Espiritismo .NET

Ex-morador de rua de 13 anos ganha prêmio internacional da paz

25 de novembro de 2012



Ex-morador de rua de 13 anos ganha prêmio internacional da paz



Garoto que viveu em lixão fundou organização que já ajudou mais de 10 mil crianças nas Filipinas


REDAÇÃO ÉPOCA


Cris “Kesz” Valdez, de 13 anos, ganhou nesta quarta-feira (19), o Prêmio Internacional da Criança pela Paz 2012, em Haia, na Holanda. O garoto, que é ex-morador de rua, foi premiado por seus esforços para melhorar a vida de crianças na mesma condição. Em seu país, nas Filipinas, 246 mil meninos e meninas vivem nas ruas, sujeitos a abusos, violência e ao trabalho infantil.


Kesz sofria violência em casa e foi forçado a trabalhar em um lixão desde pequeno. Aos cinco anos, sofreu queimaduras no braço e nas costas, o que o obrigou a fugir e procurar ajuda, segundo informações dos organizadores do prêmio.


Ele foi acolhido por um grupo cristão e, aos sete anos, começou a ajudar as crianças da comunidade. Toda semana, ele e amigos vão a locais carentes para falar com meninos e meninas sobre higiene, alimentação e direitos das crianças. A ação também é multiplicadora: Kesz ensina a transmitir os conhecimentos a outros. Mais de 10 mil crianças já foram atendidas pela organização fundada por ele, chamada Championing Community Children (Defendendo as Crianças da Comunidade).


O prêmio foi entregue a Kesz pelo vencedor do Nobel da Paz Desmond Tutu, arcebispo da África do Sul. O garoto ganhou 100 mil euros. Durante a cerimônia, ele mandou uma mensagem às crianças do mundo: “nossa saúde é a nossa riqueza! Ser saudável permitirá a vocês brincar, pensar claramente, se levantar e ir para a escola e amar as pessoas ao seu redor, de muitas formas. Para todos no mundo, lembrem-se que a cada dia, 6.000 crianças morrem de doenças relacionadas à falta de saneamento, falta de higiene, e nós podemos fazer algo sobre isso!”


Entre os finalistas do prêmio, feito pela organização Kids Rights (Direitos das Crianças), estavam uma garota de 15 anos de Gana e outra, de 16, da Índia. Mais de 90 crianças que lideram ações sociais pelo mundo disputaram a indicação.


AC


Notícia publicada na Revista Época, em 19 de setembro de 2012.



Cristiano Carvalho Assis* comenta


Quando lemos qualquer reportagem relacionada com crianças se destacando no cenário mundial, lembramos imediatamente do conhecimento oferecido pelos Espíritos acerca da reencarnação de seres mais evoluídos para nos auxiliar neste período de transição por que passamos.


Um bom exemplo disso mesmo é o livro "Transição Planetária", de Divaldo Franco, que revela que os novos espíritos a reencarnarão neste planeta virão de existências em outros orbes planetários: "É certo que outras caravanas já vinham visitando a Terra com o mesmo objetivo, desde os anos da década de 1970/80, tomando as providências compatíveis para as reencarnações valiosas. Agora, no entanto, soava o momento de intensificar o intercâmbio entre os terrícolas e os visitantes de Alcíone, que já se movimentavam em torno da psicosfera do planeta, aguardando o momento adequado. Tomei conhecimento de que um grande número deles encontrava-se em Colônias próximas da Terra, assimilando o psiquismo do orbe, assim como dos seus habitantes, visitando sociedades espíritas que mantêm ligação com as Esferas superiores, onde alguns se comunicavam, explicando a razão de ali se encontrarem."


E ainda de Espíritos Evoluídos que fizeram parte da história da humanidade: "O início da Era Nova programada por Jesus para o planeta amado, previa também o retorno de filósofos e sábios do passado, de alguns dos profetas antigos, de diversos criadores de religiões, dos pré-socráticos, dos nobres Espíritos do século IV A.C., como aqueles que antecederam ao nascimento do Messias e renasceram em Roma, preparando-Lhe o advento... De igual maneira, os iluminados pensadores da Escola neoplatônica de Alexandria, culminando, nos séculos III e IV, com os mártires, com os abnegados e os santos medievais, com os gloriosos lutadores da Renascença, da Reforma, da Contrarreforma, com os audaciosos construtores dos séculos XVII, XVIII e XIX..."


Todos esses Bons Espíritos mostrarão suas perfeições desde cedo como o garoto Cris “Kesz” Valdez. Sem dúvida, não podemos ter certeza que ele faça parte desta leva de Espíritos. Mas pelas suas atitudes no bem tão precoces, podemos acreditar que adquiriu as bases de seu grau evolutivo em vidas anteriores. A exemplo deste menino, não nos enganemos: por serem Espíritos desenvolvidos no bem, as suas vidas não serão fáceis. Pelo contrário, no mesmo livro vemos o aviso dos mentores aos nossos visitantes: "Estais acostumados com a harmonia no mundo em que habitais, onde não mais existem o sofrimento nem o desespero, o crime nem a hediondez. Ireis enfrentar refregas difíceis no trato com a violência e a revolta, remanescentes do primarismo que ainda vige em incontáveis criaturas do nosso planeta. Sereis convidados a demonstrar fraternidade, quando irromperem conflitos e dissidências; enfrentareis a mal disfarçada animosidade entre aqueles com os quais convivereis; devereis suportar o aflitivo peso da insatisfação constante daqueles que farão parte do vosso clã e dos vossos programas de atividades; lutareis com os instrumentos da amizade contra o ódio contumaz e ferrenho; tereis que entender os agressores, que nunca procuram compreender o outro e sempre se acreditam com a razão; sofrereis a calúnia e a perfídia, a competição doentia e a ingratidão daqueles em quem depositareis confiança e generosidade; distorcerão vossas palavras e vos ameaçarão com as mais covardes maneiras de comportamento; experimentareis o opróbrio e a humilhação..." Todos eles farão como Chris de 13 anos, mostrarão com a sua força moral, a capacidade de passar pelas dificuldades. Funcionarão como exemplos de condutas para todos nós que ainda lutamos para desenvolver intimamente a coragem, a fé e a esperança nos desafios da vida. Serão mais fortes do que o ambiente, proporcionando a transformação da comunidade que vivem pela sua força espiritual.


Vale a pena destacar uma frase na reportagem: “Ele foi acolhido por um grupo cristão e, aos sete anos, começou a ajudar as crianças da comunidade”. Mostrando assim que este deve ser nosso papel de pais ou educadores para essas crianças que estão reencarnando: proporcionar um ambiente  mais equilibrado e espiritualizado, para  melhor auxiliá-los e desenvolvê-los em suas missões. Em função disso, que não é por acaso que vemos a Espiritualidade Maior estimular tão intensamente a FEB e as Casas Espíritas de todo país a investirem no melhoramento e desenvolvimento da Evangelização Infanto-Juvenil.


Sigamos o exemplo deste e de outros tantos garotos e garotas que se destacam em todos os ramos do conhecimento e tentemos fazer a diferença no ambiente em que vivemos. Desejemos como São Francisco: "Senhor, fazei-me instrumento de vossa paz", onde quer que estejamos e por mais difícil que seja.


* Cristiano Carvalho Assis é formado em Odontologia. Nasceu em Brasília/DF e reside atualmente em São Luís/MA. Na área espírita, é trabalhador do Centro Espírita Maranhense e colaborador do Serviço de Atendimento Fraterno do Espiritismo.net.