Da BBC News Brasil

 

Cada vez mais jovens no Reino Unido optam por não ter filhos e muitos se submetem a procedimentos de esterilização para cortar esse risco de vez.

Pesquisas indicam que, no país, uma em cada cinco mulheres chegará à menopausa sem filhos, parte delas por decisão própria. Esse número é o dobro do registrado há 30 anos.

Não há estatísticas nacionais para o caso dos homens, mas dados europeus apontam para tendências semelhantes.

Entre aqueles que optaram por procedimentos de esterilização, estão cinco britânicos entrevistados para o especial Extraordinary Bodies (Corpos Extraordinários) do canal digital BBC Three.

São homens e mulheres por volta dos 30 anos que contam como chegaram à decisão irreversível; eles lutam pelo direito de ter o procedimento pago pelo serviço público de saúde do Reino Unido (NHS, na sigla em inglês).

 

'Seria uma boa mãe'

"Tenho certeza que seria uma boa mãe, mas não é o que eu quero", garante Andie, sentada numa cama com bichos de pelúcia.

A jovem não se identifica com um gênero específico e prefere ser chamada pela forma inglesa neutra "they" ("eles"). Ela trabalha como profissional do sexo, no qual o risco de gravidez é alto.

Os jogos e acessórios infantis se espalham pelo quarto de Andie, que explica se sentir uma criança num corpo de adulta: "Tive uma infância muito difícil e durante a maior parte dela não pude ser uma criança. Então eu sinto que estou vivendo isso agora".

Andie não conheceu seu pai e diz que sua mãe a "rejeita".

"Estou 100% segura de que não quero ter filhos porque não quero que eles passem o que eu passei", confessa Andie, que vai mais fundo em sua convicção: "Tenho problemas mentais que não quero que sejam transmitidos a outros".

Ela conseguiu que autoridades aprovassem o pagamento de uma ligadura de trompas, embora não tenha sido fácil. "Tenho amigas de 40 anos cujos médicos de família dizem 'não'".Os jogos e acessórios infantis se espalham pelo quarto de Andie, que explica se sentir uma criança num corpo de adulta: "Tive uma infância muito difícil e durante a maior parte dela não pude ser uma criança. Então eu sinto que estou vivendo isso agora".

Andie não conheceu seu pai e diz que sua mãe a "rejeita".

"Estou 100% segura de que não quero ter filhos porque não quero que eles passem o que eu passei", confessa Andie, que vai mais fundo em sua convicção: "Tenho problemas mentais que não quero que sejam transmitidos a outros".

Ela conseguiu que autoridades aprovassem o pagamento de uma ligadura de trompas, embora não tenha sido fácil. "Tenho amigas de 40 anos cujos médicos de família dizem 'não'".

Andie acredita que esta (a negação por médicos) é mais uma forma de evitar que mulheres tenham controle sobre seu próprio corpo, como acontece com a proibição do aborto em alguns países - entre eles o Brasil.

"Há muitas pessoas que não são capazes de serem mães ou pais. Mas estão tendo filhos, e o Estado os apoia. E para os que estão certos de que não querem tê-los, dificulta o processo!".

 

'Vi pais que não podem lidar com os filhos'

Vaughan sofre de autismo, mas num grau tão leve que não é percebido por muitas pessoas. O jovem de 30 anos sabe do forte componente hereditário da condição.

"Fico assustado com a ideia de ter filhos e o que isto pode significar", diz. "Vi muitos pais que não podem lidar com filhos que têm essa síndrome, e não quero correr o mesmo risco".

Vaughan tem tanto medo de ter filhos que costuma ter pesadelos. "Houve situações em que praticamente tentaram me forçar a ter relações sexuais, tive que lutar contra isso porque não queria engravidar ninguém", conta.

Sua ansiedade era tamanha que não quis esperar por uma decisão do NHS e foi a uma clínica particular para fazer a vasectomia.

Mas, no dia da operação, teve de lidar com outra preocupação. "Quando o médico e a enfermeira souberam que eu era solteiro, me perguntaram se tinha certeza de que queria fazer a operação. Comentei que me deixava preocupado o fator de ter de contar a uma futura companheira que era estéril".

"Recomendaram que esperasse ter um relacionamento estável antes de tomar uma decisão. E cancelaram o procedimento", comenta.

 

'Não sabe o que está fazendo'

Assim que completou 18 anos, Paul pediu a seu médico de família que indicasse um especialista para fazer uma vasectomia. Desde então, durante uma década, voltava para consultas a cada ano e meio, sempre recebendo uma resposta negativa.

"Eles diziam 'você é muito jovem', 'você não sabe o que está fazendo' ou apenas 'vá embora'".

Paul nunca sentiu um "instinto paternal" e sua esposa concorda com sua decisão de não ser pai. Mas essa não é a única razão.

O jovem de 29 anos tem diabetes tipo 1, uma enfermidade que pode levar à morte se não controlada de forma constante. Os fatores de risco são hereditários e, segundo estudos, o transtorno aumenta o risco de depressão - da qual Paul também sofre.

"Que eu sofra de depressão não significa que a criança vá também, mas as chances são maiores. E não quero que isso ocorra, ter um transtorno mental é algo muito difícil para qualquer um", afirma.

Seus amigos o apoiam. "Se Paul não quer ter filho e decidiu ser esterilizado é um passo a frente na nossa civilização. Em 100 anos, uma em cada cinco pessoas fará isso. Paul é mais civilizado do que o resto de nós", opina um deles.

Após insistir por 11 anos, uma nova médica se mostrou "mais receptiva" ao seu pedido. "Ela acredita que cada um deve poder decidir se quer ter filhos ou não", disse o jovem no dia da operação, filmada pela equipe do programa.

"Sinto-me aliviado porque não tenho mais risco de ter crianças no futuro", diz Paul. "Agora, posso seguir em frente com minhas aventuras sexuais sem ter que pagar o preço... brincadeira".

 

'Me disseram que era insensível'

 

O argumento usado por Paul em tom de brincadeira foi a razão usada por Holly para lutar pelo direito de ter suas trompas laqueadas. E por defender esse direito em um artigo publicado na redes sociais, foi ferozmente criticada.

O artigo de Holly teve grande repercussão nos meios de comunicação britânicos e despertou polêmica. Ela conseguiu que o NHS bancasse a operação.

"Pague sua cirurgia e pare de desperdiçar recursos públicos. Por que você não se torna responsável pela sua própria vida sexual, usa métodos contraceptivos como o resto de nós e deixa de agir como uma adolescente insolente que acredita que merece tudo?", disse uma internauta no Facebook.

"Me disseram muitas vezes que deveria me matar, que sou insensível como ser humano porque não vou me reproduzir", conta Holly. "Passo muito tempo pensando nisso, pesquisando e lutando... A pessoa não toma uma decisão irreversível dessas a menos que esteja 100% segura", defende-se.

Aos 30 anos, ela está convencida de que seu desejo de não ser mãe a acompanhará pelo resto da vida e teve a prova disso no ano passado, quando ficou grávida.

"Acho que nunca chorei tanto em toda a minha vida. Não sabia o que fazer", lembra.

"Não acho que seria capaz de abortar. Então estava certa de que não teria outra opção que não fosse dar o bebê à adoção. Ao final isso não foi necessário porque o bebê não sobreviveu. E eu sei que as pessoas dirão que eu provoquei isso. Que o bebê não se sentiu querido e não pôde permanecer", conta com timidez.

 

'Fisicamente, não podia lidar com um filho'

As razões de Leah são complicadas. Por um lado, ela admite não sentir simpatia por crianças: "Para mim, é como tentar interagir com um objeto estranho".

Por outro, não se sente fisicamente capaz: sofre de depressão e fadiga crônica - do tipo de cansaço intenso e contínuo que não se resolve com o simples descanso.

"Fisicamente, não poderia lidar com um filho", conclui a jovem de 29 anos.

"Eu teria que parar de tomar meu remédio durante a gravidez porque isto afetaria a saúde da criança. Mas meu remédio é o que me mantém acordada e sem dor, o que me ajuda ser uma pessoa normal", destaca.

Seu namorado, Phil, compartilha de sua decisão de não ter filhos e seus pais a entendem.

"Apoiamos totalmente", dizem os pais.

Notícia publicada na BBC News Brasil, em 21 de abril de 2017

Telma Cerqueira* comenta

O tema abordado nesse artigo e os depoimentos colhidos nos revelam um quadro mais do que preocupante. Podemos dizer que chega a ser  alarmante. Na origem disso tudo estão os traumas dos mais diversos (desta e de outras existências), que resultam em graves distúrbios psíquicos e emocionais.

Estamos diante de uma verdadeira pandemia que coloca em xeque valores morais e éticos da nossa civilização. Isso é próprio dessa fase de transição que o planeta atravessa. Não há como estabelecer um juízo sem levar em consideração os fatores geradores, com suas especificidades. Pelos relatos, fica evidente que esses Espíritos trazem um sofrimento imenso que é traduzido nas relações que estabelecem entre o mundo intimo de cada um e o cenário onde vivem suas experiências.

Assim, de relance, podemos mencionar como fatores geradores desses distúrbios, várias causas como, por exemplo: o sexo mal conduzido, a rejeição, a violência em diferentes graus, o aborto, todos frutos da exacerbação do egoísmo e do orgulho que trazemos em nossa alma, por isso os Espíritos nos advertem, dizendo que o egoísmo é a chaga da Humanidade , são feridas abertas, expostas que revelam como estamos ainda, distantes do amor que Jesus nos ensinou.

Além disso, não podemos ignorar os processos obsessivos decorrentes de atos praticados gerando consequências graves vivenciadas através das provas e das expiações que podem levar séculos para serem expungidas e reabilitadas com as Leis Divinas, ainda desconhecidas pelo homem.

Vivemos dias graves que nos sensibilizam e chamam a nossa atenção para olhar para dentro de nós, no sentido de buscar forças e aprendermos a sentir o outro como irmão, sem julgamentos porque não sabemos o tamanho da dor, da solidão, dos conflitos íntimos que ele traz na sua alma e esse estado de alma pode ser um gatilho para que esse companheiro, esse irmão busque sair da vida, não para morrer, mas para sair do sofrimento.

Muitas pessoas a nossa volta parecem estar inteiramente perdidas, num vazio íntimo sem entender o verdadeiro sentido da vida. E isso nos causa um sentimento de verdadeira compaixão e como trabalhadores do Cristo, nos perguntamos: o que podemos fazer? Orar por esses irmãos seria a nossa primeira providencia...

Em nossos dias, sabemos que a depressão, os distúrbios mentais de toda a ordem, a dependência química são fatores que estão associados a 90% dos casos de suicídios no Brasil e no Mundo.

Isso nos é mostrado em estatísticas recentes e por isso, é preciso estar mais atentos porque a cada momento pode surgir uma oportunidade de fazer algo por alguém que implora socorro, pede ajuda sem palavras, mas em gestos ou através de alguma expressão que podemos entender como um “SOS”, e quem sabe podemos oferecer um ombro amigo, uma palavra de bom animo e de esperança.

 “Em muitas situações, simplesmente ouvir o desabafo de alguém aflito determina um bem maior ao coração dessa pessoa. Precisamos reconhecer o momento certo de agir e, com muito respeito, sejamos o instrumento que eventualmente a espiritualidade maior se utiliza para desanuviar uma crise, interromper a torrente de conflitos, resgatando a lucidez e a coragem de viver”. (André Trigueiro – Viver é a melhor opção)

Diz-nos Emmanuel, no livro ‘Justiça Divina”, na mensagem “Doenças da Alma”: “É necessário reconhecer que todos nós, espíritos encarnados e desencarnados em serviço na Terra, ante o volume dos débitos que contraímos nas existências passadas, somos doentes em laboriosa restauração.

O mundo não é apenas a escola, mas também o hospital em que sanamos desequilíbrios recidivantes, nas reencarnações regenerativas, através do sofrimento e do suor, a funcionarem por medicação compulsória.

Deixa, assim, que a compaixão retifique em ti próprio os velhos males que toleras nos outros”.

Que possamos olhar o outro sem julgamentos, sem criticas. Olhar com compaixão aceitando as suas atitudes diante da vida e entendendo que ali pode estar presente uma grande dor, uma grande prova que exige de nos compreensão, amor e respeito porque ele é nosso irmão.

Muita paz

 

Referencias bibliográficas:

Viver é a Melhor opção – André Trigueiro

Justiça Divina – Emmanuel – psicografia de Francisco candido Xavier - FEB

 

* Telma Simões Cerqueira é Bacharel em Nutrição pela Universidade Veiga de Almeida, artista plástica e expositora espírita. Nasceu em lar evangélico, porém se tornou espírita nos arroubos da juventude, conhecendo a Doutrina Espírita aos 23 anos. Sempre ativa no Movimento Espírita, participa das atividades do Centro Espírita Jorge Niemeyer, em Vila Isabel, Rio de Janeiro/RJ.

Atendimento Fraterno via chat. De domingo a quinta-feira, das 20h às 22h, e em dias e horários alternativos.