Espiritismo .NET

O jovem que vive em 'déjà vu' constante


1º de março de 2015



O jovem que vive em 'dejà vu' constante



Emma Ailes
Da BBC News


O caso extraordinário de um britânico de 23 anos que há oito anos tem experimentado episódios de déjà vu com grande frequência tem intrigado médicos e cientistas.

E a suspeita de um grupo de pesquisadores do Reino Unido, França e Canadá é que o problema tenha sido desencadeado por um excesso de ansiedade.

Déjà vu (que significa "já visto" em francês) é a expressão usada para descrever aquela sensação de que você já esteve em determinado lugar ou já fez a mesma coisa antes, ainda que o senso comum lhe garanta que isso não é possível.

Pesquisas indicam que cerca de dois terços das pessoas experimentam essa sensação pelo menos uma vez na vida, mas se sabe muito pouco sobre suas causas.

O jovem britânico com déjà vu crônico chegou a ter de evitar assistir televisão, ouvir rádio ou ler jornais, porque ele sempre sentia que já tinha se deparado com aquelas histórias antes.

Segundo Chris Moulin, neuropsicólogo cognitivo da Universidade de Bourgogne que está envolvido no estudo do caso, o jovem tinha um histórico de depressão e ansiedade e uma vez usou a droga LSD na universidade, mas era completamente saudável.

"Ele ficou completamente traumatizado com essa sensação constante de que sua mente está brincando com ele", diz Moulin.


Túnel do tempo

Segundo o neuropsicólogo, a sensação de que o paciente está revivendo experiências pode durar alguns minutos - às vezes até mais.

"Certa vez ele foi cortar o cabelo e, quando entrou na barbearia, teve um déjà vu. Em seguida, teve um déjà vu do déjà vu. E já não conseguia mais pensar em outra coisa."

O britânico diz ter a sensação de que vive preso em um túnel do tempo. E quanto mais angustiado fica, maior parece ser a frequência de suas crises.

Segundo os pesquisadores, nas tomografias e exames de seu cérebro, tudo sempre pareceu normal, sugerindo que a causa do déjà vu constante provavelmente é mais psicológica que neurológica.

"Esse caso não é suficiente para provar que existe uma ligação entre ansiedade e a sensação de déjà vu, mas ele indica que seria interessante estudar mais a fundo essa relação", diz Moulin.

Ao contrário dos problemas de memória, o déjà vu parece ter maior incidência entre pessoas jovens.

De acordo com uma pesquisa coordenada por Alan Brown, da South Methodist University, em Dallas, as pessoas costumam experimentar a primeira sensação de déjà vu aos seis ou sete anos.

A frequência dessa sensação costuma ser mais alta entre os 15 e 25 anos - e diminui depois dessa idade.


Teorias

Há várias teorias que tentam explicar as causas do déjà vu.

Akira O'Connor, psicólogo da Universidade de St Andrews, por exemplo, acredita que, na maioria dos casos, a sensação está ligada a uma espécie de "falha de ignição" momentânea nos neurônios no cérebro, que criaria conexões falsas.

"O déjà vu pode ser uma espécie de tique do cérebro. Da mesma forma que temos espasmos musculares ou contrações das pálpebras de vez em quando, pode ser que, às vezes, a parte do cérebro responsável pela memória e sensação de familiaridade tenha uma pequena convulsão", diz O'Connor.

Isso ajudaria a explicar por que o que déjà vu é mais frequentemente entre pessoas que têm epilepsia ou algum tipo de demência.

Outra teoria, desenvolvida pela professora Anne Cleary, da Colorado State University, é que a sensação seria causada pela existência de algo genuinamente familiar no entorno de quem a experimenta - como o formato de uma estrutura ou a disposição dos móveis de uma sala.

Para testar sua hipótese, Cleary desenvolveu um jogo de realidade virtual computadorizado chamado "Deja-ville", em que as pessoas navegam por cenários semelhantes.

A natureza fugaz e espontânea do déjà vu faz com que seja muito difícil estudar o fenômeno em laboratório, segundo os pesquisadores.

"Os métodos para se tentar induzir um déjà vu ainda são bastante incipientes", diz O'Connor.

"Nós usamos a hipnose e testes que envolvem listas de palavras. Outro método é chamado de 'estimulação calórica'. Consiste em esguichar água morna nos ouvidos das pessoas."

O´Connor explica que, inicialmente, esse método foi criado para o tratamento de outros problemas, como vertigem, mas os cientistas perceberam que um efeito colateral comum era justamente o déjà vu.

"Acredita-se que isso ocorra porque o canal do ouvido é próximo ao lobo temporal, que pode ser responsável por essa sensação", diz ele.


Incidência

Não se sabe quantas pessoas sofrem de déjà vu crônico, mas Moulin diz já ter encontrado casos semelhantes ao do jovem britânico - inclusive alguns pacientes que insistiam que já o conheciam em função do problema.

"Eles me cumprimentavam como um velho amigo, apesar de nunca terem me visto antes. Alguns falaram comigo por Skype, estavam do outro lado do mundo, mas ainda assim tinham essa sensação", conta ele.

Segundo Christine Wells, da Sheffield Hallam University, desde que a história do jovem foi publicada nos jornais britânicos mais pessoas estão procurando ajuda de especialistas dizendo ter o problema.

"Recebi mensagens de pessoas que vivem na Austrália e nos Estados Unidos. Trata-se de uma condição rara, mas há de fato pessoas que dizem que têm ou tiveram a mesma coisa - ou conhecem alguém com o problema."

Para Wells é necessário estudar mais a fundo esse fenômeno. Mas também há quem defenda que ele não é assunto para a ciência.

"Já recebi cartas de pessoas que acham que o déjà vu é algo espiritual e citam a Bíblia e o Alcorão", diz O'Connor.

"Alguns acreditam que eu não deveria estudar isso. Dizem que 'explicar o arco-íris estraga a sua beleza'. Pessoalmente, sempre gostei de ter um déjà vu - e tentar descobrir o que causa essa sensação apenas torna essa experiência mais bonita."



Notícia publicada na BBC Brasil, em 24 de janeiro de 2015.




Claudio Conti* comenta

O 'déjà vu', a sensação de já ter estado em um lugar ou vivenciado uma situação que estaria acontecendo pela primeira vez, é uma questão muito interessante e pode-se tentar explicar por vários ângulos: médico, místico ou espiritual.

O artigo em análise aborda esta questão sob o ponto de vista médico; sob o ponto de vista do misticismo a abordagem pode ser ampla. Contudo, sob o ponto de vista espiritual, a questão pode encontrar uma explicação nos livros da Codificação Kardequiana, mais precisamente no processo do fenômeno mediúnico.

A melhor definição para "médium", na minha opinião pessoal, foi apresentada ao meio espírita pelo espírito Vianna de Carvalho, no livro Médiuns e Mediunidades, sob a psicografia de Divaldo Franco. O nobre espírito diz que, segundo Gustavo Geley, os médiuns são pessoas "cujos elementos constitutivos são capazes de, momentaneamente, ser descentralizados".

Esta descentralização estaria relacionada com a estrutura do espírito encarnado, englobando três partes principais, a saber: espírito, perispírito e corpo físico. Assim, os processos ditos mediúnicos são decorrentes da dissociação, em algum grau, entre espírito e perispírito do corpo físico. A intensidade do fenômeno estaria relacionada com o grau de dissociação.

Usei o termo "dito mediúnico" pelo fato de que é comum no meio espírita denominar de "mediúnico" fenômenos que são, na verdade, anímicos. "Mediúnico" estaria relacionado com os eventos em que ocorreria a divulgação de algum tipo de informação de um espírito que, pela sua condição ou estado, não poderia se manifestar diretamente no plano físico. Em contrapartida, "anímico" estaria relacionado com os eventos em que o encarnado, por um processo de dissociação, entra em contato com o plano extra-físico.

Portanto, a ocorrência do 'déjà vu' seria decorrente de um processo de dissociação muito superficial e, nestes casos, como consta n'O Livro dos Espíritos, o espírito pode acessar tanto o passado quanto o futuro:

243. E o futuro, os Espíritos o conhecem?

“Ainda isto depende da elevação que tenham conquistado. Muitas vezes, apenas o entreveem, porém nem sempre lhes é permitido revelá-lo...



* Claudio Conti é
graduado em Química, mestre e doutor em Engenharia Nuclear e integra o
quadro de profissionais do Instituto de Radioproteção e Dosimetria -
CNEN. Na área espírita, participa como instrutor em cursos sobre as
obras básicas, mediunidade e correlação entre ciência e Espiritismo, é
conferencista em palestras e seminários, além de ser médium pscógrafo e
psicifônico (principalmente). Detalhes no site 
www.ccconti.com.