Espiritismo .NET

O equívoco do retrato de Kardec

O equívoco do retrato de Kardec


Sônia Zaghetto



Uma das mais famosas imagens de Allan Kardec pode não retratar o Codificador do Espiritismo. O desenho que mostraria Kardec aos 25 anos de idade provavelmente é um auto-retrato do pintor francês Raymond Auguste Quinsac Monvoisin (1790 – 1870).


Membro da Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas, Monvoisin é o autor de um retrato do Codificador do Espiritismo. Foi uma doação de oito quadros desse pintor renomado que estimulou em Kardec o desejo de fazer um Museu Espírita. A idéia foi apresentada pelo Codificador na Revista Espírita de dezembro de 1868. O texto sobre a "Constituição Transitória do Espiritismo" apresentava os planos de Kardec para o futuro do Espiritismo. Ele incluiu, entre as diversas ações a cargo do Comitê Central, a criação de um museu que reunisse “as primeiras obras de arte espírita, os trabalhos mediúnicos mais notáveis, os retratos dos adeptos que bem tiverem merecido da Causa por seu devotamento, os dos homens que o Espiritismo honra, posto que estranhos à Doutrina, como benfeitores da humanidade, grandes gênios missionários do progresso”.


Precisamente nesse item, Kardec acrescentou uma nota em que afirma que "o futuro museu já possui oito quadros de grandes dimensões, que só esperam um local conveniente, verdadeiras obras-primas de arte, especialmente executadas em vista do Espiritismo, por um artista de renome, que generosamente os ofereceu à Doutrina. É a inauguração da arte espírita, por um homem que reuniu a fé sincera ao talento dos grandes mestres”. A nota encerra com uma promessa: “Em tempo hábil daremos sua descrição detalhada". Não foi possível, pois três meses depois Kardec desencarnou e o nome do pintor e das obras ficou oculto.


O assunto voltou às páginas da Revista em julho de 1869, no texto "Museu do Espiritismo”, no qual se lê um resumo sobre os planos de Allan Kardec sobre o museu e uma lista dos quadros mencionados pelo Codificador: Retrato alegórico do Sr. Allan Kardec; Retrato do autor (Monvoisin); três cenas espíritas da vida Jeanne d’Arc (Jeanne na fonte, Jeanne ferida e Jeanne sobre a fogueira); o Auto-de-fé de João Huss; um quadro simbólico das Três Revelações, e a Aparição de Jesus entre os apóstolos, depois da morte corporal.


Diz o texto da Revista, que foi extraído da ata da sessão da Sociedade ocorrida em 7 de maio de 1869: “Quando o Sr. Allan Kardec publicou esse artigo na Revista, ele tinha a intenção de dar a conhecer o nome do autor, a fim de que todos pudessem render homenagem a seu talento e à firmeza de suas convicções. Se disso nada fez, é que aquele, que a maioria dentre vós conhece, por um sentimento de modéstia que compreendeis facilmente, desejava guardar o incógnito e não ser conhecido senão depois de sua morte. Hoje as circunstâncias mudaram, o Sr. Allan Kardec não está mais entre nós, e, se devemos nos esforçar por executar os seus desejos tanto quanto o possamos, devemos também, todas as vezes de que disso tivermos a possibilidade, pôr nossa responsabilidade a coberto e evitar as eventualidades que os acontecimentos imprevistos ou as manobras malevolentes possam fazer surgir. É com esta intenção, senhores, que a senhora Allan Kardec me encarrega de vos saber fazer que seis dos quadros designados acima, foram remetidos às mãos de seu marido, que se acham atualmente entre os seus, e que ela os conservará em depósito até que um local apropriado, comprado com os fundos provenientes da caixa geral, e gerido por conseqüência sob a direção da comissão central encarregado dos interesses gerais da Doutrina, permita dispô-los de maneira conveniente”.


O texto prossegue, informando que, doravante, todo espírita poderia examinar e apreciar os quadros na residência particular da senhora Allan Kardec, às quartas-feiras, de duas horas às quatro horas. A Revista informou que dois quadros ainda estavam com o autor, que é finalmente identificado: “É, com efeito, o Sr. Monvoisin que, haurindo uma nova energia na firmeza de suas convicções, quis, apesar de sua idade avançada, concorrer ao desenvolvimento da Doutrina, abrindo uma era nova para a pintura, e se pondo à frente daqueles que, no futuro, ilustrarão a arte espírita. Nós não diremos mais a esse respeito; o Sr. Monvoisin é conhecido e apreciado por todos, tanto quanto artista de talento como espírita devotado, e ele tomará lugar ao lado do mestre, nas fileiras daqueles que terão muito merecido do Espiritismo”.


Como se observa, entre as obras listadas há um retrato de Kardec e um auto-retrato de Monvoisin.  Em 1954 – quando todos os que conviveram com Kardec e Monvoisin já haviam falecido e os arquivos da Sociedade de Paris haviam sofriam os efeitos dos transtornos de duas guerras mundiais – a Revue Spirite publicou, pela primeira vez, o suposto retrato de Allan Kardec aos 25 anos. Repetiu o retrato na edição de 1962. A partir de então, pesquisadores e biógrafos brasileiros passaram a utilizar a imagem como sendo o Codificador na juventude.


Entretanto, uma comparação entre os auto-retratos de Monvoisin atualmente disponíveis em diversos museus e coleções particulares mostram uma espantosa semelhança com a suposta imagem de Kardec aos 25 anos. Os mais impressionantes são retratos obtidos junto ao Museo de Bellas Artes do Chile (disponível no site www.artistasplasticoschilenos) e o que pode ser conferido no endereço www.naon.com/dic03/htms/dic03_051esp.htm - este é uma pintura a óleo vendida em dezembro de 2003 por 53 mil dólares, pela empresa argentina J.C Naón e Cia S.A, especializada em leilões de objetos de arte. O quadro, que constava do lote 4, foi adquirido por um colecionador particular. A Naón garante a autenticidade: é um auto-retrato de Monvoisin. Apesar de um pouco mais velho, são perceptíveis as semelhanças com a imagem de Kardec aos 25 anos: a farta cabeleira, o nariz alongado, a barba rala e o formato dos lábios, do rosto, dos olhos e das sobrancelhas. No Portal de Arte (www.portaldearte.cl/autores/monvoisin1.htm), patrocinado pelo Ministério da Educação, pela UNESCO e pelo Museo Nacional de Bellas Artes do Chile, também há um auto-retrato de Monvoisin em absolutamente tudo assemelhado ao que se acredita ser Kardec.  Outro site com a imagem do pintor é http://www.sellos.uchile.cl/artistas1g.html, mantido pela Universidade do Chile, traz o registro de selos chilenos. Raymond Monvoisin é listado entre os artistas sobre cujo trabalho foram feitos os selos e seu retrato consta da página principal.


Lançada a questão, que cada um analise, compare e tire as conclusões que achar convenientes.



Quem é Raymond Monvoisin


Raymond Auguste Quinsac Monvoisin nasceu em 31 de maio de 1790, em Bordeaux, França. Pintor de gênero, paisagem, história e retrato, foi um dos mais destacados discípulos do Barão Guérin na Escola de Belas Artes de Paris.


Premiado diversas vezes, aos 27 anos tornou-se pensionário do rei da França, em Roma. Ao voltar à França, distinguiu-se nos Salons e por duas vezes foi premiado com o primeiro lugar. Dessa época, que se estendeu até 1842, datam suas séries de retratos dos reis da França e dos marechais da Renascença, encomendados pelo governo para as galerias históricas do palácio de Versailles.


No dia 15 de março de 1825 casou-se com a aquarelista Dominica Festa, com quem teve sua primeira filha: Blanca. Em 1836, Monvoisin – que tinha um forte temperamento – desentendeu-se com o diretor dos museus reais franceses, Sr. de  Cailleux. Abalado pelo episódio e por outros problemas particulares deixou a França em maio de 1842.  Veio para a América do Sul. Monvoisin e Rugendas foram os dois mais importantes artistas a visitar o continente americano nessa época. Depois de uma rápida passagem por Buenos Aires, chegou ao Chile em janeiro de 1843, portando pouco mais de dez painéis que foram exibidos em março daquele ano na Universidade de São Filipe. Essa mostra, que tornou-se um marco na história da arte no Chile, atraiu a atenção de diversas personalidades e causou admiração pela perícia e beleza das obras. Monvoisin recebeu pelo menos uma centena de encomendas de retratos: pintou praticamente toda a aristocracia chilena da época, ajudado por uma aluna: Clara Filleul. O governo prometeu-lhe a direção da futura academia de desenho e pintura do Chile, mas acabou por escolher o italiano Alexandre Cicarelli.


Depois de algum tempo, Monvoisin visitou o Peru e o Brasil. Chegou ao Rio de janeiro em 19 de outubro de 1847. Em carta ao irmão, reclamou do calor e informou que pintaria um retrato de D. Pedro II, que o recebeu calorosamente. A pintura – que mostra D. Pedro de pé, em traje imperial – é considerado o mais fiel retrato do imperador brasileiro.  Em reconhecimento, D. Pedro concedeu ao artista a insígnia de Cavaleiro da Ordem do Cruzeiro e uma pêndula de bronze. O quadro – que pode ser visto no Museu Imperial de Petrópolis – pertence ao príncipe D. João de Orleans e Bragança, bisneto de D. Pedro II. O imperador tinha, em sua pinacoteca no paço S. Cristóvão, outro quadro de Monvoisin: Jovem Peruano (ou Jovem Araucano). O arquivo do Museu Imperial mantém um auto-retrato de Monvoisin, já bastante idoso.


Monvoisin voltou à França em 1858, quando o Espiritismo nascente atraía a atenção geral. Tornou-se espírita e adepto da homeopatia. A primeira referência a ele na Revista Espírita data de maio de 1866. A seção “Conversas de Além-Túmulo” traz a transcrição de uma evocação do espírito do Abade Laverdet, um dos pastores da Igreja francesa, ocorrida no dia 5 de janeiro de 1866. Ali, Kardec informa que “um dos mais íntimos amigos do abade, o Sr. Monvoisin, o eminente pintor de história, espírita fervoroso, tendo desejado ter dele algumas palavras de além-túmulo, nos pediu para evocá-lo”.


O pintor faleceu em Boulogne-sur-Seine (Paris), no dia 26 de março de 1870, em decorrência de uma broncopneumonia.  Na edição de maio daquele ano, a Revista Espírita noticiou a desencarnação com ampla reportagem, em que são contadas sua vida e sua dedicação ao Espiritismo. No texto são citadas diversas frases de sua autoria. Entre elas: “Eu serei o precursor e o pai da pintura espírita”. Ao desencarnar, Monvoisin trabalhava em uma série de retratos dos precursores do Espiritismo.