Espiritismo .NET

Casal britânico quer direito de escolher embrião surdo

Casal britânico quer direito de escolher embrião surdo



Um casal britânico de surdos iniciou uma polêmica ao afirmar que quer selecionar um bebê com a mesma característica no processo de fertilização artificial ao qual deve se submeter.


Tomato e Paula Lichy se transformaram em ícones do movimento dos portadores de deficiência auditiva na Grã-Bretanha, que não considera a surdez uma deficiência, mas sim o primeiro passo para uma cultura rica, com sua própria linguagem, história e tradições.


O casal já tem uma filha portadora de deficiência auditiva e quer ter uma outra criança. Paula, que já tem mais de 40 anos, provavelmente precisará de um tratamento de fertilização.


A Lei de Embriologia e Fertilização Humana da Grã-Bretanha não permite que casais que passem por tratamentos do tipo escolham os embriões que possam desenvolver algum problema, anormalidade ou condição médica, deixando de lado os embriões considerados normais.


"A questão central é que o governo afirma que pessoas surdas não são iguais às pessoas que ouvem", disse Lichy à BBC.



Polêmica


Segundo a lei britânica, se o casal se submeter ao tratamento e produzir apenas embriões portadores de deficiência auditiva, eles poderão implantar um destes - mas é pouco provável que não seja produzido nenhum embrião considerado normal.


Se o casal pedir para que os embriões sejam testados, eles serão obrigados a escolher o que não é portador da deficiência auditiva.


O teste dos embriões não é obrigatório, e o casal pode simplesmente apostar na sorte de que um embrião portador de surdez seja o escolhido.


Um dos argumentos de Tomato Lichy é que a surdez não é uma deficiência. Para o ativista, a inabilidade para ouvir é uma parte integral de sua identidade e aqueles que conseguem ouvir é que estão em desvantagem em seu mundo.


Mas o argumento dele não é aceito por uma das organizações que faz campanha pelos portadores de deficiência auditiva na Grã-Bretanha, o Instituto Real para Pessoas Surdas.


"A surdez é uma deficiência e passamos muito tempo fazendo campanha para melhorar as vidas das pessoas que têm o problema. Com certeza não é um insulto aos surdos afirmar que é melhor criar uma criança que vai enfrentar menos dificuldades, quando se pode fazer uma escolha", afirmou o diretor-executivo da organização, Jackie Ballard.


Uma pesquisa da Universidade de Leeds, na Grã-Bretanha, descobriu que a grande maioria das pessoas surdas pesquisadas não tinha preferência - ficariam felizes se tivesse um filho surdo ou normal.


Notícia publicada na BBC Brasil, em 12 de março de 2008.



Mário Coelho* comenta


Há sempre uma visão deturpada acerca de como os outros devem se posicionar na vida. E sempre medimos os outros pela nossa régua pessoal.


O que vemos neste casal é algo que para o vulgo é uma escolha equivocada e para eles é bastante razoável, querer ser pai de criança com deficiência auditiva, escolhendo o embrião que traga no seu mapa genético esta característica.


O casal é deficiente auditivo, a filha é deficiente auditivo e todos eles devem ter passado dificuldades por esse fato, mas isto não os fizeram ter preconceitos como os outros tiveram com eles.


Parecem ser almas com conquistas espirituais e que trazem no imo do seu ser uma vontade de dar oportunidade a uma outra alma que necessite passar por isto. Claro que tudo se passa no campo do inconsciente, mas a vontade deles é tanta que somente olhando por este ângulo compreendemos tal gesto.


Alguém precisa ser pais dos que precisam passar pelas lutas terrenas e muitos desses pais são espíritos que, mesmo não tendo qualquer religião formal, compreenderam a máxima: "É dando que se recebe" e doam amor e receberão amor pelo sacrifício que fazem.


* Mário Coelho é médico, pós-graduado em Cardiologia. É trabalhador do Centro Espírita Léon Denis, no Rio de Janeiro e colaborador regular do portal Espiritismo.net.