Espiritismo .NET

Bebê ‘volta à vida’ após passar 5 horas em refrigerador de hospital em Israel

Bebê ‘volta à vida’ após passar 5 horas em refrigerador de hospital em Israel



Considerada morta, menina quase foi levada para ser enterrada. Baixa temperatura pode ter ajudado bebê a sobreviver, diz médico.


Uma bebê israelense que havia sido considerada morta pelos médicos "voltou à vida" nesta segunda-feira (18), depois de passar horas dentro de um refrigerador de um hospital em Jerusalém.


A menina, que nasceu pesando apenas 600 gramas, passou pelo menos cinco horas em um dos compartimentos refrigerados do hospital depois de ter sido dada como morta. Quando foi retirada para que fosse enterrada, seus pais começaram a notar alguns movimentos.


"Nós a desembrulhamos e sentimos que ela estava se mexendo. Nós não acreditamos no começo. Então ela começou a segurar a mão da minha mãe, e então vimos ela abrir a boca", disse Faiza Magdoub, de 26 anos, mãe do bebê.


O bebê havia sido considerado morto algumas horas antes, depois que médicos do hospital Western Galilee, norte de Israel, foram obrigados a abortar a gravidez para conter uma hemorragia interna na mãe. Magdoub estava na vigésima terceira semana de gravidez.


"Não sabemos como explicar isso, então quando não sabemos como explicar as coisas na medicina, chamamos de milagre, e isso é provavelmente o que aconteceu", disse o vice-diretor do hospital, Moshe Daniel.


O bebê foi então levado à unidade de tratamento intensivo neonatal do hospital, mas os médicos não tinham certeza de quanto tempo ela irá sobreviver.


Motti Ravid, um professor de medicina interna, disse ao canal 10 de Israel que a baixa temperatura dentro do refrigerador diminuiu o metabolismo do bebê e provavelmente ajudou-a a sobreviver.


Notícia publicada no Portal G1, em 18 de agosto de 2008.



Claudia Cardamone* comenta


Milagre é uma palavra que para o Espiritismo quer dizer imcompreendido. Não existem milagres ou fenômenos inexplicáveis, existem fenômenos e acontecimentos que não compreendemos, porque ignoramos as causas.


"O fato da volta à vida corporal, de um indivíduo realmente morto, seria contrário às leis da natureza, e por conseguinte, mais miraculoso". Este trecho retirado do cap. XV, item 39, do livro "A Gênese", de Allan Kardec, demonstra que o bebê não havia morrido, apesar de ter sido dado como morto. A doutrina espírita nos explica que a união da alma com o corpo começa na concepção, mas não se completa senão no instante do nascimento, isto demonstra que o bebê já tinha alma, mas esta união ainda não estava completa, e talvez este tempo em que ele parecia estar morto, foi exatamente o tempo necessário para a finalização da união, visto que o momento do nascimento foi antecipado por motivo de saúde.


Ao entrar em contato novamente com o calor do corpo humano, o corpo do bebê foi retomando a temperatura natural, e o espírito agora unido ao corpo pode finalmente se manifestar.


Quem não nos garante que este procedimento de manter o corpo do bebê refrigerado por 5 horas não foi uma inspiração dos bons espíritos aos médicos, para que o espírito do bebê finalizasse a união? Como podemos tentar compreender situações, as quais não temos todas as informações necessárias?


* Claudia Cardamone nasceu em 31 de outubro de 1969, na cidade de São Paulo/SP. Formada em Psicologia, no ano de 1996, pelas FMU em São Paulo. Reside atualmente em Santa Catarina, onde trabalha como artesã. É espírita e trabalhadora da Associação Espírita Seareiros do Bem, em Palhoça/SC.