se alguns entusiastas da engenharia genética pensando na possibilidade de trabalhar a complexidade desses microcomputadores orgânicos, para alterarem, por exemplo, o sexo do zigoto, ou mais tarde do feto, mesmo que este já se encontre em processo de formação física."

* Claudio Conti é graduado em Química, mestre e doutor em Engenharia Nuclear e integra o quadro de profissionais do Instituto de Radioproteção e Dosimetria - CNEN. Na área espírita, participa como instrutor em cursos sobre as obras básicas, mediunidade e correlação entre ciência e Espiritismo, é conferencista em palestras e seminários, além de ser médium pscógrafo e psicifônico (principalmente). Detalhes no site www.ccconti.com.