Espiritismo .NET

Pais do lar

6 de maio de 2013



Pais do lar



Aos poucos, os parques infantis, as reuniões escolares e os consultórios pediátricos conhecem um novo frequentador: o homem que fica em casa para criar os filhos


Rachel Costa


Todo dia ele faz tudo igual: prepara o café da manhã, leva e busca na escola a filha Alice, 3 anos, dá banho na menina e, enquanto a mulher, Lúcia Farias, 32 anos, está no trabalho, prepara o jantar. Pilotar fogão, trocar fralda, contar história para a filha dormir, nada disso parece estranho ou incômodo ao fotógrafo gaúcho Ricardo Toscani, 32 anos, que cumpre sem fazer cara feia todas essas atividades, que no passado eram delegadas à mãe. “Não existe barato melhor que buscar seu filho depois da aula”, diz. Na casa dele e da mulher é assim: papai fica em casa enquanto mamãe vai trabalhar. “Quando ele falou: ‘depois dos quatro meses de licença maternidade, eu assumo’, eu fiquei mais tranquila e topei a gravidez”, conta Lúcia, que não pensava em ser mãe.


Configurações como essa ainda são pouco comuns no Brasil e causam certo estranhamento. Expressões como “mas homem não sabe trocar fralda” ou questionamentos como “seu marido não vai trabalhar nunca mais?” não raro são ouvidos pelas famílias onde existe “dono” de casa. Mas não se engane: esses homens são apenas os primeiros de um novo modelo de pai que está em gestação, resultado direto da busca por igualdade entre os sexos. E se aqui ainda são raros, o mesmo não ocorre em outras partes do mundo. Na Suécia, por exemplo, ficar em casa é um direito adquirido pelo pai, que pode dividir, do modo como quiser, os 480 dias de licença dados ao casal – desde que no mínimo 60 dias sejam para o homem.


“Para o meu avô, o mais importante era ganhar dinheiro para sustentar a família”, disse à ISTOÉ o jornalista americano Jeremy Smith, que trocou o emprego pelo filho Liko quando ele tinha um ano de vida. “Dos pais do século XXI, é esperado que eles ajudem com as tarefas domésticas e no cuidado emocional e psicológico dos filhos, não ficando mais só por conta de sustentar financeiramente a casa”, diz. A escolha de Smith lhe rendeu momentos inesquecíveis. “Estava com ele quando aprendeu a andar”, conta o pai, que transformou a experiência no livro “A Jornada do Papai” (tradução livre, Beacon Press, 2009) e no blog Dialética do Papai (daddy-dialectic.blogspot.com). Escolado na arte de cuidar do rebento, Smith garante que, embora não sejam muitos os homens como ele, nunca se sentiu solitário nos Estados Unidos. “É comum encontrar outros pais com seus filhos pelos parquinhos aqui na cidade de São Francisco. Somos uma minoria, mas estamos aí”, declara.


Mesma constatação é feita nas clínicas pediátricas. “Cada vez mais vejo homens sozinhos com a criança no meu consultório”, diz o pediatra Marcelo Reibscheid, do Hospital São Luiz, em São Paulo, que garante que os pais são tão bons cuidadores quanto as mães. Defensores dos pais do lar também têm se proliferado entre os cientistas. Um deles, o psiquiatra americano Kyle Pruett, da Universidade de Yale, defende que a tendência masculina de desenvolver brincadeiras físicas com as crianças ajuda em muito no desenvolvimento e a presença paterna na infância forma adolescentes mais seguros sobre sua sexualidade.


Basta, portanto, encarar o desafio de peito aberto para o papai descobrir que é um grande mito aquele papo de que homem não “leva jeito” com criança. “Claro que tem umas coisas que dão muito desespero”, admite o jornalista paulista Ricardo Brandt, 36 anos, pai das bebês gêmeas Beatriz e Helena. Ele não se esquece das primeiras cólicas das filhas e das crises de choro noturnas sem nenhuma razão aparente. “Cansa a gente muito, mas não existe coisa mais gratificante que ver o sorriso delas”, diz o pai, autor do blog O Papai, as Gêmeas e a Mamãe. Quando a mulher, Taís, engravidou, Brandt resolveu entrar de cabeça na experiência paterna. “Voltei para o interior e tirei um ano sabático para ficar com as meninas”, conta ele, que largou o emprego em São Paulo e foi para Araras, interior do Estado. Ter de inventar uma solução para ficar com os filhos, como fizeram Brandt e Toscani, é comum no Brasil, uma vez que a licença-paternidade prevista em lei é de apenas cinco dias. “Ainda estamos bem atrasados, vai demorar para a Constituição absorver essa mudança que já está acontecendo na sociedade”, considera o assessor legislativo da Sociedade Brasileira de Pediatria, Dioclécio Campos Júnior. Mas, tudo indica, é uma questão de tempo.


Matéria publicada na Revista ISTOÉ, em 10 de agosto de 2012.



Humberto Souza de Arruda* comenta


É muito bom vermos com mais frequência estes relatos sobre os “pais do lar”. Mas chamamos a atenção também aos professores masculinos das salas de Jardim, aos professores de culinária, aos costureiros e a tantos outros que exercem atividades que há algum tempo eram confortavelmente dedicadas ao sexo feminino.


E também não poderíamos deixar de chamar a atenção às mulheres que estão desempenhando funções como líderes em empresas, capitães militares, juízas de futebol, trabalhadoras da construção, motoristas de ônibus e tantas outras que estavam mais dedicadas aos homens.


Seria então uma simples inversão de papéis, considerando o modelo convencional das atividades relacionadas ao sexo? Ou seria uma conquista da igualdade para ambos os sexos?


Segundo a Pluralidade das Existências, vemos que a melhor resposta seria que o Espírito tem a necessidade de reencarnar em sexo diferente para adquirir conhecimentos da vivência como homem e como mulher.


Com funções distintas, como nos elucida O Livro dos Espíritos, na questão 822, "o homem tem a função de cuidar do exterior e a mulher do interior, de acordo com a sua aptidão". E, como dito, pela reencarnação é que desfrutamos melhor destas duas experiências. Observem o que os Espíritos Superiores respondem nas seguintes questões de O Livro dos Espíritos:


201 - “Em nossa existência, pode o Espírito que animou o corpo de um homem animar o de uma mulher e vice-versa?”


“Decerto; são os mesmos os Espíritos que animam os homens e as mulheres.”


202 - “Quando errante, que prefere o Espírito; encarnar no corpo de um homem, ou no de uma mulher?”


“Isso pouco lhe importa. O que o guia na escolha são as provas por que haja de passar.”


“Os Espíritos encarnam como homens ou como mulheres, porque não têm sexo. Visto que lhes cumpre progredir em tudo, cada sexo, como cada posição social, lhes proporciona provações e deveres especiais e, com isso, ensejo de ganharem experiência. Aquele que só como homem encarnasse só saberia o que sabem os homens”. (Comentário de Kardec.)


Com estes conceitos de Reencarnação e Causa e Efeito, fica mais simples ver que a atividade que os “pais do lar” estão conseguindo desempenhar tem colaboração das suas mulheres, assim como estas mulheres tiveram colaboração dos homens para terem sido “mães do lar”. O apoio mútuo no casal é um grande facilitador da convivência e educação da família.


“Uni-vos, pois, não apenas pelo amor, mas para o bem que podeis fazer a dois”. (Revista Espírita, dezembro de 1858. Ditado pelo Espírito Bemard Palissy.)


Percebe-se que não é o bem que se faz aos dois, mas sim o bem que fazem juntos a um terceiro. Sejam filhos, amigos ou próximo necessitado.


Assim, parabenizamos aos pais citados na matéria por já “estarem” pais do lar.


* Humberto Souza de Arruda é evangelizador, voluntário em Serviço de Promoção Social Espírita (SAPSE) e colaborador do Espiritismo.net.