Espiritismo .NET

Mãe não salva filho de carro fechado para não arrebentar vidro

22 de novembro de 2015



Mãe não salva filho de carro fechado para não arrebentar vidro de BMW nova



Por Redação Yahoo! Brasil | Super Incrível


Ser mãe é amar seu filho acima de tudo? Não para uma mãe chinesa que deixou seu bebê preso dentro de uma BMW porque estava com pena de causar danos ao carro. Por conta disso, autoridades tiveram que intervir para salvar a vida da criança.


De acordo com relatos colhidos pela rede de televisão local CCTV, o menino foi esquecido dentro do carro e começou a chamar atenção por bater no vidro pelo lado de dentro. As pessoas tentavam ajudar, mas a mãe impedia.


Segundo ela, era mais fácil esperar o chaveiro especializado chegar, já que ela havia perdido a chave. Dessa maneira, dizia ela, seria evitado um dano sério à sua BMW nova. Diante disso, reagindo incrédulos, os pedestres chamaram os bombeiros.


Ao chegar no local os responsáveis pelo resgate viram que a situação da criança estava se deteriorando e passaram por cima da decisão da mãe. Eles arrebentaram a janela e salvaram o menino do carro.


A ação da mãe, é claro, não passou impune para as pessoas que acompanharam o caso. Nas redes sociais, milhares de pessoas falaram que os bombeiros deviam ter quebrado a cabeça da mãe ao invés do vidro. Outros ainda pediam que a guarda da criança fosse retirada dela.


No final das contas, o único prejuízo que a mulher terá será o do vidro da janela de sua BMW. Ela não responderá por sua atitude judicialmente e não fez nenhum depoimento às TVs locais sobre o caso.


Notícia publicada no Yahoo! Notícias, em 14 de julho de 2015.



Paula Mendlowicz* comenta


Somos espíritos imortais e deveríamos viver como tais. No entanto, ainda vivemos apegados às coisas materiais. A Doutrina Espírita não prega que devemos nos livrar de tudo o que é material e viver na pobreza. Podemos e devemos buscar viver com conforto e bem estar; o problema não está no dinheiro ou no bem que possuímos e sim no valor excessivo que damos a eles e no tempo e saúde que gastamos para tê-los.


Hoje nossa sociedade valoriza o ter. Podemos ver diariamente pessoas exibindo-se com seus “bens” na internet (mesmo que não corresponda à realidade). Achamos que possuindo coisas seremos felizes, então, quanto mais, melhor.


Será verdade?


“Vosso amor pelos bens terrenos é um dos fortes empecilhos ao vosso adiantamento moral e espiritual; por esse apego às posses materiais, destruís as faculdades de amar levando-as todas para as coisas materiais. Sede sinceros: a riqueza proporciona uma felicidade sem restrições? Quando vossos cofres estão cheios, não há sempre um vazio em vossos corações? No fundo dessa cesta de flores não há sempre um réptil escondido?” (O Evangelho Segundo o Espiritismo, Cap. XVI - Não se pode servir a Deus e a Mamon, Item 14, Desprendimento dos Bens Terrenos.)


Queremos um mundo melhor, ansiamos por fazer parte de um mundo de regeneração, mas o que estamos fazendo para isso? O problema real não está no desejo de possuir, pois isso nos empurra para frente. Dessa maneira, estudamos, trabalhamos e inventamos coisas - é a Lei de Progresso. O problema está em não controlarmos nossos impulsos, isto é, deixar que os impulsos nos controlem e ditem nossa vida.


Infelizmente, foi o caso de uma mãe que preferiu arriscar a vida de seu filho ao invés de danificar o carro novo. Nesse caso, o amor ao filho não estava acima de tudo e sim o amor ao seu bem material. Como cita a mensagem em O Evangelho segundo o Espiritismo, “destruís as faculdades de amar levando-as todas para as coisas materiais”.


No livro Vinha de Luz, o espírito Emmanuel, através da psicografia de Francisco Cândido Xavier, nos orienta: “Assumir compromissos na paternidade e na maternidade constitui engrandecimento do espírito, sempre que o homem e a mulher lhes compreendam o caráter divino. Infelizmente, o Planeta ainda apresenta enorme percentagem de criaturas mal-avisadas relativamente a esses sublimes atributos."


Infelizmente, a falta de conhecimento acerca de Deus, da imortalidade da alma e, consequentemente, o egoísmo ainda imperam. Raul Teixeira fala sobre isso, quando abordado sobre o tema A Família Atual:


- Sob que aspecto a família atual está mais descuidada?


Ao que podemos contemplar, a família acha-se, de um modo geral, descuidada nos mais diversificados aspectos da vida, considerando-se o seu papel de “escola das almas”, e a primeira escola por sinal dos que chegam no mundo terreno. Entretanto, as raízes atormentadoras de tanto desajuste familiar, vemos na vivência materialista, sem as noções básicas quanto ao Espírito imortal, a descrença em Deus, embora a maioria professe rituais e cultos variados e vazios de conteúdo mais profundo acerca da vida.(1)


Podemos ver então, que a sociedade sofre com o egoísmo e que ele tem dominado as famílias. Para vencer esse mal, Raul Teixeira nos chama atenção para a importância do estudo e da vivência do evangelho:


É aí que o conhecimento da reencarnação, da lei de causa e efeito, conforme ensina o Espiritismo, pode despertar os pais, os filhos, esposos, para que reflitam acerca das responsabilidades graves que têm, em face das relações familiares, com vistas ao futuro de alegrias e de paz.


Sabendo que possuímos o direito de uso dos bens da Terra, não abusando dos excessos e que existe um objetivo para tal, que é o de nos instigar e nos experimentar (O Livro dos Espíritos, questões 711 e 712), que possamos estudar e consolidar em nossos corações o ensinamento de Jesus: “Amar a Deus acima de todas as coisas e o próximo como a si mesmo.”


Entendendo que, “verdadeiramente, o homem só possui como sua propriedade o que pode levar deste mundo. O que encontra ao chegar e o que deixa ao partir, ele desfruta durante a sua permanência na Terra, mas, visto que é forçado a abandonar tudo isso, ele tem apenas o seu usufruto e não a posse real. Então, o que é que ele possui? Nada do que é para o uso do corpo, e tudo o que é para o uso da alma: a inteligência, os conhecimentos, as qualidades morais...” (O Evangelho Segundo o Espiritismo, Cap. XVI - Não se pode servir a Deus e a Mamon, Item 9 - A verdadeira propriedade.)



Referências:


Livros:


- Vinha de Luz, espírito Emmanuel, psicografia de Francisco Cândido Xavier, Mensagem 135 – Pais;


- O Evangelho Segundo o Espiritismo – Allan Kardec;


- O Livro dos Espíritos – Allan Kardec.


Internet:


(1) http://www.raulteixeira.com.br/noticias.php?not=114>.


* Paula Mendlowicz é carioca e formada em ciências biológicas pela UERJ. É espírita e colaboradora do Espiritismo.net.