Espiritismo .NET

"O Filme dos Espíritos" tem estreia prevista para outubro de 2011

O Filme dos Espíritos tem estreia prevista para outubro de 2011



Assessoria de Imprensa – O Filme dos Espíritos


O Filme dos Espíritos, de André Marouço e Michel Dubret, estreia dia 07/10 em todo o país pela Paris Filmes. No elenco estão Nelson Xavier, Ênio Gonçalves, Etty Fraser, Ana Rosa, Sandra Corveloni e Reinaldo Rodrigues.


O Filme dos Espíritos, livremente baseado em O Livro dos Espíritos, escrito por Allan Kardec, em 1857, está saindo do papel dia 07/10/2011 pela PARIS Filmes. Assinam a direção o jornalista e cineasta André Marouço, e o cineasta Michel Dubret.


A produção de longa-metragem surgiu a partir do Projeto Mundo Maior de Cinema que, em 2009, recebeu cerca de 100 roteiros de jovens diretores e roteiristas, de diferentes regiões do país; desse grupo, oito foram selecionados e contaram com suporte técnico e profissional da produtora. O resultado foi a realização de oito curtas-metragens com tema espiritualista e transcedental. Eles foram exibidos em novembro de 2009 e ainda premiados em diversas categorias. A etapa final dessa iniciativa foi a filmagem de O Filme dos Espíritos.


Rodado grande parte em São Paulo, o longa conta com filmagens em Cajazeiras/PB, e nas cidades paulistas de Atibaia, Araçoiaba da Serra e Ubatuba. No elenco, Reinaldo Rodrigues, do grupo Tapa de Teatro e do Clube da Voz, é o protagonista. Ao seu lado, estão Nelson Xavier, Etty Fraser, Ênio Gonçalves, Ana Rosa, Sandra Corveloni, Felipe Falanga e grande elenco. O filme conta ainda com participação especial de Luciana Gimenez.


Em linhas gerais, o filme contará a história de um homem, Bruno Alves, que, por volta dos 40 anos, perde a mulher e se vê completamente abalado. A perda do emprego se soma à sua profunda tristeza e o suicídio lhe parece a única saída. Nesse momento, ele entra em contato com O Livro dos Espíritos, obra basilar da doutrina espírita. Há também uma dedicatória no exemplar: “esta obra salvou-me a vida. Leia-a com atenção e tenha bom proveito.” A partir daí, o protagonista da história começa uma jornada de transformação interior rumo aos mistérios da vida espiritual.



Sobre a Produção


A Mundo Maior Filmes é uma produtora de cinema sediada em São Paulo, que preza pelo caráter educativo de suas obras. Foi constituída por investidores engajados em ações de responsabilidade social, sendo uma unidade de negócios da Fundação Espírita André Luiz.


ANDRÉ MAROUÇO - nascido em São Paulo, em 1970, Marouço é jornalista, cineasta e radialista com mais de 20 anos de experiência, tendo passado pelas TVs Globo, Cultura e SBT. Entre outros trabalhos, destacam-se sua participação como produtor executivo, idealizador e coordenador geral da I Mostra Mundo Maior de Cinema e do projeto Mundo Maior de Cinema; diretor e roteirista dos documentários Sacramento Natureza e História (2005 / Versátil), Terceira Revelação – A Morte não Existe (2005 / Mundo Maior Filmes) e 60 Anos Transformando Vidas (2009 / Mundo Maior Filmes); diretor de fotografia dos documentários Um Lugar Chamado Lar (1999 / TV Cultura), A Riqueza do Lixo (2000 / TV Cultura) e A Cidade e a Criança (2000 / TV Cultura).


MICHEL DUBRET - Formado em cinema pela FAAP, ingressou no ano de 2003 no Studio Fátima Toledo. Neste trabalhou como Assistente da Fátima Toledo no casting e na preparação de atores nos filmes: “O Céu de Suely” (dir. Karin Ainous), “Mutum” (dir. Sandra Kogut), “Tropa de Elite” (dir. José Padilha) e “Linha de Passe” (dir. Walter Salles), entre outros. Entre 2007 e 2008, dirigiu curtas metragens como “James e Ulisses”, “O Quarto”, “Chuva Rasa”, todos produzidos e realizados pelo Studio Fátima Toledo. Michel Dubret também adquiriu experiência profissional na Cinemateca Brasileira nos departamentos de catalogação, preservação e restauração de filmes como “Deus e o Diabo na terra do sol” e “Macunaíma”, entre outros, durante o período de 4 anos. Ainda na faculdade, foi responsável pela direção de arte no premiado curta metragem, “Dalva”. No ano de 2008, dirigiu o curta-metragem “Buraco”, de produção independente.