Espiritismo .NET

As formas absurdas de morrer ao fazer uma 'selfie'


10 de dezembro de 2015


As formas absurdas de morrer ao fazer uma 'selfie'


Existem muitas formas de morrer, mas, até algum tempo atrás, não seria possível imaginar que tirar "selfies" poderia ser uma delas.

Tirar uma foto de si mesmo subindo no trilho de um trem, ou encostado à borda de um edifício monumental ou ainda se equilibrando no parapeito de uma ponte, pode ter consequências graves.

Nos últimos meses, as notícias sobre pessoas que morreram nessas circunstâncias – tirando selfies – têm se repetido com certa frequência.

O site Mashable contabilizou ao menos 12 mortes de pessoas que estavam tirando selfies nos últimos meses. A última foi registrada há alguns dias: segundo informações do jornal britânico Mirror, o adolescente russo Andrey Retrovsky caiu de um edifício enquanto se fotografava no ponto mais alto de sua estrutura.

Na Rússia, inclusive, a preocupação com essa questão levou o governo a criar uma campanha informativa para alertar a população sobre os perigos desse tipo de selfies.

"Nem um milhão de 'likes' nas redes sociais valem tanto quanto a sua vida e seu bem-estar", disse o Ministério do Interior russo depois de o país ter registrado várias mortes por causa das selfies.

Na campanha lançada pelo governo russo, foram distribuídos uma série de sinais de trânsito com desenhos de proibição em que apareciam pessoas fazendo selfies em situações perigosas, como em frente a um tigre, ou diante de um penhasco, ou em cima do telhado, se equilibrando em uma ponte, etc.

Veja abaixo uma lista com cinco situações de perigo em que as selfies tiveram consequências fatais.

1) Cair do Taj Mahal

No fim de setembro, um turista japonês morreu depois de cair das escadas da entrada do famoso monumento Taj Mahal, na Índia, enquanto tirava uma foto de si mesmo.

O turista, que estava acompanhado de outras três pessoas, não foi o único a cair. Um dos seus companheiros também tropeçou e quebrou uma perna.

Nesse mesmo lugar, aconteceram algumas mortes nos últimos anos de pessoas que caíram enquanto turistas tiravam selfies.

2) Fazer selfie com pistola

Por incrível que pareça, também há registros de pessoas que morreram ao fazer selfies com armas ou pistolas.

Foi o caso de Deleon Alonso Smith, um jovem de 19 anos do Texas, nos Estados Unidos, que morreu em agosto por um tiro na garganta disparada pela arma com a qual se fotografava.

Não foi o único caso: uma funcionária de um escritório em Moscou, de 21 anos, levou um tiro na cabeça em maio quando tentava tirar uma foto de si mesma.

Mas ela teve sorte. Não morreu, porque a arma não era letal e pertencia a um segurança que disparava balas de borracha. Ainda assim, precisou ser hospitalizada em estado crítico, segundo informações da agência de notícias russa RIA Novosti.

3) Cair da ponte ou de um edifício

Tirar selfies nos pontos mais altos de edifícios gigantes têm sido uma das "modas" mais perigosas dos últimos tempos.

Fotos assim têm se multiplicado nas redes sociais, com selfies sendo registradas de lugares perigosos, como em pontes e arranha-céus.

Além do caso já mencionado do jovem Retrovsky, pode-se citar o caso da universitária de 21 anos, também russa, que caiu de uma ponte próxima ao Centro Internacional de Negócios de Moscou, quando tentava tirar uma selfie com seu celular.

4) Ser eletrocutado em trilho de trem

Outra pessoa que acabou pagando caro por seu vício em selfies foi Anna Ursu, romena de 18 anos, que tentava tirar uma selfie perfeita e acabou morrendo de maneira inesperada no último mês de maio.

Em uma estação de trem de Iasi, na Romênia, a jovem decidiu que uma foto em um trilho de trem seria uma excelente ideia.

Quando ela subiu, porém, seu corpo ficou em chamas, e uma amiga que a acompanhava foi derrubada pela força da descarga elétrica, conforme publicou o jornal Daily Mail.

5) Ser derrubado por um touro

Tirar fotos diante de animais perigosos é outro hábito comum aos apaixonados por selfies, mas que também deve ser evitado.

O espanhol David González López, de 32 anos, levou uma chifrada enquanto fazia um selfie em uma das típicas festas espanholas com corridas de touros.

Ele estava na rua a certa distância do touro, tentando enquadrá-lo na selfie, quando acabou derrubado pelo animal, que avançou para cima dele.

Notícia publicada na BBC Brasil, em 7 de outubro de 2015.


Jorge Hessen* comenta

As tecnologias pessoais, sobretudo os smartphones, revolucionaram o formato com que as pessoas se expressam no dia-a-dia na atualidade, e a selfie faz parte dessa transformação. Experimenta-se a neurose do selfie (derivada do termo inglês self (eu) junto ao sufixo “ie” – um tipo de fotografia), para indicar uma espécie de autorretrato, tradicionalmente exposto na rede social, que tem contagiado a muitos, principalmente no Instagram e Facebook. O indivíduo aponta o smartphone para o próprio rosto e busca o melhor ângulo para tirar uma fotografia esmerada. Pode ser na praia, na festa, no parque, no restaurante ou em situação de alto risco de vida. A obsessão é tamanha que neste último caso chega a causar acidentes fatais.

Quando falamos em selfies aqui, os números não são nem de longe inexpressivos, ou seja, nada menos que 880 bilhões de fotos foram feitas apenas em 2014. Uma parcela relevante de autoexposição na forma de autorretratos. Tais imagens podem camuflar ameaças, sobretudo quando as fotografias revelam uma conotação erotizante, uma posição lasciva. Obviamente a exposição de dados pessoais, informações e fotografias supostamente inocentes pode servir de matéria prima para os criminosos sempre de plantão.

Uma pessoa equilibrada, na maioria das vezes, posta selfies com imagens mais espontâneas, ao invés daquelas estrategicamente montadas e editadas. Pessoas mais invigilantes tendem a postar selfies às vezes mais erotizadas e exibicionistas, com o intuito de receber o maior número de “curtidas”, e com isso obterem uma falsa percepção de que são “amadas”. Há aqueles que fazem selfies nas academias retratando os corpos “sarados”, e se não tiverem “curtidas” e “comentários” ficam frustrados, deprimidos e ampliam os exercícios para esculturar o visual.

Pessoas que possuem pouca autoestima hipervalorizam o “olhar” do outro, ou seja, a aprovação do outro tende a ser muito importante para elas. Há alguns transtornos que podem estar associados ao comportamento descontrolado da produção de selfies, como depressão, fobia social, transtorno afetivo bipolar e transtorno dismórfico corporal (termo usado para designar a discrepância ou diferença entre aquilo que a pessoa acredita ser, em termos de imagem corporal, e aquilo que realmente é). Tais transtornos trazem prejuízos concretos à vida do indivíduo, como isolamento social, anorexia, bulimia, automutilação e até suicídio.

Neste sentido, o vício de tirar centenas de selfies não é uma prática recomendável, até porque a “auto representação seletiva” não aumenta a autoestima e nem a autoconfiança. É preciso então estabelecer limites, critérios e cuidados para evitar os excessos. Ademais, o que leva um indivíduo a necessitar das curtidas e compartilhamentos da rede social?

Normalmente, carências afetivas são as principais causas da necessidade de se expor, de chamar a atenção. Quando não preenchidas, comumente provocam situações psicopatológicas extremas. Há pessoas (insanas) que vão tirar selfie próximas a animais ferozes, subindo no trilho de um trem, equilibrando-se no parapeito de uma ponte, nas culminâncias das torres ou ainda nos pontos mais altos de edifícios gigantes, que aliás têm sido uma das "modas" mais perigosas dos últimos tempos, e isso tem trazido consequências graves.

Os ‘selfies’ muito comumente têm o poder de desencadear a procura descomunal por atenção e dependência social, indicativas da precária autoestima e do patético egocentrismo. Essa forma de narcisismo excessivo pode ter efeitos trágicos sobre as relações pessoais, mormente quando não há limite entre o prudente e o extravagante no contexto da autopromoção visual, obviamente se isso transformar-se em prática muito frequente.

Será que estamos exagerando no diagnóstico de uma tendência inofensiva? Ou existem efeitos colaterais sociais e psicológicos graves no horizonte? A tecnologia precisa estar a nosso favor e a benefício da sociedade. Que tal se, em vez de postar constantemente o próprio retrato, postássemos imagens com informações culturais ou compartilhássemos projetos sociais importantes? Isso sim seria muito útil à sociedade. Porém não será através da postagem de milhares de fotos de si mesmo que se estará colaborando com a melhoria da vida no planeta. É necessário construir uma sociedade menos individualista e menos egocêntrica, colaborando para que as redes sociais possam ter sobretudo uma função de contribuição para a sociedade!

O nosso avanço espiritual consiste, exclusivamente, na forma de ver a vida, e isso nada mais é do que a demonstração de uma nova visão de nós mesmos e do mundo ao nosso redor. O sentimento de inferioridade ou de baixa autoestima associa os viciados nas selfies a uma autoexposição exagerada, a uma autonegligência ou desmazelo das coisas pessoais.

A incapacidade de avaliação do senso de autoconhecimento é também decorrência do sentimento de inferioridade, que nos remete à vivência entre “hábitos egoísticos” e a uma “hibernação dos sentimentos”. Portanto, o máximo sentido de nossa atual encarnação deve ser a conscientização da prosperidade de nosso mundo íntimo. Somos essências grandiosas à procura da perfeição relativa, cuja porta de entrada é o autodescobrimento.

* Jorge Hessen é natural do Rio de Janeiro, nascido em 18/08/1951. Servidor público federal aposentado do INMETRO. Licenciado em Estudos Sociais e Bacharel em História. Escritor (dois livros publicados), Jornalista e Articulista com vários artigos publicados.