Espiritismo .NET

Criança adotada transforma a existência, diz pai de 25 "filhos do coração"

Criança adotada transforma sua existência, diz pai de 25 "filhos do coração"



HELOÍSA NORONHA
Colaboração para o UOL


Como maneira de agradecer o destino, a sorte ou, quem sabe, a oportunidade de ter uma vida melhor, homens que foram adotados na infância, como o psicólogo Ismael Ferreira Santos, de 38 anos, resolveram não encerrar em si esse ciclo de carinho. Como? Adotando também.


"Fui educado por um casal que não podia ter filhos. Tento me espelhar no caráter e na generosidade deles. Foi por isso que, mesmo com condições de ter filhos biológicos, resolvi adotar a Caroline Beatriz há um ano meio", conta. Casado há 14 anos com uma professora universitária, Ismael se cadastrou, com a mulher, em programas de adoção em diversos Estados do país. Mas foi ao ajudar uma amiga que o casal conheceu a menina, hoje com 13 anos. "Nos demos tão bem que parece que ela sempre esteve conosco", afirma.


O auxiliar de escrita fiscal Josué Ribeiro da Silva, 44 anos, de Cubatão (SP) foi adotado por uma amiga da mãe quando ainda era bebê. Ele descobriu a história de sua origem por terceiros e sofreu muito com a situação. Sua mulher, a dona de casa Janice de Jesus Silva, 42, conhecia a mãe biológica do marido e tratou de ajudar a selar a paz entre eles. "Hoje convivemos todos numa boa", garante.


O casal, que sempre gostou de crianças, não pôde ter filhos pois Janice precisou retirar o útero. Com isso, a decisão de “encontrar um filho do coração” não demorou a ser tomada: Cauã, 3 anos, entrou para a família ainda bebê. Como os trâmites para sua adoção demoraram, os dois acabaram se encantando por outro garotinho do mesmo abrigo. “Ele veio passar o Natal e o Ano Novo com a gente. Nos apaixonamos e decidimos adotá-lo também”, explica Josué. Sorte de Jorge Luiz, hoje com 5 anos.


Para o pedagogo mineiro Roberto Carlos Ramos, 45 anos, cuja vida se transformou no filme “O Contador de Histórias” (2009), de Luiz Villaça, todo mundo pensa que adotar é mudar a vida de uma criança. “Não é. É aquela criança que transforma a sua existência de uma maneira inimaginável. Acredite: você recebe em dobro todo o amor e afeto que dá”.


Deixado em uma entidade assistencial aos 6 anos de idade pela mãe biológica, Roberto Carlos tentou incontáveis fugas até os 13 anos. Era tido como irrecuperável, até a pedagoga francesa Margherit Duvas, morta em 1983, aparecer em sua vida. Ela decidiu ficar com Roberto e educá-lo como seu filho.


Anos mais tarde, já formado em Pedagogia, ele fez estágio justamente na instituição em que havia passado a infância. “A história se repetiu. Conheci um menino problemático, complicado mesmo. Acabei levando-o para fazer um lanche em minha casa e ele nunca mais saiu de lá”, conta Roberto Carlos que, tempos depois, também adotou o irmão do garoto. “Decidi educá-los e prepará-los para o mundo”.


Ao todo, ele tem 25 filhos adotivos. “E já sou avô de coração de quatro netinhos”, conta, orgulhoso. A prole toda mora em Ibirité, na região metropolitana de Belo Horizonte, e sempre se reúne. “Sou realizado, porque vejo que meus filhos são homens de bem e felizes. Agora posso aproveitar para namorar um pouquinho”, brinca ele, que nunca teve tempo para se casar.


Notícia publicada no Portal UOL, em 11 de agosto de 2011.



Sonia Maria Ferreira da Rocha* comenta


Essa notícia nos mostra o exercício da gratidão em desenvolvimento, do reconhecimento do amor recebido através da sua continuidade.


Muitos são aqueles que se rebelam ao tomar conhecimento que são filhos adotivos. Esses, ao contrário, retribuíram esse amor, multiplicando-o a outros que, como eles, foram abandonados por seus pais biológicos.


É a prova de que podemos, quando temos a vontade, de nos transformar em homens de bem. As barreiras, as dificuldades se desmoronam na nossa frente quando nos propomos seguir o caminho que Jesus veio nos ensinar.


“Verdadeiramente, homem de bem é o que pratica a lei de justiça, amor e caridade, na sua maior pureza.” (O Livro dos Espíritos – questão 918.)


São noticias como essas que enchem nossos corações com esperanças de um futuro melhor. Pessoas que fazem das suas experiências, dos seus sofrimentos alavancas para trabalhar pelo seu próprio desenvolvimento, do seu semelhante e do nosso planeta.


Desviam-se das lamentações e da revolta para semear dias de amor em prol da felicidade alheia. A isso podemos chamar de amor em movimento, em prol da Paz e da Felicidade, que resume numa só palavra que é o AMOR, na sua maior essência, que é o incondicional.


Demonstraram sua gratidão na continuidade do amor que receberam. Buscaram no sorriso daqueles seus semelhantes à oportunidade de agradecimento pelo que receberam e descobriram neles a oportunidade multiplicar sua felicidade através da repetição daquilo que receberam na vida: carinho, educação, respeito, enfim, um LAR.


É a prática da Lei do Amor, é “a multiplicação dos pães” e o “dar de graça o que de graça receberam”. É seguir os passos de Jesus.


É esse sentimento que transforma a nossa existência, o nosso espírito e nos leva em direção a Deus.


* Sonia Maria Ferreira da Rocha reside em Angra dos Reis, RJ, estuda o Espiritismo há mais de 30 anos e é colaboradora regular do Espiritismo.net.