2007-09-12 Depois do estresse, a depressão

Estresse

Depois do estresse, a depressão


Pouca gente sabe, mas a maioria dos casos de depressão, que já é considerada um dos grandes males do século 21, começa com o estresse crônico ou agudo. Esse problema, juntamente com os distúrbios no sistema cardiovascular podem ser considerados os principais perigos que o estresse pode provocar.

Segundo o psiquiatra Renério Fraguas Junior, situações estressantes podem desencadear outros problemas além da depressão, como a síndrome do pânico e o transtorno bipolar, em que o estado do paciente oscila entre o eufórico e o depressivo.

O contrário também pode acontecer. Da mesma forma que pessoas submetidas a estresse são mais suscetíveis à depressão, as pessoas deprimidas têm mais propensão a se sentirem pressionadas e a se encontrarem em situações estressantes, ou seja, a depressão também favorece o estresse.

Fragilidades no sistema cardiovascular também costumam ser potencializadas com a depressão. Isso quer dizer que aqueles que já tiveram algum problema com o coração e apresentarem depressão associada a exposição ao estresse têm cerca de três vezes mais chance de sofrer um enfarte. 

http://www.terra.com.br/saude


Vida e Saúde – Qualidade de Vida
Redação Terra: Thais Gurgel



Homem que injetou produtos domésticos no rosto ficou desfigurado

Em sua busca incansável pela perfeição estética, o estilista optou por procedimentos arriscados, colocando sua saúde e vida em riscos, após passar por uma transformação que resultou em sérias consequências. Nara de Campos Coelho comenta.

Feira de integração no Rio de Janeiro

Acontecerá no dia 23 de novembro de 2014, das 9h às 17h no Museu Militar Conde de Linhares, a 14ª Feira de Integração FUNTARSO e instituições colaboradoras. Na programação, sessões de autógrafos de autores espíritas, música ao vivo, sorteio de brindes, artesanato, comidas típicas e produtos natalinos.

Água-viva imortal pode guardar segredo da vida eterna

Pode ser que estejamos muito próximo de uma descoberta que mudaria o rumo da história: é no que acredita o biólogo Shin Kubota, professor no Laboratório de Biologia Marítima Seto – da Universidade Kyoto, ao pesquisar uma água-viva imortal. Breno Henrique de Sousa comenta.