Espiritismo .NET

A incrível história do homem sem documentos encontrado no Brasil 5 anos após desaparecer no Canadá

Liège Albuquerque
De Manaus para a BBC Brasil

Um canadense que passou cinco anos desaparecido e foi encontrado andando por estradas de Rondônia e Amazonas sem documentos e dinheiro - e sem saber ao certo sua identidade - conseguiu se reunir com sua família em Toronto.

Anton Pilipa, de 39 anos, foi abordado por uma policial rodoviária no final de novembro quando perambulava na BR 364 em Rondônia, colocando sua vida em perigo no meio dos veículos.

Ele foi levado a um hospital em Porto Velho. Enquanto as autoridades tentavam identificá-lo, com ajuda de embaixadas e de listas de desaparecidos, o homem fugiu do hospital.

Quando foi encontrado novamente, no início do ano, andando por uma estrada na entrada de Manaus, já se sabia quem ele era: tratava-se de um cidadão canadense, que tinha desaparecido em 2012 pouco depois de iniciar um tratamento para esquizofrenia.

Poucas palavras

Anton é de poucas palavras. Em conversa com a BBC Brasil em Manaus, de onde partiria o voo que levariam ele e seu irmão, Stefan Pilipa, de volta para casa, Anton não deu detalhes de sua peregrinação, talvez pelo efeito dos medicamentos para controlar a esquizofrenia.

"Nunca me senti sozinho", diz ele, de voz mansa. "Foram anos pensando muito, dormindo ao relento. É muito simples viver, não precisamos de muitas coisas."

Anton perambulou por cidades e vilarejos de pelo menos nove países desde o Canadá, como Estados Unidos, México, Guatemala, Costa Rica, Panamá, Colômbia, Venezuela e Brasil.

Ele conta que, na maior parte do tempo de suas andanças, buscava alimentos e roupas em lixeiras, e que, às vezes, recebia comida de algumas pessoas. Mas diz também ter topado com "pessoas más" pelo caminho. "Mas (recebi) mais generosidade, especialmente nos últimos tempos".

'Emoção indescritível'

O irmão, Stefan, relata que a família recebeu pouco antes do Natal a notícia de que Anton tinha sido encontrado a mais de 10 mil quilômetros do Canadá.

"Foi uma emoção indescritível, porque uma pessoa perdida na família deixa todos em uma espera interminável, algo difícil de explicar", diz Stefan.

"Uma morte em vida, porque não se sabe se a pessoa morreu, se está doente, se está comendo. Isto abala a todos para sempre", acrescenta.

Segundo ele, o contato foi feito graças à iniciativa da policial rodoviária Helenice Campos, que abordou Anton na estrada de Rondônia, quando este parecia um mendigo, que há meses usava a mesma bermuda azul e camiseta, proferindo xingamentos e palavras desconexas.

Helenice o conduziu a um hospital em Porto Velho e encontrou o irmão de Anton no Twitter.

Stefan relatou a emoção ao constatar que a Polícia Rodoviária Federal tinha divulgado fotos de seu irmão, e que a busca por sua identidade teve grande repercussão na internet. Ele chegou a receber ligações de mães de associações de desaparecidos de todo o mundo, algumas dizendo ter a esperança de Anton ser seu filho sumido, mas todas felizes por ele ter encontrado sua família.

"Nossa história trouxe a elas esperança, porque é algo muito difícil de ter constantemente numa situação dessas, sem traços dos passos da pessoa, sem pistas, só dor e ansiedade", conta Stefan.

A família começou a se mobilizar para conseguir dinheiro para buscá-lo, chegando a criar uma conta de financiamento coletivo na internet para ajudar a bancar custos, como as passagens de avião.

Entre os que o aguardavam em Toronto, estava a mãe, de 65 anos, e a filha mais velha de Stefan, de 15 anos, que sempre foi muito ligada ao tio.

No mesmo dia em que desembarcou no Canadá vindo do Brasil, Anton compareceu à Justiça e foi detido sob acusação de tentativa de agressão.

A agressão teria sido cometida em 29 de janeiro de 2011. Ele foi intimado na época, mas desapareceu antes da data marcada para comparecer perante a Justiça. Ao se apresentar agora, foi solto sob fiança e com audiência marcada.

Desaparecimento em Toronto

Quando Anton desapareceu, em março de 2012, ele iniciava um tratamento contra sua doença mental. Por décadas havia trabalhado em Vancouver, Montreal e Toronto como funcionário de organizações humanitárias de auxílio a pessoas carentes.

"Fazia pouco tempo que Anton havia se mudado para um bairro distante de mim e não nos víamos com muita frequência", conta Stefan.

"Quando percebemos que ele havia sumido, deixando para trás documentos, roupas e sua casa, informamos seu desaparecimento de imediato à polícia e publicamos um cartaz na internet".

"O procuramos muito pelo país, mas nunca tivemos nenhuma notícia sequer, nenhuma pista. Era difícil manter a esperança de encontrá-lo com vida".

Manaus

Quando foi encontrado perto de Manaus, todos os postos da Polícia Rodoviária Federal já estavam alertados sobre o andarilho de cabelos e barba longos e loiros, que ainda mantém. Anton xingava muito, mas não demonstrava nenhum sinal de ser uma pessoa violenta.

"Muito pelo contrário, ele xingava com a boca, mas não com o olhar", contou a policial rodoviária Maria Furtado, que o abordou na BR 319. "Para nós, ele não era mais invisível e já tinha nome e endereço, felizmente."

"Fiquei emocionada de poder ajudar nessa história porque são raríssimos os andarilhos que fazem o caminho de volta para casa", disse ainda.

Durante todo o mês de janeiro, enquanto Stefan procurava o dinheiro e a documentação de Anton para buscá-lo em Manaus, ele ficou internado no Hospital Eduardo Ribeiro, na capital amazonense.

Por sorte, a esposa do cônsul do Canadá em Manaus, Mark Peters, é psiquiatra, e o casal pôde dar assistência ao conterrâneo.

Anton frisa que estar vivo e voltar para casa demonstra que ele teve sorte. "Sei que tenho muita sorte em estar vivo, de alguém ter me ouvido para ser encontrado, e estou muito feliz por poder voltar para minha família."

Notícia publicada na BBC Brasil, em 1º de março de 2017.

Claudia Abreu* comenta

Frequentemente vemos em reportagens de jornais, revistas ou na televisão casos de crianças e adultos que são dados como desaparecidos. Mas nem sempre os casos são solucionados, ou com o aparecimento da pessoa ou com uma conclusão do que aconteceu. Mas o caso do Canadense Anton Pilipa teve um fechamento diferente, pois surpreendentemente conseguiu ser identificado e encaminhado de volta para a sua família, mesmo depois de 5 anos fora da sua cidade natal e vagando por cidades de outros países.

Sabemos o quanto é difícil para os familiares de pessoas desaparecidas viverem com a falta da pessoa e de notícias do seu paradeiro, sem saber se um dia irá encontrá-la. A espera é grande e muito dolorosa, mas a fé e a esperança mantêm acessa a chama do reencontro um dia. Que no caso da família do Anton Pilipa, como o irmão Stefan diz na matéria, não estavam mais conseguindo acreditar que ele ainda estivesse vivo.

Mas felizmente para a família canadense a longa espera chegou ao fim, pois Anton voltou para casa e pôde rever a todos e matar as saudades. Pois, de acordo com a fala do irmão, “quando tem uma pessoa perdida na família deixa todos em uma espera interminável”, mas no caso deles essa espera enfim terminou.

E Anton nos deixou uma lição quando disse: “É muito simples viver, não precisamos de muita coisa”, se referindo às andanças dele durante esses anos fora de casa. Mas nós aqui encarnados achamos que precisamos de tantas coisas, estamos sempre adquirindo mais e mais em um consumismo desenfreado, insatisfeitos com o que temos e desejando adquirir ou trocar por novos os nossos aparelhos, móveis e tantas outras coisas que utilizamos, mesmo eles estando em perfeito estado e funcionando. Enquanto que na questão 922 de “O Livro dos Espíritos”, quando se faz a pergunta: “Haverá, contudo, algum critério de felicidade para todos os homens? E o Espíritos respondem: Para a vida material, é a posse do necessário; para a vida moral, a consciência tranquila e a fé no futuro”. Podemos ver que precisamos realmente de muito pouco para viver.

Mas ele sobreviveu durante esses cinco anos com a escassez e os percalços que encontrou pelo caminho e agora está feliz por ter voltado para a sua família. E é muito bom quando vemos uma história como essa terminar com um final feliz.

* Claudia Abreu é espírita e colaboradora do Espiritismo.net.