Espiritismo .NET

Pais superprotetores travam cérebro dos filhos, mostra pesquisa

Pais superprotetores travam cérebro dos filhos, mostra pesquisa



WENDY ZUKERMAN
da New Scientist


Pais superprotetores inibem mais que a liberdade de seus filhos: eles também arriscam reduzir a velocidade de crescimento do cérebro em uma área vinculada a doenças mentais.


Um novo estudo mostrou que as crianças cujos pais são superprotetores ou negligentes sejam mais suscetíveis a desordens psiquiátricas - que, por sua vez, são associadas a problemas em parte do córtex pré-frontal.


Para pesquisar o vínculo entre o comportamento dos pais e o problema mental dos filhos, Kosuke Narita, da Universidade de Gunma, no Japão, analisou os cérebros de 50 pessoas na faixa dos 20 anos e pediu a eles que respondessem a um questionário sobre sua relação com os pais durante os primeiros 16 anos de suas vidas.


Os pesquisadores utilizaram um modelo de questionário chamado "Instrumento de Vínculo Paterno e Materno", uma maneira internacionalmente reconhecida de avaliar o relacionamento dos filhos com seus pais.


O método pede aos participantes que deem notas aos seus pais de acordo com declarações como "Não queria que eu crescesse", "Tentou controlar tudo o que eu fazia" e "Tentou me deixar dependente dele/dela".



Pais negligentes


A equipe de Narita descobriu que os jovens com pais superprotetores tinham menos massa cinzenta em uma área particular do córtex pré-frontal, em relação àqueles que tiveram relações saudáveis com seus pais.


Esta parte do córtex pré-frontal se desenvolve durante a infância, e anomalias lá são comuns em pessoas com esquizofrenia e outras doenças mentais.


Narita e seu grupo propuseram que a liberação excessiva do hormônio do estresse cortisol - devido tanto à negligência, ou à atenção exagerada - e a reduzida produção de dopamina (neurotransmissor estimulante) como resultado do relacionamento inadequado dos pais com os filhos bloqueia o crescimento da massa cinzenta.


Anthony Harris, diretor da Unidade de Desordens Clínicas, no Hospital Westmead, em Sydney, Austrália, diz que o estudo é importante por destacar para a comunidade ampla que a maneira como os pais se relacionam com os filhos tem efeitos de longo prazo sobre os jovens.



Acusando os pais


No entanto, Harris acrescenta que as diferenças observadas no cérebro não são sempre permanentes. "Muitos indivíduos demonstram grande resiliência [capacidade de superar problemas]", diz ele.


Stephen Wood, que estuda o desenvolvimento dos adolescentes no Centro Neuropsiquiátrico de Melbourne, na Austrália, diz que o relacionamento dos pais com os filhos não pode ser necessariamente acusado pelas anomalias cerebrais.


Ele ressalta que os indivíduos estudados podem ter nascido com as anomalias e, como resultado, não se deram bem com seus pais, ao invés de ser o processo contrário ter acontecido.


Wood também discorda da decisão dos pesquisadores de excluir indivíduos de classe socioeconômica inferior e pais sem instrução escolar - dois fatores conhecidos por contribuir para má performance em testes cognitivos.


"O efeito que eles encontraram pode ser real, mas por que se preocupar com a educação dada pelos pais se há outros fatores que podem ter impacto mais forte?", questiona ele.


Notícia publicada na Folha Online, em 11 de março de 2010.



Claudia Cardamone* comenta


"Pode-se induzir da influência dos órgãos uma relação entre o desenvolvimento dos órgãos cerebrais e o das faculdades morais e intelectuais? Assim, não são os órgãos que lhe dão as faculdades, mas as faculdades que impulsionam o desenvolvimento dos órgãos." (O Livro dos Espíritos, Allan Kardec, questão 370.)
 
Isto nos leva a crer que as faculdades do espírito podem atuar de alguma forma em seu corpo material. O problema desta pesquisa é a forma de interpretar os dados, quando eles pedem aos jovens darem notas para afirmações como estas: "Não queria que eu crescesse", "Tentou controlar tudo o que eu fazia" e "Tentou me deixar dependente dele/dela". Eles não estão analisando os fatos reais, mas a interpretação dos jovens dos fatos ocorridos. Será mesmo que a mãe tentava controlar tudo, ou o filho que queria fazer mais do que devia e sentia-se controlado?


"Qual é, para o Espírito, a utilidade de passar pela infância?


- Encarnando-se com o fim de se aperfeiçoar, o Espírito é mais acessível, durante esse tempo, às impressões que recebe e que podem ajudar o seu adiantamento, para qual devem contribuir os que estão encarregados da sua educação." (O Livro dos Espíritos, Allan Kardec, questão 383.)


Os Espíritos são claros na resposta da questão 208, do livro supra citado, onde afirmam: "O Espírito dos pais tem a missão de desenvolver o dos filhos pela educação: Isso é para ele uma tarefa." Qual é a medida desta educação?


É claro que existem pais que são realmente superprotetores, que na tentativa de evitar o sofrimento impedem aquele espírito de vivenciar algumas situações que poderiam ajudá-lo em seu progresso, mas culpá-los por distúrbios ou doenças mentais é acreditar que a criança nasce tal qual uma folha em branca e que será moldada pelos pais. Através do estudo da doutrina espírita sabemos que isto não ocorre.


As dificuldades e vicissitudes são provas que na maioria das vezes escolhemos vivenciar aqui, são oportunidades de progredirmos, assim como são provas àqueles que estão ao nosso redor.


* Claudia Cardamone nasceu em 31 de outubro de 1969, na cidade de São Paulo/SP. Formada em Psicologia, no ano de 1996, pelas FMU em São Paulo. Reside atualmente em Santa Catarina, onde trabalha como artesã. É espírita e trabalhadora da Associação Espírita Seareiros do Bem, em Palhoça/SC.