Espiritismo .NET

Britânica é presa por fazer sexo com filho de 12 anos

24 de setembro de 2014



Britânica é presa por fazer sexo com filho de 12 anos



A mulher gravou a cena para o namorado que a dizia o que fazer com a criança


Uma mulher foi presa por fazer sexo com seu filho de 12 anos – enquanto, via webcam, seu namorado a dizia o que fazer com o menino. Segundo a criança contou para a polícia da cidade de Bristol, Reino Unido, a mãe (que não teve a identidade revelada para a proteção do filho) usava um fone de ouvido durante o ato, de onde viriam as “orientações” perversas do companheiro. As informações são do Daily Mail.


Um psiquiatra, que avaliou a mulher, disse que ela sofre de transtorno de personalidade, o que a deixa suscetível a relações abusivas e a torna dependente de companheiros agressivos.


Porém, o juiz Michael Longman afirmou que a mãe agiu contra seus instintos e a decência, e que o natural seria ela recusar fazer o vídeo, especialmente porque o companheiro está fora do país. Longman condenou a mãe a 3 anos e 3 meses de prisão após ela ter confessado o crime.


Notícia publicada no Portal Terra, em 6 de agosto de 2014.



Nara de Campos Coelho* comenta


Abnegação, opção para o progresso


Comentar esta notícia é revirar as paisagens nocivas da alma humana, cravando nosso pensamento no primitivismo que ainda norteia muitos de nós, nesta dolorosa e árdua jornada do progresso humano.


Diz-nos a notícia da vez, que na Inglaterra uma mãe mantinha relações sexuais com seu filho de doze anos e comentava os detalhes com o namorado, aceitando-lhe as indicações para o ato.


Incesto é o nome que se dá as relações sexuais entre parentes próximos e consanguíneos, consistindo-se numa prática amoral e libertina, revelando a diferença que existe entre os homens e os animais, já que entre estes, a inexistência de razão faculta atitudes que para os racionais seriam ignóbeis.


Sem querer julgar ninguém, podemos, entretanto, analisar este fato com a bagagem que o Espiritismo nos oferece, sendo capazes de arrebanhar recursos de entendimento da vida e das suas consequências das opções que tomamos.


Em “Lições de Sabedoria”, Chico Xavier nos diz: “Sendo o sexo uma força criativa eu diria que quem não tem problemas de sexo está doente. (...) Não somos anjos e, se o fôssemos, nosso lugar não seria aqui. Saibamos, porém, que anjos não são ingênuos. Eles passaram por tudo. Frequentemente, os Espíritos Orientadores nos esclarecem que devemos evitar a promiscuidade, isso é importante”.


No capítulo “Das Paixões”, de “O Livro dos Espíritos”, estes nos esclarecem que as paixões se tornam perniciosas no momento em que deixamos de governá-las e quando resultam num prejuízo qualquer para nós ou para outro. E continua, mais adiante, dizendo: “Toda paixão que aproxima o homem da natureza animal, afasta-o da espiritual. (...) Todo sentimento que eleva o homem acima da natureza animal, anuncia o predomínio do Espírito sobre a matéria e o aproxima da perfeição.”


Assim, cometer incesto, ainda mais com o filho menor de idade, revela o baixo nível moral da mãe, que se compromete mais uma vez com a Lei de Causa e Efeito. Dizemos “mais uma vez” porque cumpre a mãe, não só o dever de manter vivo o seu filho, tanto materialmente falando, como espiritual, moral e psicologicamente. Cabe-lhe manter seu filho equilibrado e saudável, para que seja um adulto digno, honrado e capaz de exercer seu papel de cidadão e homem de bem. Além do que, sabemos que, segundo as Leis de Causa e Efeito e de Afinidade, os Espíritos se atraem para continuar a jornada evolutiva. Mudam de personagem dentro do mesmo círculo familiar, continuando seu processo evolutivo. Os sentimentos permanecem os mesmos em relação aos Espíritos que se unem novamente. Assim, o filho de hoje pode ter sido o amor de ontem; e a mãe, a esposa que o abandonou, por exemplo, criando uma atmosfera psíquica de amor e desconfiança, que propicia as atrações infelizes que só a responsabilidade com as leis divinas pode refrear. O ódio também atrai. No caso da notícia em questão, a falta de amor maternal parece imperar, tanto que a mãe nem se preocupa por dar um caráter grotesco ao caso, seguindo as orientações do namorado. Caso típico de atuação conjunta entre Espíritos encarnados e desencarnados; todos num mesmo círculo vicioso de degradação moral.


Kardec pergunta aos Espíritos Superiores, em “O Livro dos Espíritos”: “Qual o meio mais eficaz de se combater a predominância de natureza corpórea?” Numa resposta curta, recebemos uma orientação segura: “Abnegar-se”.


Assim, ante quadros tão terríveis, que ainda sobram na nossa contemporaneidade, assumamos as rédeas de nossa visão de Espíritos encarnados, abnegando-nos no bem, para com outrem e para conosco mesmo, certos de que a caminhada é longa e difícil, mas temos os ensinos de Jesus, que o Espiritismo trouxe de volta, como segurança de fazer valer o Espírito sobre a matéria para que sejamos felizes e tenhamos paz! “Abnegar-se” é negar-se a si mesmo, fazendo valer a proposta do Cristo para seguir-lhe os ensinos e, enfim, realizar este que é o objetivo superior da vida na Terra: a evolução integral.


* Nara de Campos Coelho, mineira de Juiz de Fora, formada em Direito pela Faculdade de Direito da UFJF, é expositora espírita nos Estados de Minas Gerais e Rio de Janeiro, articulista em vários jornais, revistas e sites de diversas regiões do país.