Espiritismo .NET

Facebook cria ferramenta para prevenir suicídios


23 de setembro de 2015


Facebook cria ferramenta para prevenir suicídios


Rede social fechou parceria com organizações dos EUA que vão oferecer suporte em casos de risco denunciados por outras pessoas

Por Redação Link

SÃO PAULO – O Facebook anunciou nos Estados Unidos uma nova ferramenta para ajudar a prevenir suicídios. A ideia é permitir que usuários reportem para a rede social quando encontrarem postagens em algum perfil que considerem preocupante e como indício de risco de suicídio.

Para tentar ajudar o usuário denunciado, a rede social vai oferecer suporte por meio de organizações de saúde mental.

A ferramenta funciona da seguinte forma: ao ver conteúdo que considere suicida, outro usuário poderá clicar em uma opção no alto do post e reportar sua preocupação com aquele conteúdo.

Quando o criador do post acessar o Facebook novamente, será direcionado para uma tela na qual será informado que um amigo está preocupado com ele. Em seguida, poderá escolher entre falar com a pessoa preocupada com ele ou falar com uma instituição de apoio. A função será lançada para os usuários nos Estados Unidos ao longo dos próximos meses.

No Brasil, o Facebook já oferece a opção de reportar postagens suicidas. Uma equipe da rede social revisa as denúncias e, se considera que a pessoa precisa de ajuda, sugere o contato com fontes de prevenção de suicídio da região onde o usuário está.

Notícia publicada no Link, em 26 de fevereiro de 2015.


Claudia Cardamone*comenta

Este mês é conhecido como Setembro Amarelo, pois é o mês de combate ao suicídio. É preciso que todos se unam para combater de forma eficaz o suicídio e esta ferramenta do Facebook vem prestar valioso auxílio a esta campanha pela amplitude do alcance desta rede social.

Precisamos lembrar que o suicida é, na maioria das vezes, um ignorante no sentido de desconhecer a realidade do mundo espiritual. Ele precisa compreender que o suicídio é sempre uma transgressão da Lei de Deus. Quando as pessoas compreenderem que o suicídio, ou seja a morte, não é o fim, mas apenas uma mudança de estado e que o problema, a falta ou o desespero permanecem e até aumentam... Neste momento o indivíduo percebe que perdeu a oportunidade de resolver o problema e descobre que terá que retornar para resolvê-lo.

Devemos sempre lembrar o que disseram os Espíritos na resposta da questão 954: "Não há culpabilidade quando não há a intenção."

* Claudia Cardamone nasceu em 31 de outubro de 1969, na cidade de São Paulo/SP. Formada em Psicologia, pelas FMU, e em Pedagogia, pela UNISUL. Reside atualmente em Santa Catarina, onde trabalha como professora. É espírita e trabalhadora do Grupo União e Amor de Formação Espiritual, em Paulo Lopes/SC.