Espiritismo .NET

A solidão é uma torrente

A solidão é uma torrente



Não se deixe arrastar por ela


Por Eduardo Araia


A solidão crônica não traz problemas apenas para quem a sente. Segundo um estudo recente, ela se dissemina no tecido social tal como uma doença, "infectando" as pessoas mais próximas, que tendem a seguir o mesmo padrão de comportamento


É inevitável: nas ocasiões em que mais se espera ver gente reunida comemorando, como o Natal, o Réveillon ou o dia do próprio aniversário, certamente há pessoas sofrendo com a solidão. Em determinados indivíduos, porém, essa sensação se prolonga por muito mais tempo, tornando-se crônica e contaminando inclusive o dia a dia. Segundo John Cacioppo, neurocientista e psicólogo da Universidade de Chicago (Estados Unidos), em qualquer momento que se escolha, por volta de 60 milhões de norte-americanos - cerca de um entre cinco - sentem-se tão isolados que esse estado os torna seriamente infelizes. E o problema não respeita fronteiras geográficas: em cidades que exemplificam a formidável expansão econômica da China, como Xangai ou Ghangzhou, grupos sociais tradicionalmente orientados pelo sentimento de comunidade estão começando a sofrer de uma severa solidão. Aparentemente, a chegada da riqueza também está fazendo muitos chineses se sentirem mais sozinhos.


Cacioppo tornou-se um nome fundamental no moderno estudo da solidão. Ele é coautor de Loneliness: The need for social connection (Solidão: A necessidade de conexão social), livro publicado pela W. W. Norton & Company em 2008, e faz parte da equipe que assina uma pesquisa sobre o tema publicada em dezembro no Journal of Personality and Social Psychology. Esse trabalho, que reuniu especialistas das universidades de Chicago, Califórnia-San Diego e Harvard, revelou que a solidão indesejada pode se comportar como uma doença, capaz até de contagiar outras pessoas. "A solidão se dissemina através do tempo", afirma o neurocientista. "Ela viaja através das pessoas. Em vez de um germe, ela é transmitida por meio de nossos comportamentos."


O banco de dados que serviu de base para o estudo da equipe de Cacioppo é o mesmo Framingham Heart Study usado por James Fowler e Nicholas Christakis para investigar a felicidade. Os pesquisadores das três universidades envolvidas no trabalho utilizaram entrevistas feitas com mais de 5 mil pessoas ao longo de 10 anos, coletando suas histórias de amizade e de solidão.


A análise do material mostrou que indivíduos solitários tendem a se mover para as extremidades dos círculos sociais, onde possuem cada vez menos amigos. Antes de fazer essa migração, porém, eles "infectam" os amigos remanescentes com seus sentimentos de solidão. Estes, por sua vez, tendem a ficar com um número de relacionamentos próximos cada vez menor, o que os leva a se tornarem solitários e a transitarem para a periferia dos círculos sociais, transmitindo sua solidão para outros amigos. Com isso, o ciclo pode se repetir continuamente, num processo que Cacioppo compara ao de um fio solto na ponta de uma blusa de malha.


"Detectamos um padrão extraordinário de contágio, que leva as pessoas à fronteira da rede social quando ficam solitárias", afirma o neurocientista. "Na periferia (da rede social) as pessoas têm menos amigos, e a solidão dessas pessoas as leva a perder os poucos laços que ainda têm."


De acordo com os dados recolhidos no estudo de Framingham, um amigo de uma pessoa solitária era 52% mais propenso a desenvolver sentimentos de rejeição social, e qualquer um de seus amigos tinha 25% mais chances de se sentir sozinho, por seu lado. Até mesmo um amigo de um amigo de um amigo corria um risco maior de conviver com a solidão.


"Quando ficam sozinhas, as pessoas tendem mais a interagir negativamente com outras que encontram", afirma Cacioppo. "Se você tem dois vizinhos que são amigos e um fica sozinho, eles começarão a tratar um ao outro de forma menos amigável. Em última instância, eles estão menos propensos a ser amigos."


Embora o estudo mostre o potencial de "contágio" da solidão, Cacioppo ressalta que ela não é uma doença, nem mesmo uma fraqueza individual. De acordo com o neurocientista, ela é definida mais adequadamente como uma reação biológica, comparável à fome, à sede ou à dor. "A sociedade tende a pensar nela como uma característica individual - existem apenas solitários", comenta Cacioppo. "Mas essa é a concepção errada do que é a solidão. Trata-se de um sinal biológico que nos motiva a corrigir algo de que precisamos para a sobrevivência genética. Precisamos de relacionamentos de qualidade. Não sobrevivemos bem sozinhos."


Os estragos que a solidão faz na saúde atingem tanto o terreno físico quanto o mental. O estudo da equipe de Cacioppo mostrou que ela está relacionada à depressão, ao aumento da pressão sanguínea, à elevação do nível do cortisol (hormônio do estresse) e ao desequilíbrio do sistema imunológico. Ela reduz ainda mais a qualidade de vida ao estimular a ansiedade, a timidez e a sensação de que o solitário não sabe se relacionar bem. Segundo Cacioppo, pesquisas anteriores já haviam mostrado que a solidão pode deixar as pessoas mais desconfiadas em relação às outras e colocar o cérebro numa posição defensiva: "Seu cérebro lhe diz que as pessoas o estão rejeitando. A solidão pode distorcer a mensagem que você está ouvindo."


Como sair dessa enrascada? Para Cacioppo, a estratégia deve começar com uma drástica revisão sobre o que é a solidão de fato - trata-se apenas do corpo enviando um sinal de alerta, sublinha o neurocientista. "Todos os seres humanos normais se sentem sozinhos em algum ponto no tempo, assim como sentem fome, sede e dor. Mas, enquanto temos tigelas cheias de comida, torneiras para água e remédios para dor, não temos nada comparável para a solidão. Não estou lhe dizendo que você precisa de uma tigela cheia de amigos, mas, se você se sente sozinho, preste atenção e não tenha pressa para corrigir isso."


O neurocientista acredita que a sociedade deverá ter benefícios se cuidar das pessoas que foram para a periferia dos círculos sociais. Ele propõe que os vizinhos estabeleçam contato uns com os outros e acrescenta que isso seria facilitado se as cidades se tornassem locais mais adequados para caminhar. Aos seriamente solitários ele sugere ajudar os outros por meio de trabalhos voluntários, como atuar em entidades beneficentes, ou cozinhar para conhecidos. "Quando você está sozinho, sente que poderia até comer outras pessoas", comenta o neurocientista. "Mas o truque é alimentá-las."



As limitações das redes sociais eletrônicas


Mídias sociais do gênero Facebook e Twitter podem parecer, em princípio, alternativas atraentes para os solitários, mas o neurocientista John Cacioppo não se anima muito com essa possibilidade tecnológica. "Se você está isolado devido a um problema físico ou seu cônjuge sofre do mal de Alzheimer, então o Facebook pode ser uma vantagem real", afirma ele. "Mas quando você está passando seu tempo no Facebook em vez de ficar frente a frente com amigos, isso incrementa sua solidão. Estamos falando de qualidade. As pessoas solitárias usam as redes sociais como um substituto; já as não solitárias as utilizam para dar sinergia aos relacionamentos que têm. A pessoa com 4 mil amigos no Facebook pode muito bem ser um individuo muito solitário."


Matéria publicada na Revista Planeta, em março de 2010.



Bárbara Paracampos* comenta


Há dois aspectos importantes nessa reportagem a serem discutidos sob a ótica espírita. São eles: a solidão como reflexo da Lei de Causa e Efeito e a importância de nos considerarmos como uma única família, a família humana.


É consabido que as dores que passamos na Terra são instrumentos depurativos, verdadeiras bênçãos Divinas para proporcionar nosso crescimento espiritual e moral. Por outro lado, não se pode olvidar que essas dores não ocorrem por mero acaso, mas sim pela Lei Universal de Causa e Efeito, reflexo da Justiça Divina, sendo causadas para que o ser possa resgatar débitos existentes, oriundos de vidas passadas e, assim, se depurar.


Portanto, a solidão pode ser resultado da Lei de Causa e Efeito, sendo, dessa forma, oportunidade de ascensão espiritual para aquele que sofre. Que, a bem da verdade, jamais estará sozinho, pois que sempre acompanhado dos benfeitores espirituais que lhe dão forças para que reste vitorioso.


Por outro lado, o neurocientista Cacioppo, conclui que “a sociedade deverá ter benefícios se cuidar das pessoas que foram para a periferia dos círculos sociais”.


Ora, ainda que o neurocientista esteja defendendo esse “remédio” como forma de se evitar a propagação da solidão – haja vista que o estudo defende que o solitário pode “contaminar” um amigo e o amigo do amigo –, devemos ter em vista que somos todos integrantes de uma única família, a família humana.


Essa é a expressão máxima dos princípios da Caridade, da Fraternidade, da Solidariedade e o nosso futuro. Deveremos nos considerar e nos amar verdadeiramente como irmãos, componentes de uma única família na Terra. Por essa razão, devemos agir como Cacioppo recomendou, trazendo para o centro dos círculos sociais nossos irmãos que se isolaram, alimentando-os com carinho, zelo, amor, como faríamos caso estivéssemos lidando com um irmão de sangue.


Já passou o tempo de começarmos a pôr em prática os ensinamentos de Jesus, tratando o próximo como gostaríamos de ser tratados, enxergando o outro como verdadeiro irmão.


* Bárbara Paracampos reside em Salvador, na Bahia, é espírita e colaboradora regular do Espiritismo.net.