Espiritismo .NET

Polícia busca britânico que vive há 4 anos isolado em floresta

14 de julho de 2012



Polícia busca britânico que vive há 4 anos isolado em floresta



A polícia da região de Dyfed-Powys, no País de Gales (Grã-Bretanha), está em busca de um homem de 37 anos que passou os últimos quatro vivendo isolado em uma floresta local, provavelmente alimentando-se sobretudo de coelhos, plantas e frutas silvestres.


Em anúncio feito na terça-feira, as autoridades pediram aos cidadãos que deem eventuais pistas sobre o paradeiro de Wayne John Morgan, porque "sua família está preocupada com seu bem-estar".


"Conhecido localmente como ‘lobisomem’, ele adotou um estilo de vida considerado alternativo na região da (vila de) Pantyffynnon (no oeste da Grã-Bretanha). Ele não foi visto por seus familiares nos últimos quatro anos, mas, agora, há preocupações quanto ao seu estado", diz o comunicado policial.



‘Habilidades’


Acredita-se que Morgan tenha sobrevivido na floresta graças a extraordinárias "habilidades manuais de sobrevivência" para resistir ao forte inverno, segundo o jornal The Daily Telegraph.


Morgan não está registrado como recipiente de nenhum benefício estatal.


"É possível que ele esteja com fome e em busca de comida", prossegue o comunicado da polícia. "Se você (cidadão local) suspeita da ausência de mantimentos de suas lojas, ou se suas plantas e garagens tiverem sido remexidas, por favor entre em contato conosco."


Também de acordo com o Telegraph, as autoridades estão buscando Morgan com a ajuda de um helicóptero e de cães farejadores.


Notícia publicada na BBC Brasil, em 9 de fevereiro de 2012.



Marcia Leal Jek* comenta


O que leva as pessoas a se isolarem? A solidão é considerada um dos flagelos da humanidade que, na maioria das vezes, não sabemos definir o que seja. Alguns acreditam que a solidão é a ausência de companhia ou de pessoas em nossa volta, outros julgam que é estar longe da civilização. Porém, encontramos pessoas que mesmo convivendo com pessoas à sua volta, sejam amigos ou familiares, sentem-se solitárias. Isso porque a solidão nada mais é do que a insatisfação da pessoa com a vida e consigo mesma, independentemente de estar ou não só.


Outro motivo que nos incita ao isolamento é não nos julgarmos enquadrados nos padrões exigidos pelo mundo, pela sociedade à nossa volta, sejam estes padrões sociais, financeiros, intelectuais ou estéticos. É difícil saber o que fez Morgan buscar o isolamento e se afastar dos amigos e até mesmo da família. A nossa base é a família, lugar onde temos, muitas vezes, as nossas maiores batalhas e os maiores desafios. É na família que começamos a exercitar os caminhos da reforma íntima; é aperfeiçoando a nós mesmos que conseguiremos, com nosso exemplo, melhorar o outro; é trabalhando em favor do próximo que poderemos corrigir a nossa casa, a nossa família, pois próximo é aquele irmão extremamente necessitado que temos debaixo do mesmo teto e que, por vezes, pensamos não ter mais solução.


A Doutrina Espírita nos esclarece que Deus fez o homem para viver em sociedade. Conviver em sociedade possibilita às pessoas concorrerem para o seu próprio progresso e para o progresso mútuo (veja “O Livro dos Espíritos”, de Allan Kardec, questões 766 a 768). Não vamos nos isolar, vamos permanecer juntos cultivando as coisas boas da vida.


* Marcia Leal Jek estuda o Espiritismo há mais de 25 anos e é trabalhadora do Centro Espírita Francisco de Assis, em Jacaraipe, Serra, ES.