Espiritismo .NET

Após 70 anos de namoro... eles se casaram


26 de maio de 2015


Após 70 anos de namoro... eles se casaram


Tem mulher que reclama que está sendo enrolada pelo namorado ao esperar 5, 7, 9 anos pelo casamento.

Agora imagine esperar por 70 anos...

Foi o que aconteceu com a aposentada Maria Poutrole, de 90 anos.

Mas esta semana a espera acabou. Ela e Damaso Bitencourt, de 103, se casaram no civil nesta segunda-feira, 26.

A união dos idosos foi registrada no cartório de Tatuí e movimentou a cidade do interior de São Paulo.

Moradores e jornalistas foram ao local para registrar o momento histórico.

Seu Davi não deu entrevistas porque está com pouca audição.


Motivo

A aposentada Ana Alice de Almeida Soares, 73, que foi a madrinha do casal, disse que o casamento foi apenas “uma formalidade” para agradar à família, um desejo do filho de dona Maria.

“Ela diz que o sonho do filho dela, de 58 anos, era que ela se casasse para não ser filho de mãe solteira".


Esquecimento

Dona Ana Alice explicou que a demora para acertar a papelada teve um movido peculiar.

“O seu Davi já tinha sido casado e era viúvo, precisava apresentar a primeira certidão de casamento, mas não lembrava onde tinha se casado anteriormente, só sabia que era na região de Curitiba. Demorou dois anos para juntarmos a documentação”, diz a madrinha.


Lua de mel

Nada de viagens, nem noites românticas.

O casal iria festejar a união em num restaurante, mas Maria protestou: “O Davi não consegue comer perto de gente, porque eu tenho que cortar o bife dele”.

O jeito foi voltar pra casa, onde os pombinhos se refugiam do assédio da imprensa.

O casal de idosos ainda não sabe se vai haver casamento na igreja.

Com informações da Folha

Notícia publicada no Portal Só Notícia Boa, em 27 de janeiro de 2015.


Claudia Cardamone* comenta

Os Espíritos nos ensinaram que o casamento é um progresso na marcha da humanidade, mas não devemos nos prender às palavras.

O casamento é um ritual terreno, humano, que pode ter diversas formas.

Os Espíritos se referiam à união entre dois seres, não importando a nomenclatura ou à forma ao qual estes seres se uniram.

No caso desta notícia, o casal vivia de acordo com as leis divinas, a preocupação do filho era apenas com a forma, com a lei dos homens.

Apenas um aspecto do orgulho terreno em não ser conhecido como filho de mãe solteira.

Como o amor era forte e verdadeiro, o casal resolveu vivenciar o ritual do casamento civil, que por si só pouco mudaria as relações neste longo namoro de 70 anos.

* Claudia Cardamone nasceu em 31 de outubro de 1969, na cidade de São Paulo/SP. Formada em Psicologia, pelas FMU, e em Pedagogia, pela UNISUL. Reside atualmente em Santa Catarina, onde trabalha como professora. É espírita e trabalhadora do Grupo União e Amor de Formação Espiritual, em Paulo Lopes/SC.