2007-09-12 Depois do estresse, a depressão

Estresse

Depois do estresse, a depressão


Pouca gente sabe, mas a maioria dos casos de depressão, que já é considerada um dos grandes males do século 21, começa com o estresse crônico ou agudo. Esse problema, juntamente com os distúrbios no sistema cardiovascular podem ser considerados os principais perigos que o estresse pode provocar.

Segundo o psiquiatra Renério Fraguas Junior, situações estressantes podem desencadear outros problemas além da depressão, como a síndrome do pânico e o transtorno bipolar, em que o estado do paciente oscila entre o eufórico e o depressivo.

O contrário também pode acontecer. Da mesma forma que pessoas submetidas a estresse são mais suscetíveis à depressão, as pessoas deprimidas têm mais propensão a se sentirem pressionadas e a se encontrarem em situações estressantes, ou seja, a depressão também favorece o estresse.

Fragilidades no sistema cardiovascular também costumam ser potencializadas com a depressão. Isso quer dizer que aqueles que já tiveram algum problema com o coração e apresentarem depressão associada a exposição ao estresse têm cerca de três vezes mais chance de sofrer um enfarte. 

http://www.terra.com.br/saude


Vida e Saúde – Qualidade de Vida
Redação Terra: Thais Gurgel



Britânica é presa por fazer sexo com filho de 12 anos

Uma mulher foi presa em Bristol, no Reino Unido, por fazer sexo com seu filho de 12 anos – enquanto, via webcam, seu namorado a dizia o que fazer com o menino. Um psiquiatra, que avaliou a mulher, disse que ela sofre de transtorno de personalidade. Nara de Campos Coelho comenta.

Seminário com Haroldo Dutra em Santa Catarina

Organizado pela 14ª União Regional Espírita de Santa Catarina, será realizado no dia 27 de setembro, no Hotel Cambirela, o Seminário com Haroldo Dutra, palestrante, professor, escritor e tradutor radicado em Minas Gerais. O tema central é "Carta de Paulo à Filemon".

Faxineira larga filhos para morar com ex-preso em ponto de ônibus no DF

Paraibano afirma que passou 26 anos na cadeia por ter matado 15 pessoas. Eles decidiram se mudar para o local, próximo ao Complexo Penitenciário da Papuda. Assistentes sociais tentaram retirá-los do local, sem sucesso. Jorge Hessen comenta.