Espiritismo .NET

Japoneses buscam tecnologia para ‘ver pensamentos’

Japoneses buscam tecnologia para ‘ver pensamentos’



Ewerthon Tobace
De Kyoto para a BBC Brasil


Pesquisadores japoneses conseguiram com sucesso processar e visualizar imagens simples diretamente do cérebro humano com a ajuda de um software, no que poderá ser o primeiro passo para se fazer um registro visual de sonhos.


Os cientistas da ATR Computational Neuroscience Laboratories, com sede em Kyoto, disseram que a tecnologia desenvolvida poderá, por exemplo, ser usada para "ver" o que uma pessoa estiver pensando, inclusive durante o sono – desde que esse pensamento envolva a projeção de formas físicas, como a imagem de letras ou objetos.


O pesquisador-chefe Yukiyasu Kamitani, de 38 anos, afirmou que esta foi a primeira vez na história da ciência em que foi possível processar, diretamente das atividades cerebrais, imagens do que uma pessoa viu.


"Existem vários estudos parecidos no mundo, mas nenhum obteve tal sucesso", comemorou Kamitani.



Processo


A idéia dos cientistas era tentar emular o processo de visualização humana.


Quando uma pessoa olha um determinado objeto, a retina dos olhos captura a imagem e a converte em sinais eletrônicos, que são enviados ao córtex visual do cérebro.


A grosso modo, o que a equipe de pesquisadores fez foi estudar minuciosamente esse processo para então poder captar esses sinais e transformá-los em imagem em uma tela de computador.


Com o software criado pelos cientistas, eles conseguiram processar imagens vistas por pessoas ligadas a aparelhos de ressonância magnética.


Durante o processo de pesquisa, os cientistas estudaram diferentes comportamentos de cérebros diante de 400 imagens diversas.


Depois, foram mostradas a voluntários as seis letras da palavra "neuron".


O software processava as imagens captadas por aparelhos de ressonância magnética durante o processo de leitura do cérebro. Os cientistas conseguiram reconstruir a palavra em uma tela neste processo.



Aplicação


A aplicação prática da descoberta ainda vai levar tempo, mas a equipe está mais motivada a prosseguir com os testes.


"Esse aparelho poderá ajudar, por exemplo, pessoas com problemas físicos, como aquelas que só conseguem mover os olhos para se expressar", diz o neurocientista à BBC Brasil.


O estudo, que será publicado pela revista científica americana Neuron, vem sendo desenvolvido há três anos. Sete profissionais participam do projeto, liderados por Kamitani.


O próximo passo agora é trabalhar no desenvolvimento do software para mapear e processar imagens mais complexas e, quem sabe, até materializar um sonho.


Notícia publicada na BBC Brasil, em 12 de dezembro de 2008.



Claudia Cardamone* comenta


"O Pensamento cria imagens fluídicas, e se reflete no envoltório perispiritual como num espelho; o pensamento toma corpo e aí se fotografa de alguma forma. Tenha um homem, por exemplo, a idéia de matar outro; embora seu corpo material esteja impassível, seu corpo fluídico é posto em ação pelo pensamento, do qual reproduz todas as variações; executa fluidicamente o gesto, o ato que tem o desígno de cumprir; o pensamento cria a imagem da vítima, e a cena inteira se pinta, como em um quadro, tal como está em seu espírito.


É assim que os movimentos mais secretos da alma repecurtem no envoltório fluídico; que uma alma pode ler em outra alma como num livro, e ver o que não é perceptível pelos olhos do corpo. Todavia, vendo a intenção, pode pressentir a realização do ato que se lhe seguirá, porém não pode determinar o momento em que ele se realizará, nem precisar seus detalhes, nem mesmo afirmar se ele virá a realizar-se, pois as circunstâncias ulteriores podem modificar os planos e mudar as disposições. Ela não pode ver aquilo que ainda não está no pensamento; o que ela vê, é a preocupação habitual do indivíduo, seus desejos, seus projetos, seus desígnios bons ou maus".


Assim escreveu Allan Kardec, no livro "A Gênese", em 1868. Após 140 anos, a ciência começa a se aproximar cada vez mais dos conhecimentos trazidos pelos Espíritos Superiores, "conseguiram com sucesso processar e visualizar imagens simples diretamente do cérebro humano". Isto prova que o pensamento realmente se fotografa e está no caminho de compreender como isto ocorre. Até o momento, conseguiram imagens de algo que foi visto pela pessoa; isto pode parecer não ser muita coisa, mas lembremos que não é a imagem do objeto, mas a imagem mental, um pensamento criado para representar o objeto.


Poderíamos inferir que nosso perispírito seria como a tela do computador utilizado nas pesquisas, onde conseguiram captar os sinais elétricos e transformá-los numa imagem.


O próximo objetivo destes cientistas é "materializar um sonho". Os Espíritos afirmam em "O Livro dos Espíritos", que o espírito jamais fica inativo e que durante o sono ele se emancipa, percorrendo o espaço e entrando em relação direta com outros espíritos (pergunta 401). Afirmam também que não temos a resposta a esta pergunta: "O que é que fazemos quando dormimos; o que são os sonhos?" (pergunta 402). Estas experiências trarão à tona toda a realidade vivida no mundo espiritual, vivido pelo espírito emancipado?


Não, não acredito nisto. E os espíritos nos explicam porque: "Mas, como o corpo é de matéria pesada e grosseira, dificilmente conserva as impressões recebidas pelo Espírito, mesmo porque o Espírito não as percebeu pelos órgãos do corpo.".  Nesta pesquisa, "eles conseguiram processar imagens vistas por pessoas ligadas a aparelhos de ressonância magnética". As impressões utilizadas na pesquisa foram claramente recebidas pelo olho físico e processadas pelos neurônios.


Mas a ciência avança de forma fantástica na direção certa, e como diz Kardec, na obra citada acima, "As idéias só se transformam com o tempo e não subitamente".


* Claudia Cardamone nasceu em 31 de outubro de 1969, na cidade de São Paulo/SP. Formada em Psicologia, no ano de 1996, pelas FMU em São Paulo. Reside atualmente em Santa Catarina, onde trabalha como artesã. É espírita e trabalhadora da Associação Espírita Seareiros do Bem, em Palhoça/SC.