Espiritismo .NET

Dilema Moral: Você mataria 1 pessoa para salvar 5?

5 de fevereiro de 2012



Dilema Moral: Você mataria 1 pessoa para salvar 5?



Redação do Diário da Saúde



Salomão


Imagine que um trem esteja se dirigindo para uma passagem estreita onde estão cinco pessoas que não têm como sair do seu caminho.


Agora imagine que só você tem a possibilidade de redirecionar o trem para uma outra passagem, onde só há uma pessoa que não conseguirá escapar.


Você acionaria a alavanca para mudar o trem de rota?



Dilemas morais virtuais


Dilemas morais como esse têm desafiado os filósofos há milênios.


Mas os pesquisadores da Universidade de Michigan (EUA) acharam melhor esquecer de todo a teoria e criar um ambiente que reproduzisse a situação com o máximo possível de realismo.


Eles criaram um ambiente virtual com todas as imagens, sons e consequências das ações, incluindo os gritos daqueles cujos destinos seriam traçados pelo participante.


O ambiente controlado também permitiu que os cientistas monitorassem o estado emocional dos voluntários que tomavam a decisão.



Bem maior ou mal menor


"O que nós descobrimos é que a regra ‘Não Matarás’ pode ser suplantada por considerações do tipo ‘um bem maior’," diz o Dr. Carlos David Navarrete, coordenador do experimento.


E os resultados não deixaram margens para dúvidas: 90% dos voluntários acionaram a chave para mudar o trem de rota, decidindo quem deveria morrer.


Para os pesquisadores, isto mostra que as pessoas violam uma regra moral se esta violação representar a escolha entre um mal maior e um mal menor - os filósofos nunca chegaram a nada parecido com o consenso apresentado pelos voluntários.



Congelado


O estudo também revelou que os participantes que não acionaram a chave, deixando que o trem matasse as cinco pessoas - virtualmente - tiveram emoções mais intensas.


As razões para isso são desconhecidas, embora possa ser porque as pessoas congelam durante momentos de muita ansiedade - semelhante a um soldado que não dispara sua arma em batalha, afirmou Navarrete.


Matéria publicada no Diário da Saúde, em 7 de dezembro de 2011.



Jorge Hessen* comenta


Numa curiosa pesquisa realizada pela Universidade de Michigan (EUA), foi empregado um ambiente virtual com todas as imagens, sons e consequências das ações dos voluntários, incluindo os gritos de desespero daqueles seres virtuais cujos destinos (mortes) seriam traçados pelos voluntários. O ambiente cibernético apresenta-se com um trem se dirigindo para uma passagem estreita onde estão cinco pessoas que não têm como sair do seu caminho. Só os participantes têm a possibilidade de redirecionar o trem para outra passagem, onde só há uma pessoa que não conseguirá escapar. Acionaríamos ou não a alavanca para mudar o trem de rota?


Considerando essa experiência fatalística, construamos o seguinte cenário: estamos conduzindo um automóvel e nos defrontamos com situação bem real de atropelarmos um grupo de crianças, entretanto em frações de segundos podemos desviar o trajeto do veículo e entrechocar-nos com apenas uma criança. Será que optaríamos por desviar o veículo rumo a única criança para preservar a vida do grupo? Sabemos ser uma situação embaraçosa, porquanto estamos diante de duas soluções extremas, ambas trágicas, o que redundará terrível perplexidade para uma opção. Eis aí um dilema penoso perante o mandamento “não matarás”. Sabemos que é muito delicado e improvável tal episódio, mas se verdadeiro, como resolver? Não desviar do grupo de crianças para preservar apenas uma vida? Será que violaríamos uma regra moral considerando a escolha entre “um mal maior e um mal menor?” E se a única criança fosse nosso filho?


Podemos, por nossa vontade, intenções e por nossos atos, fazer que não ocorram eventos que deveriam verificar-se, se essa aparente mudança tiver cabimento na sequência da vida que escolhemos. “Para fazer o bem, como nos cumpre – pois que isso constitui o objetivo único da vida – é-nos facultado impedir o mal, sobretudo aquele que possa concorrer para a produção de um mal maior.”(1)


Carlos David Navarrete, coordenador do experimento de Michigan, descobriu que o mandamento divino “não matarás” foi esmagado literalmente, pelos participantes, pois 90% dos voluntários acionaram várias vezes a chave para mudar o trem de rota, decidindo quem deveria morrer, tendo como justificativas o jargão: “um mal menor” é “melhor” do que “um mal maior”(!...)(2) Cremos que estamos diante de situação funesta e fatalística, mas, será que existe fatalidade nos acontecimentos da vida? Os fatos de nossa existência estariam, assim, irremediavelmente traçados?


A fatalidade, como comumente é percebida, supõe deliberação precedente e irrevogável de todos os episódios da vida, qualquer que seja a gravidade deles. Mas, se tal fosse a ordem das coisas, seríamos quais fantoches destituídos de anseios. De que nos serviria a inteligência, desde que houvéssemos inexoravelmente de estar dominados, em todos os nossos atos, pela força do destino?


A Doutrina Espírita elucida que “semelhante doutrina, se verdadeira, conteria a destruição de toda liberdade moral; já não haveria para o homem responsabilidade, nem, por conseguinte, bem nem mal, crimes ou virtudes.”(3) No entanto, a fatalidade não é uma palavra sem sentido. Existe na disposição que ocupamos na Terra e nas funções que aqui cumprimos, em decorrência do modo de vida que escolhemos como prova, expiação ou missão.


Padecemos inevitavelmente todas as atribulações dessa existência e todas as tendências boas ou más, que nos são intrínsecas. Aí, porém, finaliza a fatalidade, pois da nossa vontade depende ceder ou não a essas tendências. As particularidades dos acontecimentos, essas ficam subordinadas às circunstâncias que criamos pelos nossos atos, sendo que nessas ocorrências podemos ser influenciados pelos pensamentos que os espíritos sugerem. Há fatalidade, por conseguinte, nos episódios que se apresentam, por serem estes consequência da escolha que fazemos. Pode deixar de haver fatalidade no resultado de tais acontecimentos, visto ser-nos possível, pela nossa prudência, modificar-lhes o curso.


“Quanto aos atos da vida moral, esses emanam sempre do próprio homem que, por conseguinte, tem sempre a liberdade de escolher. No tocante, pois, a esses atos, nunca há fatalidade.”(4)



Referências bibliográficas:


(1) Kardec, Allan. O Livro dos Espíritos, Rio de Janeiro: Ed. FEB 2001, síntese das questões 851, 860, 861, 866 e 872;


(2) Disponível em http://www.diariodasaude.com.br/news.php?article=dilema-moral&id=7205&nl=nlds>, acessado em 15/01/2012;


(3) Kardec, Allan. O Livro dos Espíritos, Rio de Janeiro: Ed. FEB 2001, síntese das questões 851, 860, 861, 866 e 872;


(4) Idem, síntese das questões 851, 860, 861, 866 e 872.


* Jorge Hessen é natural do Rio de Janeiro, nascido em 18/08/1951. Servidor público federal lotado no INMETRO. Licenciado em Estudos Sociais e Bacharel em História. Escritor (dois livros publicados), Jornalista e Articulista com vários artigos publicados.