Espiritismo .NET

COME MUITO por que está TRISTE ou...

COME MUITO por que está TRISTE ou...



...fica triste por que come demais? Essa pergunta capciosa tem intrigado os cientistas. Estudos recentes indicam que há uma estreita relação entre a depressão e a obesidade. Um mal pode levar ao outro - e vice-versa


por Igor Paulin


A depressão está na balança e, parece, bem acima do peso. A obesidade foi parar no divã, os quilos a mais estão recheados de tristeza e abatimento. E os médicos das mais diversas especialidades concordam: uma doença está fortemente associada à outra. Aproximadamente 30% das pessoas que procuram tratamento para emagrecer apresentam depressão, diz Anete Abdo, endocrinologista do Projeto de Atendimento ao Obeso, do Hospital das Clínicas de São Paulo.


Em comparação com os magros, quem sofre com o excesso de peso tem até três vezes mais risco de, em alguma fase da vida, ficar deprimido. É uma via de dois rumos, salienta a psiquiatra Alexandrina Meleiro, do Instituto de Psiquiatria, também do HC paulistano. Segundo ela, esse problema emocional pode ter como sintoma o aumento do apetite e, até mesmo, incontroláveis compulsões por comida. São as chamadas farras alimentares, episódios em que o indivíduo come à beça, depois se arrepende e fica com baixa auto-estima, explica o psiquiatra Acioly Lacerda, professor da Universidade Federal de São Paulo.


No Hospital São Vicente de Paulo, no Distrito Federal, de 300 pessoas que sofrem com a depressão e são tratadas com antidepressivos, 186 estão com a barriga saliente, com gordura de sobra. As informações são de um estudo recente da Universidade de Brasília. Esses dados não apontam como se dá a associação entre um mal e outro, mas demonstram o quanto ela é forte, diz a nutricionista Helicínia Peixoto, autora da pesquisa. O trabalho também não avaliou se o que surgiu primeiro foi a grande circunferência abdominal ou a tristeza patológica. Entretanto, uma das hipóteses é a de que os remédios tenham impulsionado o ganho de peso algo que comprovadamente ocorre entre os mais diferentes tipos de antidepressivo. Alguns deles aumentam o apetite e outros alteram o metabolismo. Nesse caso, mesmo que o indivíduo continue comendo a mesma quantidade de calorias, ele acaba engordando, pondera Acioly Lacerda.


Rolha de poço, baleia ou simplesmente gordo é quase certo que quem teve problemas de peso durante o período escolar sofreu com apelidos nada carinhosos como esses. Na vida adulta, embora o convívio social seja mais polido e politicamente correto, o preconceito continua. O obeso não cabe na cadeira do cinema, é motivo de piada entre os amigos e está fora do padrão de beleza. Ele se sente deslocado, diz Alexandrina Meleiro. Aí é que aparece o risco de desenvolver males do trato emocional. A pessoa fica insatisfeita com a própria imagem e tem vergonha de ir à praia, exemplifica a psicóloga Mara Lofrano, do Grupo de Estudos da Obesidade (GEO) da Universidade Federal de São Paulo.


A apatia, a sonolência, as dores no corpo, o desânimo e a fadiga, muitas vezes já existentes em decorrência do acúmulo de gordura no corpo, tornam-se mais freqüentes e são absorvidos como características de personalidade pelo próprio indivíduo. Pronto, a depressão pode estar instalada. O aparecimento dessa doença é mais comum em jovens e mulheres com obesidade severa, o tipo mais grave do problema, nota Anete Abdo. A combinação é explosiva: torna o tratamento ainda mais difícil e intensifica a gravidade de ambos os males.


Surge, a partir daí, uma espécie de ciclo gorduroso. A pessoa come para compensar a tristeza e, simultaneamente, a prostração gera mais barriga. Internamente, no organismo, a depressão aumenta a circulação do cortisol. Essa substância, que também é conhecida por hormônio do estresse, pode induzir ao acúmulo de células de gordura na região abdominal. Além disso, a melancolia profunda reduz a produção de outros dois hormônios, a serotonina e a noradrenalina. O resultado dessa disfunção é aquela vontade louca de comer carboidratos isto é, doces, pães e massas.


Nesse jogo de cartas marcadas, quem pode dar o ar da graça é a síndrome metabólica, um transtorno que combina o excesso de peso com doenças do coração e a resistência à insulina, distúrbio que precede o diabete tipo 2. A associação entre problemas mentais e a síndrome é bem freqüente, ratifica Anete. Para liquidar com todos esses males e evitar que se agravem, é preciso contar com um time de especialistas. É um combate multidisciplinar, que envolve psicólogos, nutricionistas e muita atividade física, conta o endocrinologista Lian Tock, do GEO. Seria o jeito de descartar ambas as doenças em uma só jogada. Tratar a depressão melhora a adesão e os resultados do tratamento da obesidade, afirma Anete. Vale lembrar que muitos antidepressivos levam ao aumento de peso e do apetite. Então, antes de se encher de cápsulas para mandar a tristeza embora, é bom conversar com o médico para averigüar as opções que não vão empurrar os quilos lá para cima. Exercício físico, aliás, é fundamental. Ele eleva o gasto energético e melhora o humor, diz Anete. Aí, depressão e obesidade se transformam em cartas fora do baralho.


Matéria publicada na Revista Saúde!, em janeiro de 2008.