Espiritismo .NET

Escocesa vende a própria casa para pagar mimos da filha

Escocesa vende a própria casa para pagar mimos da filha



Moya gastou 5 mil libras mensais em salão de beleza para a jovem. Terapeuta tenta ajudar mulher a rever educação da garota.


Do G1, em São Paulo


A escocesa Moya Wren-Campbell vendeu a própria casa para pagar as dívidas que fez com o banco em prol dos mimos para a filha Madison, de 9 anos de idade.


A escocesa de 40 anos não suportou pagar mais de 5 mil libras mensais em tratamentos de beleza para a filha, muito menos a manutenção de um guarda-roupa repleto de peças de grifes famosas.


Em entrevista ao tabloide inglês "The Sun", Moya contou que fez tudo o que pode para que sua filha se tornasse uma modelo-mirim reconhecida mundialmente. "As competições ensinaram Madison a ser mais sofisticada", argumentou a mãe ao jornal. A menina ganhou alguns concursos, mas está longe de reaver o que gastou para participar deles.


A família da escocesa convocou um programa de TV britânico em que uma terapeuta ajudará Moya a rever a educação do "pequeno monstrinho", como Madison vem sendo chamada pela vizinhança. Desde que perdeu a mordomia e a casa onde morava, a menina tem dado muito trabalho para a mãe.


Notícia publicada no Portal G1, em 10 de fevereiro de 2010.



Sonia Maria Ferreira da Rocha* comenta


A escola do lar é a primeira da vida. É lá que se forma um cidadão. Seja o resultado bom ou ruim, é de lá que saem os milionários ou os pedintes, os sábios ou os ignorantes, os pacifistas ou os delinquentes. É a primeira e a fundamental na vida de um ser humano. É lá que é cultivado e burilado um espírito na sua caminhada evolutiva.


Por tudo isso, educar um filho é muito mais do que alimentar suas vontades e mimos, ou projetar neles o que gostaria de ter tido ou sido na sua caminhada. É dever dos pais prover suas necessidades materiais, intelectuais e morais, que vão acrescentar não só na formação de caráter e de personalidade de um ser humano de bem, mas, acima de tudo, de uma sociedade bem estruturada. É saber dizer não na hora certa, colocando limites para aquele espírito, ainda rebelde, que está dentro de cada um.


“A MELHOR ESCOLA AINDA É O LAR, ONDE A CRIATURA DEVE RECEBER AS BASES DO SENTIMENTO E DO CARÁTER.” (Emmanuel, O Consolador, pergunta 110.)


Fazendo uma reflexão sobre o texto acima, vemos, resumidamente, a responsabilidade que a Doutrina Espírita nos esclarece sobre a função dos pais diante da educação dos filhos. É grande o número de textos encontrados na literatura espírita alertando sobre essa importante e maravilhosa função dos pais.


Na pergunta 208, de O Livro dos Espíritos, Allan Kardec questiona aos espíritos sobre a influência que os pais exercem sobre os filhos, e eles responderam que é uma missão desenvolver neles a educação. E vai mais além, torna-os culpados se vierem a falir no seu desempenho.


Que essa missão é a responsabilidade quanto ao futuro e que Deus nos coloca os filhos como tutela a fim de que sejam dirigidos pela senda do bem. Muitos há, no entanto, que mais cuidam de aprumar as árvores do seu jardim e de fazê-las dar bons frutos em abundância, do que de formar o caráter de seu filho. Se este vier a sucumbir por sua culpa, suportarão os desgostos resultantes dessa queda e partilharão dos sofrimentos do filho na vida futura, por não terem feito o que lhes estava ao alcance para que ele avançasse na estrada do bem.


É difícil essa tarefa, bem o sabemos, por termos que, antes de tudo, respeitar a individualidade de cada um deles. Cabe aos pais desenvolver neles virtudes, caso não tragam na sua bagagem espiritual, preparar para uma vida futura digna, dentro dos preceitos que Jesus nos ensinou.


O exemplo é o maior recurso que os pais dispõem na educação de seus filhos. Amá-los e respeitá-los, acima de tudo, com as suas individualidades, mesmo que oriundos do mesmo ventre.


Assim, e só assim, seremos colaboradores de Deus na evolução da humanidade.


* Sonia Maria Ferreira da Rocha reside em Angra dos Reis, RJ, estuda o Espiritismo há mais de 30 anos e é colaboradora regular do Espiritismo.net.