Espiritismo .NET

Linguagens de computador são o idioma do futuro

2 de julho de 2014



Linguagens de computador são o idioma do futuro



Saber a linguagem de códigos de computador é para muitos jovens igual ao inglês: o segundo idioma que faz a diferença na vida


Helena Borges


Sem que mesmo os pais mais atentos percebam, os jovens estão usando um novo idioma para se comunicar intensamente — com os computadores. Teclar, dar um clique no mouse, mover o cursor na tela sensível ao toque são maneiras de interagir com os computadores. Comunicar-se com eles é outra coisa. Isso exige o domínio de linguagens de programação. Para o resto de nós as frases nesses idiomas são apenas impenetráveis conjuntos de sinais matemáticos e de palavras em inglês. Combinando habilmente essas letras, números e símbolos, o programador dita passo a passo ordens complexas às camadas profundas das unidades de processamento dos computadores. Não confundir com os comandos de abrir ou fechar programas, copiar ou apagar textos, clarear fotos, receber ou enviar mensagens. Essas interações, que de tão simples parecem indistintas da mágica, só são possíveis porque, antes, os programadores ensinaram ao computador a “receita” que ele deve executar quando recebe um determinado comando.


RUMO AO MUNDIAL - O paulistano Mateus Bezrutchka, 17 anos, vive a expectativa de fazer sua primeira viagem ao exterior — e justo para o outro lado do mundo. Em julho, vai representar o Brasil na Olimpíada Internacional de Informática, em Taiwan, onde medirá forças com prodígios da programação de outros noventa países. Para estar em plena forma, fez um curso intensivo na Unicamp e passa pelo menos duas horas por dia se exercitando em casa. “Achava as aulas de matemática fáceis demais, por isso fui buscar desafios maiores fora da escola. Aí encontrei a minha turma”, diz.


Matéria publicada na Revista Veja, em 19 de abril de 2014.



Breno Henrique de Sousa* comenta


Os tempos são chegados


Há não muito tempo, no espaço de menos de uma geração, era indispensável um curso de datilografia para garantir sua vaga no mercado de trabalho. Hoje me encontro com 37 anos, e quando me lembro da minha infância e comparo a vida daquela época com o presente, me parece um futuro muito distante, isso devido ao vertiginoso avanço tecnológico. Quando lembro que vi nascer o vídeo game, os telefones celulares, os CDs substituindo os discos de Vinil, os microcomputadores, a Internet, isso faz parecer que já estou muito velho, mas na verdade é que esses avanços tecnológicos vieram em um curto período de tempo.


O conhecimento humano se acumula exponencialmente, e a cada dia as descobertas chegam mais rapidamente e em maior quantidade. Além disso, essas descobertas tornam-se produtos acessíveis aos consumidores em um período não menos curto de tempo pela existência de uma portentosa indústria tecnológica. Um exemplo disso é como os aparelhos celulares se tornaram mais modernos e baratos. Antigamente, uma descoberta tecnológica levava muito tempo para se tornar um produto acessível ao consumidor comum. Essas mudanças têm provocado um extraordinário impacto cultural que ainda estamos tentando entender a profundidade de suas consequências. E agora garotos tornam-se verdadeiros gênios da programação realizando façanhas inimagináveis.


Acredito que em nenhum outro período da humanidade aconteceram mudanças tão rápidas e impactantes. O fenômeno da globalização e da Internet veio de maneira mais agressiva do que a popularização do livro com a invenção da prensa de tipos móveis de Gutenberg. A Internet uniu-se à prensa, à pólvora e à bússola como um dos maiores inventos da humanidade.


Todas essas mudanças fazem parte de um plano da divindade. O progresso material e do conhecimento humano abre caminho para o progresso moral. A humanidade que desenvolve as suas capacidades intelectuais, mais tarde poderá compreender as coisas morais. Este momento de intensas transformações é uma das evidências de que estamos no limiar de uma nova era que o Espiritismo enxerga com otimismo. Saímos de um mundo de provas e expiações para um mundo de regeneração, e ainda que essa transição não seja instantânea, ela se intensificará até que seja consolidada.


Já estão reencarnando no planeta os artífices dessa nova era. Muitos desses garotos que precocemente dominam as novas tecnologias vieram munidos dos recursos intelectuais necessários, ainda que moralmente estejam dentro da média evolutiva do planeta. Em breve também veremos o surgimento de espíritos intelectual e moralmente mais adiantados, que firmarão os pilares de uma nova sociedade alicerçada nos ideais do amor, justiça e igualdade.


* Breno Henrique de Sousa é paraibano de João Pessoa, graduado em Ciências Agrárias e mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente pela Universidade Federal da Paraíba. Ambientalista e militante do movimento espírita paraibano há mais de 10 anos, sendo articulista e expositor.