Por Fernanda Lima

 

Nem tudo são flores. Há também a maquiagem, o espelho, os colares. E também o plástico sobre os objetos que Ricardo retira do mar um dia depois da Festa de Iemanjá, no Rio Vermelho. Cinco anos antes, num passeio pelas areias na manhã de 3 de fevereiro, o vigia encontrou de dinheiro a aliança. “Aí não tem como não voltar, a gente vicia”, conta.

As ondas trazem de volta à areia presentes e ofensas - as garrafas plásticas, bitucas de cigarro e sandálias, por exemplo. “Bom, dizem que Iemanjá leva, mas não acho que leva. Perfume tem aos montes, dinheiro. Olha lá dentro [aponta para o mar], aquele pontinho branco é um mergulhador tentando encontrar coisa”, afirma Ricardo Souza, 47, de frente para o mar de onde já tirou, inclusive, R$ 200.

A coleta de presentes valiosos leva à praia os caçadores. É como se uma tradição tivesse surgido. Nem tão religiosa, mas tão antiga quanto às celebrações a Yayá, a rainha do mar. Nas pedras, Luís Marine, 52, veste o equipamento de mergulho e se prepara para o dia de buscas. “Dinheiro já achei muito. Vou deixar estragar é? Não posso”, diz. “Agora, se for assim, uma flor, coisa assim, não vou pegar, é presente”.

Os caçadores iniciam as buscas, geralmente, antes do amanhecer. Não querem correr o risco de os agentes da Limpurb descartarem como resíduo aquilo que, para eles, pode ser não só utilizável, como rentável. Na beirada do mar, colocam numa saca de frutas vazia os garimpos do dia. “Eu já encontrei relógio aqui, vendi. Tem até como ganhar dinheiro”, comenta um dos rastreadores de presentes, com pedido de não ser identificado. 

Ao que parece, a prática nem sempre é tão bem-vinda. Principalmente pelos filhos de orixá. Tirar do mar um presente para Iemanjá é uma ofensa à tradição e à espiritualidade, acreditam. No dia 3 de fevereiro, integrantes de terreiros também vão à praia para entregar novas e secretas oferendas. Quando ouviu da reportagem a prática, Washington Alves Silva, 51, respondeu: 

“O que colocamos lá [no mar] é de lá. Isso não existe, é feio, não se faz com Iemanjá. Pior ainda para quem pega, que vai atrair uma energia negativa, pois nos presentes estarão arriados também os nossos próprios pedidos”. 

 

Pela sustentabilidade
 

Às 6h30 do dia 2 de fevereiro, Patrícia Iglesias chegou à Praia do Rio Vermelho, de canoa. Na volta para a Praia da Preguiça, no Comércio, o remo travava em sacos e garrafas de plástico. Idealizadora do Projeto Praia Limpa Salvador, criado no ano passado, ela decidiu levar a ação de limpeza deste domingo para ali justamente para contribuir na redução da quantidade de lixo. Com ela, um grupo de pelo menos 20 pessoas, todos funcionários do Tecon Salvador, foram às areias do Rio Vermelho retirar os resíduos do dia anterior.

“Ouço muita gente dizendo que não tem ação, mas as ações existem [...] Sou devota e o melhor presente para ela [Iemanjá] é esse: a conscientização, o respeito”, declara a diretora comercial.

Os voluntários acharam de um tudo: até rosas de plásticos. “Esse aqui não quis colocar nem a flor natural”, brincou Bruno Ambrosi, 36, engenheiro.

A diferença da ação é tentar diferenciar o que é lixo do que é oferenda.

“Quer dizer, a tarefa é repensar como isso [a festa] pode acontecer de maneira mais sustentável. Até porque, o maior problema é sempre o microlixo”, opina Gilberto Robortella, 34, administrador

Na busca pelo respeito à tradição, o grupo se aliou à Colônia de Pescadores do Rio Vermelho. Quem melhor do que eles para lidar com o mar? “Ano passado, demos até premiação para as pessoas que recolhessem mais lixo. Isso é para mostrarmos que o mar precisa ser sustentável“, acredita Marcos Souza, 38, conhecido como Branco. Todos sabem, no entanto, o que não podem tirar do mar. “Não pegamos o que é dela [de Iemanjá] porque não pode”, determina.   

Em 2018, o vencedor foi Antônio Santana, 56. Ganhou, de prêmio, equipamentos de mergulho. “Tem muito vidro, garrafa, já vi isso assim que cheguei, umas 6h”, disse. Neste ano, ele e outros pescadores voltaram ao mar para tirar o lixo de perto de Iemanjá. Saudaram, de um jeito diferente, a Rainha de Mar. 

 

Notícia publicada no Correio 24horas, em 03 de fevereiro de 2019.  

Cristiano Carvalho Assis  * comenta

 

A reportagem nos lembrou bastante a música de Gilberto Gil quando ele versou:

A novidade veio dar à praia. Na qualidade rara de sereia. Metade o busto D'uma deusa Maia Metade um grande Rabo de baleia… Alguns a desejar seus beijos de deusa outros a desejar seu rabo prá ceia.

Que grande paradoxo o apresentado na reportagem, o mesmo fato trazendo interesses tão diversos. Alguns em busca do dinheiro, outros em busca de limpeza do meio ambiente e outros de sua espiritualidade.

Como Jesus nos ensinou “onde estiver o teu tesouro, aí estará também o teu coração” Mateus 6:21. Disso tiramos perguntas importantes: Qual o nosso interesse na vida? Como interpretamos os acontecimentos do nosso dia a dia? O que estamos buscando?

Dependendo de nossas respostas é provável sermos pessoas gananciosas, depressivas, reclamadoras, otimistas ou de fé. O fato na reportagem é apenas um: as oferendas deixadas para Iemanjá. Mas apenas um fato traz pensamentos, sentimentos e ambições totalmente diversos para cada um.

Em nossas vidas acontece da mesma maneira. Um mesmo acontecimento recebe respostas totalmente diferentes de nós. Mude as “oferendas de iemanjá” para perda de entes queridos, dores, contrariedades ou para vitórias, ganhar um prêmio ou conforto que as respostas serão diversas da mesma maneira.

Isso ocorre porque não são os fatos em si que determinam como agimos, mas sim, a base de nossos pensamentos que levarão às nossas escolhas e a forma que interpretaremos esses fatos.

Pegue qualquer acontecimento que o ambicioso tirará uma forma de ganhar dinheiro, o vaidoso de aparecer, o depressivo de ficar triste e o reclamador de fazer uma reclamação. Mas, da mesma forma, o sábio um ensinamento, o otimista uma forma de tirar o lado positivo, o caridoso de fazer o bem e o que tem fé de ver Deus.

Não é o fato em si o que importa, mas sim como o vemos. A lente que colocarmos diante de nossos olhos que fará como olharemos. Coloque uma lente cinza que tudo será cinza, mas coloque de outra cor que tudo se altera.

Isso é importante para nossas vidas? Com certeza, sabendo disso conseguimos nos autoconhecer e melhorar nossas vidas. As opiniões, interpretações e conclusões que damos não são verdades absolutas do mundo. São apenas “nossas verdades” que mostram quem somos. Nossas raivas, tristezas, medos e perdas podem ser transformadas apenas dando novos significados para elas.

A perda de entes queridos pode ser transformada em um até logo. As dores podem começar a ser aprendizados. As contrariedades livramento de algum mal. Mude sua forma ver que a vida muda.

 

* Cristiano Carvalho Assis é formado em Odontologia. Nasceu em Brasília/DF e reside atualmente em São Luís/MA. Na área espírita, é trabalhador do Centro Espírita Maranhense e colaborador do Serviço de Atendimento Fraterno do Espiritismo.net.

Atendimento Fraterno via chat. Domingos, segundas, terças e quintas-feiras, das 20h às 22h.