Espiritismo .NET

Amigos tentam entender morte de surfista que ensinou a viver intensamente

Adriano Wilkson e Beatriz Cesarini
Do UOL, em São Paulo

As lágrimas de um grupo de surfistas profissionais se misturaram ao mar do Havaí na tarde do último sábado (25) enquanto eles choravam a morte de um amigo próximo. Tinha dado off, o que na linguagem deles significava que, por falta de ondas no mar, não haveria competição. Eles fizeram uma roda e rezaram por Jean da Silva, o surfista catarinense que havia sido encontrado sem vida em sua casa, em Joinville, na noite anterior.

No meio da homenagem, Willian Cardoso, que cresceu ao lado de Jean nas ondas do litoral catarinense, percebeu que chovia. E que enquanto a chuva apertava, por trás das nuvens surgia um arco-íris. "Estava todo mundo devastado", contou ele horas depois. "Quando a chuva parou e o sol clareou, o arco-íris ficou mais forte."

Sobram dúvidas a respeito das circunstâncias da morte de Jean, e seus amigos mais próximos se afligem ao refletir sobre os últimos meses de vida do rapaz de 32 anos, bonito, sorridente, atlético, viajado. Patrocinado por uma marca de roupas esportivas, ele parecia passar por um momento estável na carreira e na vida pessoal. Adorava cozinhar e caçar ondas gigantes ao redor do mundo.

Tinha passado recentemente alguns meses em Mentaway, um arquipélago paradisíaco na Indonésia famoso por suas ondas, surfando e conhecendo melhor a cultura local. "Se tem uma coisa que ele me ensinou", diz Petterson Thomaz, um de seus amigos mais próximos, "foi a viver a vida intensamente."

Jean foi campeão brasileiro de surfe em 2010. Atleta profissional desde a adolescência, era bastante competitivo, mas ultimamente tinha se dedicado a uma jornada de autoconhecimento. Vinha surfando, cada dia mais, apenas pelo prazer de se comunicar com o mar. Praticava ioga, estudava formas de alimentação saudável, dedicava-se a sua religiosidade e convidava os amigos a provar sua especialidade na cozinha, o poke, um prato havaiano a base de atum cru e óleo de gergelim.

"Não tinha cara mais humilde e gente boa no circuito do surfe do que o Jean", diz o produtor de eventos André Zavarize, que o conheceu no ano em que ele se tornou o melhor surfista do país. "O cara era um monstro na água, voava, mas tratava todo mundo de igual para igual. Ele chegava e dizia: 'Ô André, posso pegar essa fruta? Posso pegar uma caixinha de cerveja pra comemorar?' E eu: 'Cara, você é campeão brasileiro, você pode fazer o que quiser!'"

André considerava Jean um irmão e diz que o surfista catarinense tinha uma vida muito confortável. "Em alguns anos chegou a viajar para uns 30, 40 países, para surfar", afirma ele. "Eu não encontrava tanto o Jean ultimamente, mas curtia as fotos na internet. Fico pensando se ninguém nunca percebeu uma faísca do fogaréu que podia estar consumindo ele por dentro."

Nômade das ondas

Conhecido como "Magrinho", Jean é lembrado como alguém que faria qualquer coisa para estar em cima de uma boa onda. Vivia como uma espécie de nômade moderno, estabelecendo-se na casa de amigos e conhecidos que moravam perto de praias importantes para o mundo do surfe.

Um dia, na Indonésia, depois de semanas de mar calmo, ele soube que havia previsão de swell, um fenômeno causado por tempestades e ventanias no meio do oceano que gera ondas limpas e altas no litoral. O sonho de todo surfista. Mas para Jean, havia dois problemas: ele tinha passagem marcada de volta para o Brasil e sofria com uma lesão no tímpano. Com a certeza da chegada do swell, não pensou duas vezes: adiou sua viagem e foi se consultar com um curandeiro local em busca de um tratamento alternativo para seu ouvido.

"Deu as melhores ondas daquele lugar em 20 anos, ondas gigantes, de três a quatro metros", lembra Petterson Thomaz. "Foi uma lição que ele me deu, ele acreditou que poderia melhorar e melhorou e deu aula de surfe durante esses três dias. Era a minha primeira vez lá e o mar estava gigante. Eu nunca tinha pegado ondas daquele tamanho. Eu estava com muito medo, mas ele me deu confiança para conseguir ir ao mar. Ele sempre me puxou ao meu limite."

Jean competia na divisão de acesso do circuito mundial. Willian Cardoso, que recentemente passou para a principal, caiu na água com o amigo no começo de novembro em Maresias (SP). Ele lembra que os dois entraram no mar juntos:

"Ele saiu em primeiro e eu em segundo. Nos abraçamos e foi isso. A gente tava nessa desde moleques, vivendo a mesma paixão por essa vida louca que o surfe nos dá."

Durante o último sábado, sua morte foi lamentada publicamente pelos principais nomes do surfe brasileiro, como Gabriel Medina e Adriano de Souza, o Mineirinho, que disse que Jean foi um dos responsáveis por melhorar o seu próprio desempenho.

Ainda não há informação oficial sobre a causa da morte do surfista, que não deixa filhos e estaria lutando contra depressão.

"Eu prefiro acreditar que ele cumpriu a missão dele aqui na Terra", diz Petterson, "que foi mostrar como viver durante 32 anos de maneira intensa. Ele não parava um minuto, seja competindo, seja viajando. Se ele estava na cozinha, ele gostava de fazer o melhor prato para te deixar feliz, se ele conversava contigo, ele te observava atentamente para aprender algo com você. É assim que quero lembrar dele."

Notícia publicada no Portal BOL, em 26 de novembro de 2017.

Paula Mendlowicz comenta

Notícia que provocou tristeza e perplexidade entre os amigos e principais nomes do surfe, mas que nos traz algumas reflexões muito importantes. A causa da morte do surfista não foi divulgada, e ao mesmo tempo que amigos dizem que Jean viveu intensamente, dizem também que estaria lutando contra uma depressão.

Jean era jovem, bonito e saudável. Viajava pelo mundo todo, patrocinado por uma marca de roupas esportivas, enfrentando ondas gigantes, em praias paradisíacas. Para muitos, essa é a vida ideal - beleza, fama, dinheiro, viajar o mundo todo; no entanto, se é verdade que Jean enfrentava uma depressão, a realidade é de que lutava diariamente com o sofrimento.

A depressão é uma doença e deve ser tratada de maneira séria, mas infelizmente muitos ainda consideram como 'frescura', fraqueza ou até mesmo falta do que fazer.

A Organização Mundial da Saúde calcula que, em vinte anos, a depressão ocupará o segundo lugar no ranking dos males que mais matam. Reconhecer a depressão é frequentemente o maior obstáculo para diagnosticar e tratar a depressão. Infelizmente, aproximadamente metade das pessoas que passa pela depressão nunca tem a doença diagnosticada ou tratada. E isso pode ser uma ameaça: mais de 10% das pessoas que têm depressão se suicidam (htttp://www.minhavida.com.br/saude/materias/1525-o-que-e-depressao).

Por isso a importância do diagnóstico e da quebra de tabus, pois a depressão não escolhe idade, cor, sexo, nem classe social. Quando diagnosticada e tratada adequadamente, apresenta excelentes resultados.

Os critérios atuais para diagnóstico da depressão – estipulados por entidades médicas como a OMS e a Associação Americana de Psiquiatria – determinam que, para ser detectada com a doença, uma pessoa deve apresentar ao menos cinco sintomas do transtorno. Entre eles, um deve ser obrigatoriamente o humor deprimido (tristeza, desânimo e pensamentos negativos) ou a perda de interesse por coisas que antes eram prazerosas ao paciente. Os outros sintomas podem incluir alterações no sono, no apetite ou no peso, cansaço e falta de concentração, por exemplo (https://veja.abril.com.br/saude/8-sinais-de-que-voce-pode-estar-com-depr...).

Procurar ajuda é fundamental e ela pode ser feita em hospitais psiquiátricos, universidades que tenham programas de ajuda em saúde mental, serviços de ajuda familiar, programas de assistência social, etc... O importante é não deixar de procurar ajuda!

Então, falamos sobre a parte física, procurar ajuda médica e tratar o corpo, mas e a parte espiritual? Como a Doutrina espírita pode nos ajudar? Vamos começar com O Evangelho Segundo o Espiritismo, cap. V, Bem-Aventurados os Aflitos, item Melancolia:

Sabeis por que, às vezes, uma vaga tristeza se apodera dos vossos corações e vos leva a considerar amarga a vida? É que vosso Espírito, aspirando à felicidade e à liberdade, se esgota, jungido ao corpo que lhe serve de prisão, em vãos esforços para sair dele. Reconhecendo inúteis esses esforços, cai no desânimo e, como o corpo lhe sofre a influência, toma-vos a lassidão, o abatimento, uma espécie de apatia, e vos julgais infelizes.

Nesses momentos precisamos resistir, é para isso que estamos encarnados, vamos aprendendo um pouco mais a cada encarnação. As dificuldades e as dores servem para o nosso despertar, nosso crescimento e nossa evolução. Desejamos uma vida de felicidades que ainda não temos condições de possuir.

Santo Agostinho nos deixou uma preciosa lição de como podemos trabalhar em nós o crescimento: Qual o meio prático mais eficaz que tem o homem de se melhorar nesta vida e de resistir à atração do mal? Resposta: “Um sábio da Antiguidade vo-lo disse: Conhece-te a ti mesmo”. (Questão 919, O Livro dos Espíritos.)

Assim, entendemos a importância do autoconhecimento e do autoamor para seguirmos em frente, evitando as armadilhas da tristeza e do suicídio.

“O autoamor proporciona uma visão mais clara de quem se é, do que se deseja e do que não se deseja para si. É através dele que estabelecemos metas para nossa existência: metas educacionais, familiares, sociais, artísticas, econômicas e espirituais, pensando em nós não apenas agora, mas nos cuidados para com o futuro...” (http://www.momento.com.br/pt/ler_texto.php?id=3232).

Por isso, tenhamos fé, façamos nosso trabalho junto à família, aos amigos e desconhecidos também. Vamos em frente, juntamente com nossos amigos espirituais, que tanto nos confortam, ajudam e fortalecem. E quando sejamos tocados pela melancolia, pelo sentimento de vazio, façamos uma leitura edificante e uma oração, nos conectando a Deus, pedindo a força e a coragem necessárias para completar nossa missão nessa jornada terrestre.

“Guarde a convicção de que todos estamos caminhando para adiante, através de problemas e lutas, na aquisição de experiência, e de que a vida concorda com as pausas de refazimento das nossas forças, mas não se acomoda com a inércia em momento algum.” (Do Livro Busca e Acharás, espírito André Luiz, psicografia de Francisco Cândido Xavier.)

Sugestões de Leitura:

- O Evangelho Segundo o Espiritismo – Allan Kardec;

- Viver é a melhor opção – André Trigueiro;

- Livreto: Em defesa da vida, Suicídio não (http://www.febnet.org.br/wp-content/uploads/2012/11/Livreto-Suicidio.pdf).

Site:

- Centro de Valorização da vida (CVV) - https://www.cvv.org.br/.

Vídeos:

- Viver é a melhor opção: https://www.youtube.com/watch?v=w_fB75fDCvk – André Trigueiro.

* Paula Mendlowicz é carioca e formada em ciências biológicas pela UERJ. É espírita e colaboradora do Espiritismo.net.