2007-09-12 Depois do estresse, a depressão

Estresse

Depois do estresse, a depressão


Pouca gente sabe, mas a maioria dos casos de depressão, que já é considerada um dos grandes males do século 21, começa com o estresse crônico ou agudo. Esse problema, juntamente com os distúrbios no sistema cardiovascular podem ser considerados os principais perigos que o estresse pode provocar.

Segundo o psiquiatra Renério Fraguas Junior, situações estressantes podem desencadear outros problemas além da depressão, como a síndrome do pânico e o transtorno bipolar, em que o estado do paciente oscila entre o eufórico e o depressivo.

O contrário também pode acontecer. Da mesma forma que pessoas submetidas a estresse são mais suscetíveis à depressão, as pessoas deprimidas têm mais propensão a se sentirem pressionadas e a se encontrarem em situações estressantes, ou seja, a depressão também favorece o estresse.

Fragilidades no sistema cardiovascular também costumam ser potencializadas com a depressão. Isso quer dizer que aqueles que já tiveram algum problema com o coração e apresentarem depressão associada a exposição ao estresse têm cerca de três vezes mais chance de sofrer um enfarte. 

http://www.terra.com.br/saude


Vida e Saúde – Qualidade de Vida
Redação Terra: Thais Gurgel



A síndrome do 'sempre ligado' que aflige usuários de smartphones

Você está de férias, mas checa os e-mails do trabalho assim que acorda. E fica preocupado se o hotel não tiver um bom wi-fi ou se seu celular ficar sem sinal. Esses são típicos indícios do estresse conhecido como "sempre ligado". Jorge Hessen comenta.

Aniversário da Federação Baiana com Divaldo Franco

Será realizada no dia 25 de dezembro de 2014, a partir das 10h no Centro de Convenções da Bahia, a Sessão Comemorativa do 99º Aniversário da Federação Espírita do Estado da Bahia (FEEB). O palestrante será Divaldo Pereira Franco, que falará sobre as realizações da instituição.

Não atire o pau no gato: correção política altera cantigas

Gato agredido, boi que sequestra crianças, cravo que discute (na melhor das hipóteses) com uma rosa - as letras das músicas infantis tradicionais, parte do folclore brasileiro, são questionadas quanto ao conteúdo nas escolas brasileiras. Nara de Campos Coelho comenta.