Autor: 
André Henrique de Siqueira

Ante o pessimismo

 

 

 

A realidade é o conjunto dos fatos. O modo como a percebemos é função de nossos instrumentos de sensibilidade. A forma como a compreendemos depende de nossos conhecimentos, de nossa inteligência e capacidade de abstrair e ver relações. Mas sentimos o mundo com as emoções que cultivamos, com a disposição pela qual escolhemos apreciar a realidade.

 Jesus dizia: onde estiver o vosso tesouro, aí estará o vosso coração.

 O coração, pelas suas alterações de pulsação conforme o estado emocional do indivíduo, foi escolhido como símbolo das emoções e sentimentos.

 Colocamos os nossos sentimentos nos interesses que nos mobilizam, nos tesouros que elegemos para o cotidiano. Mas precisamos aprender a educar o pensamento e a emoção para construir um sentimento adequado diante da vida.

 É muito comum nos sentirmos abatidos diante das vissicitudes da existência, mas precisamos ter cuidados com o arco de nossas reflexões.

 Precisamos educar as nossas percepções para não nos deixarmos levar pelas meras aparências. É preciso aprimorar a percepção para ver a realidade das coisas. E é muito comum confundirmos nossas opiniões com fatos. Se uma fruta nos cai sobre a cabeça podemos emitir uma opinião: "Estou com azar!", ou podemos reconhecer um fato: uma fruta caiu sobre mim. São percepções diferentes que nos levam a modos diferentes de ver as coisas.

 Nossa compreensão depende do conhecimento que temos. Se não entendemos a lei da gravidade e o tempo de amadurecimento das frutas, atentos apenas ao horóscopo diário ou à superstição de que tudo se deve atribuir aos Espíritos, deixaremos de ver o fruto caído como parte da realidade das coisas que têm seu ciclo natural e poderemos ver a vida como uma armadilha criada pelo destino para nos fazer cair frutos na cabeça. Abrir nosso entendimento pelo estudo nos permitirá ter mais amplas ferramentas de compreensão. 

 Mas é com o sentimento que deveremos ter melhores cuidados. O sentimento é o significado psicológico que atribuímos às nossas emoções. Diante do fato do fruto caído sobre nossa cabeça podemos ter diferentes sentimentos:

 - de raiva, contra um pobre fruto ou árvore,

- de medo, contra o azar do dia,

- de rancor, contra nós mesmos por termos escolhido aquele caminho,

- de alegria, rindo de nossa desgraça com um fruto que nos atingiu,

- de reflexão, pensando no cuidado que devemos ter diante da vida.

 O conjunto e a combinação dos sentimentos nos leva a um estado de otimismo - a visão de que a vida pode ser ótima, ou de pessimismo - acreditando que a vida é péssima!

 Ante as perspectivas da imortalidade, quando sabemos que somos seres espirituais e a Terra é nossa bendita escola de aprendizagem, somos levados a cultivar o otimismo como modo de viver. Primeiro por reconhecermos em tudo a justiça de Deus. Segundo por compreender que todos os fatos da vida são lições das quais podemos extrair grandes aprendizados. E terceiro, o fato de sermos Espíritos imortais nos coloca em condição de evolução constante mesmo extinta a rápida experiência na Terra. É a mudança de ponto de vista de que nos falaram os Espíritos no Evangelho Segundo o Espiritismo, capítulo V, item 5:

 

             A idéia clara e precisa que se faça da vida futura proporciona inabalável fé no porvir, fé que acarreta enormes consequências sobre a moralização dos homens, porque muda completamente o ponto de vista sob o qual encaram eles a vida terrena. Para quem se coloca, pelo pensamento, na vida espiritual, que é indefinida, a vida corpórea se torna simples passagem, breve estada num pai ingrato. As vicissitudes e tribulações dessa vida não passam de incidentes que ele suporta com paciência, por sabê-las de curta duração, devendo seguir- se-lhes um estado mais ditoso. A morte nada mais restará de aterrador; deixa de ser a porta que se abre para o nada e torna-se a que dá para a libertação, pela qual entra o exilado numa mansão de bem-aventurança e de paz. Sabendo temporária e não definitiva a sua estada no lugar onde se encontra, menos atenção presta às preocupações da vida, resultando-lhe daí uma calma de espírito que tira àquela muito do seu amargor.

  

Diante dos fato adversos, saibamos modificar o nosso modo de perceber. Esforcemo-nos por educar nossa compreensão em busca de visões mais amplas e mudando o nosso pensamento saberemos agir com resiliência ante o pessimismo.  

 andrehsiqueira@espiritismo.net

Atendimento Fraterno via chat. De domingo a sexta-feira, das 20h às 22h; quinta-feira, das 08h15 às 11h15; e em dias e horários alternativos.