Espiritismo .NET

Modelo que quer virar freira fala sobre vocação crescente entre jovens britânicas

Modelo que quer virar freira fala sobre vocação crescente entre jovens britânicas



A cada ano na Grã-Bretanha, um número pequeno mas cada vez maior de jovens mulheres está deixando para trás suas carreiras, namorados e posses para se dedicar totalmente à religião.


Catherine disse à BBC que se considera uma típica menina britânica, que gosta de ser mimada. Com muitas das suas amigas, a jovem de 25 anos passou os últimos anos viajando, fazendo festas e estudando para ganhar um diploma em Letras pela universidade King’s College de Londres.


Ela também trabalhou como modelo, mas esse tipo de experiência, segundo ela, não trouxe a satisfação que buscava. Catherine decidiu dedicar sua vida a Deus e virar freira, um desejo que ela tinha desde os quatro anos de idade.


"Eu fui a castings e eles sempre queriam que eu fizesse desfiles de passarela", afirma Catherine. "Eu lembro que depois de receber meu primeiro cachê eu fui para casa e me senti muito vazia. Eu pensava: ‘é só isso?’ Não era tão bom quanto eu imaginava que seria."


"Eu adoro as pessoas e adoro me divertir, mas isso não é tudo na vida."



Matrimônio e maternidade


Catherine tem frequentado o mosteiro de St. Dominic, em New Forest, no sul da Inglaterra, que recebe visitantes e oferece retiros espirituais. Ela pensa em virar freira, mas está tendo dificuldades para conseguir tomar a decisão de se entregar totalmente à vocação.


No ano passado, apenas 20 mulheres estavam se preparando para virar freiras na Grã-Bretanha, segundo a entidade Conference of Religious, que representa a maioria das comunidades religiosas do país. Destas, 14 tinham entre 20 e 40 anos.


Nos últimos cinco anos, o número de mulheres com menos de 40 anos se preparando para virar freiras aumentou de 42% para 70%, segundo dados oficiais.


As irmãs dominicanas em St. Dominic passam a maior parte dos seus dias rezando. Elas também saem do convento para espalhar a palavra de Deus.


O principal fator que tem impedido Catherine de se dedicar totalmente à vocação é o sentimento de que ela terá de abrir mão do prazer do matrimônio e da maternidade.


"Se você é romântica e realmente gosta do sexo oposto, você gostaria de casar, e isso é um sacrifício de verdade", afirma Catherine.


"Eu me sinto dividida, puxada em duas direções opostas. Me disseram que eu seria uma boa esposa e mãe, e eu adoraria isso, se for isso que Deus quer. Eu tenho rezado pedindo: ‘me dê mais desejo para uma coisa do que a outra, para eu entender qual é o meu chamado’."



‘Bebedeiras, namorados e festas’


O priorado de St. Dominic recebe novas irmãs uma vez por ano, e a organização precisa se certificar de que todas as novatas se adaptarão bem à sua comunidade.


A irmã Hyacinthe cuida das jovens que estão interessadas em virar freiras.


"Não existem parâmetros definidos para pessoas que querem virar freiras e se encaixam na vocação", diz ela. "As jovens que vêm aqui vivem uma vida normal, com bebedeiras, namorados e festas. Elas geralmente já tiveram isso, ou ainda estão vivendo isso, e ainda assim elas buscam algo a mais."


Catherine tinha esperanças de se juntar à organização ainda neste ano, mas as irmãs de St. Dominic recomendaram que ela espere mais um tempo, até ter certeza absoluta da sua vocação.


"Nós esperamos e rezamos para que ela volte", diz a irmã Hyacinthe. "Também é um teste. Ela realmente quer se juntar a nós, mas será que ela vai querer isso daqui a seis meses? Se não quiser, isso será um bom sinal para nós de que não era para ser. Precisa ser uma decisão que venha acima de todas as outras opções que o mundo oferece."


Por ora, Catherine está estudando na escola católica de evangelização de Londres e diz estar "gostando da viagem".


"Pode ser frustrante não saber sempre o que o futuro trará", diz ela. "Mas não se pode entrar se não estiver com 100% de certeza. Nunca fui uma pessoa paciente, e Deus está me ensinando a ser paciente."


Notícia publicada na BBC Brasil, em 25 de outubro de 2011.



Sonia Maria Ferreira da Rocha* comenta


A notícia nos remete para o exemplo de Francisco de Assis, que vivendo uma vida mundana durante a sua adolescência, desviada da sua forte tendência religiosa, passou por uma experiência que transformou a sua vida: Uma grave doença não permitiu que deixasse o leito e, depois de várias oportunidades para refletir, decidiu abraçar o compromisso que havia assumido antes de reencarnar.


Vivemos, atualmente, um processo de transformação planetária. O nosso planeta, em processo de regeneração, necessita que todos contribuam para essa mudança, através do apoio espiritual que todas as religiões do nosso mundo possam proporcionar.


A notícia informa-nos do aumento do número de pessoas interessadas em se dedicar aos compromissos espirituais, o que é sinal dessa preparação para a nova etapa do planeta. A cada um de nós, cabe participar, ativamente, deste progresso. O momento é de total responsabilidade na transformação. O caminho é o que o Mestre veio nos ensinar, ou seja, os valores de Deus onde o amor é o elemento principal a ser praticado no íntimo de cada um.


“Emmanuel afirma que a Terra será um mundo regenerado por volta de 2.057.” - Livro “Plantão de Respostas”, Volume II, Chico Xavier.


Estamos no caminho, trabalhando, nos reeducando e educando nossos filhos para essa maravilhosa transformação, onde o bem será o propósito maior no planeta Terra. A natureza está mandando o seu recado através de diversos cataclismos de renovação, em diversas partes do mundo. O recado está sendo dado para quem “tem olhos de ver e ouvidos de ouvir”. Cabe a cada um de nós fazer o seu percurso de evolução para que o planeta possa, também, desenvolver o seu progresso com paz e equilíbrio, percorrendo o caminho que o Mestre exemplificou quando esteve entre nós.


“Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o címbalo que retine.” -  Paulo de Tarso.


* Sonia Maria Ferreira da Rocha reside em Angra dos Reis, RJ, estuda o Espiritismo há mais de 30 anos e é colaboradora regular do Espiritismo.net.