Espiritismo .NET

Iniciativas solidárias

Iniciativas solidárias



Carlos Miguel Pereira


Doutores da Alegria - O filme (2005)


Sinopse: Doutores da Alegria é um filme sensível e bem-humorado, que resgata a importância da figura do palhaço, um ser irreverente, sábio e generoso, capaz de provocar verdadeiras transformações com sua capacidade de olhar a vida por novos ângulos. Sempre apontando o ridículo da situação nele mesmo, o palhaço torna-se a figura ideal para remexer baús empoeirados, chacoalhar estruturas, arejar nossas mentes. Com uma fotografia belíssima, ritmo rápido, e a delicada edição de Mara Mourão, o filme retrata o trabalho de grupos de artistas que trabalha com crianças hospitalizadas e vai além, convidando-nos a pensar sobre o papel da arte em nossas vidas. Além de ter sido considerado pela UNESCO uma obra que promove a Cultura de Paz, recebeu vários prêmios no Brasil e exterior. Muito mais que um filme, uma lição de vida! (www.doutoresdaalegria.org.br)


* * *


“O riso é um tônico, um alívio, uma pausa que permite atenuar a dor." (Charles Chaplin)


“Doença” e “Criança” são duas palavras que não combinam. A doença rouba à criança o seu fogo de vida, escondendo o que é mais fascinante do seu jeito de ser: o sorriso transparente, a jovial irreverência, a alegria com que pinta todos os lugares onde se apresenta. Presa num quarto de hospital povoado por agulhas malvadas, tubos antipáticos e aparelhos mal-encarados, atormentada pela dimensão dos seus medos e da sua dor, rodeada por gente séria e preocupada, a criança-paciente fica sem condições para brincar e pular, sem vontade de sorrir, beijar e abraçar, restando como únicas alternativas a tristeza, o desânimo. Mas, felizmente, em muitos hospitais do Brasil já existem especialistas em “besteirologia”, mestres na difícil arte de recapturar os sorrisos perdidos. Essas pessoas se chamam: Doutores da Alegria.


Este documentário tocante mostra-nos o trabalho da organização sem fins lucrativos “Doutores da Alegria”. Constituída por artistas profissionais, esta associação usa o talento, o sentido de humor e a sensibilidade dos seus membros como antídotos contra a tristeza e a apatia de crianças hospitalizadas. Através de testemunhos dos especialistas na arte do palhaço sobre os momentos especiais passados com as crianças hospitalizadas, ficamos a conhecer melhor as suas motivações e experiências. Intercalados com esses depoimentos, vão sendo exibidas imagens reais da prática clínica dos “besteirologistas” com as crianças, seus familiares e os profissionais de saúde.


É fascinante perceber a transformação do ambiente hospitalar através do humor, da música, da criatividade e da imaginação, deixando um rasto mágico de alegria e boa disposição em lugares que parecem alérgicos a sorrisos. Enquanto quem assiste o filme vê crianças doentes, os “besteirologistas” veem mais além: Eles veem crianças que querem brincar e procuram a melhor forma de concretizar essa vontade. Vendo o filme, as gargalhadas serão inevitáveis, mas não esqueça os lenços. Fica difícil segurar as lágrimas ao ser confrontado com a sensibilidade e o amor que os palhaços colocam no seu trabalho e, mais ainda, quando percebemos que as crianças, mesmo enfrentando doenças angustiantes, se mostram super receptivas aos estímulos divertidos dos animadores. É uma verdadeira lição de vida.


A ideia preconceituosa do palhaço como arte menor cai por terra depois de assistirmos a “Doutores da Alegria”. Através dele se percebe que, na verdade, a arte do palhaço realizada pelos Doutores da Alegria é a expressão mais sublime que uma arte pode alcançar. Conseguem arrancar sorrisos do medo, acendem a esperança na noite do desespero. É a arte ao serviço da transformação e transcendência do público.


O filme “Doutores da Alegria” não é um filme sobre palhaços, muito menos sobre crianças hospitalizadas. É um filme que nos traz uma mensagem de esperança para um mundo sisudo, é um comovente apelo à transformação através do amor, da dedicação e da alegria. Os palhaços e as crianças deste documentário mostram que, mesmo sem um nariz vermelho, qualquer um pode transformar os lugares em que se encontra através da boa disposição, da simpatia, da vontade. Deixando de focar as nossas energias unicamente nos problemas, conseguiremos ver mais além e seremos capazes de expressar a nossa alegria de viver, criando laços de afeto e solidariedade com todos os que nos rodeiam, independentemente da sua condição. Quando juntamos amor, ação e criatividade ficamos muito mais próximos de Deus. Não existem limites para o amor e para a criatividade. São infindáveis as formas de estarmos disponíveis para ajudar quem precisa.


“A besteirologia deve ser aplicada diariamente até que o paciente não saiba mais como ficar triste. É remédio para a vida toda.” (Doutores da Alegria)