Espiritismo .NET

Alunos desmaiam em escola no Vietnã por ‘fantasmas’ no banheiro

Alunos desmaiam em escola no Vietnã por ‘fantasmas’ no banheiro



Em um dos casos, 12 estudantes perderam a consciência ao mesmo tempo. Fantasmas teriam sido vistos no banheiro do dormitório dos alunos internos.


Do G1, em São Paulo


Alunos de uma escola na província de Phu Yen, no Vietnã, desmaiaram após terem visto supostos fantasmas no banheiro do dormitório, segundo o jornal "Tuoi Tre".


O diretor da escola, Phan Van Tho, confirmou que um grande número de alunos internos desmaiou ou gritou à noite no mês passado de causas desconhecidas.


De acordo com o periódico, em um dos incidentes 12 estudantes chegaram a perder a consciência ao mesmo tempo.


A situação tem causado um clima de medo entre os alunos, e muitos têm medo de entrar no dormitório.


Notícia publicada no Portal G1, em 5 de dezembro de 2011.



Marcia Leal Jek* comenta


Existem sociedades e grupos de investigação psíquica, em quase todos os países, analisando casos parecidos. Sabemos que tais fenômenos no nosso país estão desacreditados ou caem nas superstições populares por não conhecerem a Doutrina Espírita. A maioria dos cientistas acredita que o fenômeno dos fantasmas não passa de uma visão psicológica inconsciente, que pode acontecer sem sequer estarmos a pensar nisso, o que é raro, sendo mais frequente estarmos com um medo incontrolável quando tal ocorre, como o ocorrido aos alunos do Vietnã.


Em tais situações, inconscientemente, criamos uma tensão psicológica tão forte que nos assustamos. Se um aluno achou que viu algo em algum lugar, todos teriam a mesma suspeita de ver, e a expectativa acaba se tornando uma materialização mental. Todo o pensamento criado sempre chega a seu destino ou a quem foi destinado, podendo se materializar ou não.


Mas, existem realmente fantasmas? Quem são eles? O que procuram? Até onde o sobrenatural nos causa terror? “Fantasma, na crença popular, é a alma ou espírito de uma pessoa ou animal falecido que pode aparecer para os vivos de maneira visível ou através de outras formas de manifestação.” http://pt.wikipedia.org/wiki/Fantasma.


O que a Doutrina Espírita nos diz a respeito? A Doutrina Espírita afirma que qualquer tipo de espírito, dos mais elevados aos mais grosseiros, pode fazer-se visível ou presente através de ruídos, vozes ou movimentação de objetos. O “medo de fantasma” é uma atitude irracional gerado pelo desconhecimento sobre a natureza dos espíritos. Consta em O Livro dos Médiuns, de Allan Kardec (Cap. 6 – Manifestações Visuais), sobre as aparições, que “são muito mais frequentes do que se pensa.”


Os Espíritos podem se tornar visíveis? - Sim, sobretudo durante o sono. Entretanto, certas pessoas os veem também no estado de vigília, mas isso é mais raro.


Como podemos ver os Espíritos em estado de vigília? - Isso depende do organismo, da facilidade maior ou menor do fluido do vidente de se combinar com o do Espírito. Assim, não basta o espírito querer mostrar-se; é também necessário que a pessoa a quem se quer mostrar tenha a aptidão para vê-lo.


Todos são aptos a ver os Espíritos? - Durante o sono, todos. Mas não quando estão acordados. No sono, a alma vê diretamente; quando estais acordados ela sofre em maior ou menor grau a influência dos órgãos. Eis porque as condições não são as mesmas nos dois casos.


O que a ciência tem a nos dizer? Para a ciência, espíritos não existem. Nossa inteligência, nosso caráter, tudo é determinado pelas conexões cerebrais. Quando morremos, as células têm o mesmo fim, sem deixar possibilidades para a alma ou fantasmas aflorarem.


Para o Espiritismo, nunca houve conflito entre ciência e religião e as conquistas da ciência, ao invés de enfraquecer a fé dos espíritas, fortalecem e dão força aos seus postulados. Diz-nos Allan Kardec, em “O Evangelho Segundo o Espiritismo” (Cap. I, Item 8): “A ciência e a Religião são duas alavancas da inteligência humana; uma revela as leis do mundo material e a outra as do mundo moral. Tendo, no entanto, essas leis o mesmo princípio, que é Deus, não podem contradizer-se. Se fossem a negação uma da outra, uma necessariamente estaria em erro e a outra com a verdade, portanto Deus não pode pretender a destruição de sua própria obra. A incompatibilidade que se julgou existir entre estas duas ordens de ideias provém apenas de uma observação defeituosa e de excesso de exclusivismo, de um lado e de outro. Daí um conflito que deu origem à incredulidade e à intolerância.”


Sobre os lugares denominados assombrados, podemos encontrar explicações mais aprofundadas no capitulo IX, de “O Livro dos Médiuns” - Dos Lugares Assombrados. Neste endereço podemos ler esse capítulo na íntegra: http://www.panoramaespirita.com.br/novo/codespirita/olivrodosmedius/ 7907-capitulo-ix-dos-lugares-assombrados.html.


O mais importante, é retirarmos o ensinamento profundo das situações, como Allan Kardec fez quando todos olhavam as mesas girantes como divertimento e ele viu algo muito maior.


* Marcia Leal Jek estuda o Espiritismo há mais de 25 anos e é trabalhadora do Centro Espírita Francisco de Assis, em Jacaraipe, Serra, ES.